quarta-feira, 17 de janeiro de 2018
Colunistas / Crônicas de Copacabana
Nara Franco
Deu ruim para Danuza Leão

Danuza achou o protesto chato e disse que "para ser feliz uma mulher deve ser assediada de duas a tres vezes por dia"

Crônicas de Copacabana: Empoderamento feminino e turismo

Um país continental como o Brasil não pode viver de peito e bunda, né? É se contentar com muito pouco.

A bunda malandra de Anitta

Enquanto as atrizes globais e internacionais competem pelo Troféu Passo Fome do Ano, na periferia o que vale é bunda grande, corpão violâo, peitão, bração, pernão

Crônicas de Copacabana: Acima do bem e do mal e o Maracanã

A impunidade é uma marca registrada no Brasil e até agora ninguém foi punido

Crônicas Copacabana: Iemanjá sem din din e dilema Muralha

O Rio de Janeiro é o único estado do país que consegue a proeza de ter dois ex-governadores na cadeia

Crônicas de Copacabana: Não está fácil ser carioca

Os grupos evangélicos incitam a violência

Crônicas Copacabana: Carência de bom turismo me dá deprê

O Rio de Janeiro não é uma cidade amigável aos turistas, pelo menos para aqueles que não são mochileiros ou aventureiros

O faroeste nosso de todo dia

Deviam pensar em resolver a violência no Brasil e não apenas no Rio. Aqui, a meu ver, não tem solução. Pode ter na Bahia, no Ceará ou no Rio Grande do Norte. No Rio ... sei não.

Crônicas de Copacabana: Um café na Confeitaria Colombo

Crônicas de CPara entrar no Forte é preciso pagar R$ 6 de entrada. Crianças até 12 anos não pagam.

O mundo é estranho e o sabão Omo,

Bispo e vereador. Não há padre vereador. Espírita vereador. Nem mãe de santo vereador. Há bispo vereador

Crônicas de Copacabana: Enquanto a Rocinha ferve guitarras urram

E como já nos acostumamos com a guerra nossa de cada dia, enquanto o tiro come, as guitarras urram. Coisas que só o Brasil é capaz de produzir.

O fim da centenária Casa Cruz, por NARA FRANCO A papelaria foi fun

A papelaria foi fundada em 1893, no Largo de São Francisco, por José Rodrigues da Cruz. Começou sua trajetória de 124 anos no prédio histórico da Travessa São Francisco de Paula,

Quanto vale uma rainha de bateria

Para as escolas servem como marketing mas não conquistam títulos

Crônicas Copacabana: La Cicciolina fecha. Fim de uma era.

A placa de "Passo o Ponto" na La Cicciolina - American Bar me deu certo baixo astral

O Bicho chega ao século XXI

Modernização num dos jogos mais antigos do país

Mais amor e esfirra do Mohamed

Sábado próximo tem evento comer esfirras no Mohamed

Crônicas de Copacabana: Kátia Flavia chega aos 30

Essa peculiaridade do bairro é o que torna a Princesinha do Mar única. Tudo pode. O travesti e a viúva do militar na fila da padaria.

Divinas Divas e a Galeria Alaska

Nara Franco é jornalista e mora em Copacabana

Na praia, a farofa tá na moda

Lembro que há uns dois verões criaram um movimento chamado Rio $urreal, diante dos preços abusivos cobrados em todos os lugares. Deu resultado.

Princesinha do Mar faz 125 anos

Veja lugares legais que você conhecer em Copacabana (Nara Franco é jornalista e mora em Copacabana)