quarta-feira, 26 de junho de 2019
Colunistas / Filosofia Popular
Rasta do Pelô

MULHER DO RASTA deu na telha que quer falar francês e passear em Paris

Rasta garante que vai lhe dar um brinco bola de ouro comparado na galeria Oxumaré
04/12/2013 às 07:00
Deu uma virada no tempo e na cabeça de dona Céu. Só pode ser isso, a influência de Iansã, rainha dos raios e dos trovões com essa proximidade do dia 4 dezembro. A santa esposa depois de ter confeccionado uma calça à La Cláudia Leitte usada no The Voice Brasil e ter calçado um Lobatin com sola pintada à mão, agora deu na telha que deseja aprender a falar francês.

   Por isso digo que só pode ser sobrenatural, coisa do outro mundo. A minha senhôra deu pra torcer o bico pintado e falar "bonjour" quando acordo; "bon nuit", quanto é noite, e quer porque quer que eu chame sua amiga Rafa Tanajura de "mademoiselle" e donas Tina Copo e Andréa Lady Lú, de "madames".

   Fui questionar porque essa mania de tentar aprender francês depois de coroa quando a idade não é boa para o aprendizado, a memória da pessoa tá ficando fraca, o joanete cresce, o ouvido fica meio surdo de um lado, e ela quase me expulsa do sofá onde assistia o mengão enfiar 2x0 no furacão do Paraná.

   - Vou aprender porque é chique, porque algum dia eu posso ir morar no Canadá exercer minha profissão de Enfa, porque também tenho uma vontade enorme de passear em Paris, no "bateau" do Sena, e não quero ficar como minha tinha Perfume que foi a Europa e não sabia dizer "good morning", nem "good nigt", e ficou foi vendo seu filho e seus netos falando inglês sem ela entender patativa.

   - Então você deveria aprender inglês que é a língua universal, é a lingua que todo mundo fala, que os turistas que compram minhas toucas no Pelô falam, e não uma lingua morta, um latim à moda moderna que é esse francês.

   - Mas inglês não é chique, não tem charme, não é bonito e não me venha querer comparar NY com Paris, porque nunca fui nesses lugares, mas, sei que NY é brega e Paris é chique dito por minha irmã Rilza Cervejão que é viajada, que conhece a China, que conhece o Vietnã, que já foi a Turquia e conhece Paris como a palma da mão.

   - Imagino você em Paris torcendo esse bico pintado ou no Canadá trabalhando de Enfa. Eu vou é dar risada ver você parecendo um pinguim, congelada naquela geladeira que é Quebec - apimentei a conversa mostrando meus conhecimentos sobre o país do frio.

   - É melhor do que ficar aqui nesse calor infernal costurando toucas e fazendo tererê no Pelourinho e ainda tendo de ouvir suas leras tomando latinhas, retou.

   - Mas aqui tem luz, tem vida, tem a Cantiana da Lua, tem a terça da benção, tem o Olodum, o Filhos de Gandhy e toda essa baianidade nagô.

   - Fique pra você, pois, já estou cheia disso, de trabalho, trabalho, batuque, batuque, e melhorar de vida que é bom só agora que atingimos a classe C emergente, mesmo assim graças ao nosso "Rei Sol" e o bolsa familia, e mais um outra bolsa que você arranjou por debaixo do pano. Daqui a pouco v vai arranjar até uma aposentadoria como "revolucionário".

   - Não se zangue. Hoje fui no Outlet do Uruguai e comprei umas blusas pra você no Black-Friday, preço camarada, 3 por R$50,00, seduzi minha senhôra ofertando-lhe a sacola de presentes e mostrando que também falo palavras em inglês.

   A mulher se derreteu toda quando abriu a sacola. 

   - Lindas, 'vous es mon ange', você é meu anjo repetiu o palavreado para eu entender. Esta daqui tem uma cor maravilhosa e vou arrasar no Shopping Piedade na praça de alimentação onde marquei com minha amiga Tati para uma comemoração.

   De repente, a mulher fechou a cara assim que tentou experimentar uma das blusas e já veio com pedras nas mãos. 

   - Vous parece que é broco. Parece até que não dorme comingo há anos, que não me apalpa, que não beija minhas costas, que não sabe minha altura, e me compra blusas tamanho P, advertiu-me tentando colocar uma das blusas que mal passou por sua cabeça e enganchou nos ombros.

   - Mas não é possível a moça da loja disse que era a medida dela e me pareceu com a sua, da mesma forma, comentei.

   - Que mesma forma! Você tá cubando minhas medidas com atendente de loja, onde já se viu isso, depois de mais de 20 anos de casados!
- Pior é que essas peças não podem ser trocadas, pois comprei-as na promoção do Black-Friday - sequenciei a conversa dizendo que ela poderia dar a uma sobrinha, ofertar a uma amiga.

   - Que amiga! Vous tá louco. A Andréa dá duas de mim. Rafa tá parecendo Preta Gil. Vou é dar essas peças a minha sobrinha que só cabem nela.

   - Isso, completei, é um bom presente de Natal.

   - Nada. No Natal v vai ter que comprar uma coisa melhor para ela e um brinco "star", a estrela da linha star, para mim, saltitou se perfumando toda.

   - Você vai ganhar é coisa melhor, o brinco bola de ouro, referência chic da Copa do Mundo 2014.

   - É da H. Stern? Da Taj Mahal? da Cartier? - assanhou-se dona Céu.

   - É da loja de Sissi na Galeria Oxumaré, de ouro besouro, disparei correndo para o quarto temendo uma vassourada.