quinta-feira, 22 de agosto de 2019
Colunistas / Filosofia Popular
Rasta do Pelô

CRÔNICA: Mulher do Rasta do Pelô copia calça de Claudinha no The Voice

Essa classe C emergente não é brincadeira não e foi metida a besta desde que nosso "Rei Sol" a colocou na ribalta
28/10/2013 às 10:39
 Essa classe C emergente não tem limites. Não se assunta. Imaginem vocês que esse programa The Voice Brasil está me tirando do sério, pois, desde que entrou no ar na segunda edição e Cláudia Leitte apareceu nas chamadas com aquela calça conceito da Lança Perfume, com correntes estilizadas e mais, durante o programa de estreia com uma calça rendada com cristais Swaroski bordados a mão, que Dona Céu, minha santíssima esposa, não fala em outra coisa.

   Já promoveu duas ou três reuniões com as amigas no salão de Andreia, ligou para a irmã Rilza Cervejão umas cinco vezes para aconselhamento com a estilista Zaís Pinharada, e quer porque quer, uma calça rendada daquelas de qualquer jeito e o blazer negro também com rendas.

   Eu até brinquei com ela dizendo que fizesse uma com o filó do nosso mosquiteiro e quase levo foi uma sombrinha na cabeça. 

   - Filó é coisa do passado meu véi, vou colocar é um split no nosso quarto e estou combinando com as meninas é para fazer uma calça com renda francesa igual a da Claudinha, respondeu com intimidade como se a cantora fosse sua amiga.

   - Deve ser renda francesa comprada na Baixa dos Sapateiros numa daquelas casas onde você adquiriu aquela fantasia erótica de enfermeira que só deu duas lavadas, comentei com ironia frisando que, quem pode ter uma calça dessas é a esposa do conselheiro Souza, o qual é o homem de capilé alto.

   - Ah! você entende é de vender boinas e tocar tamborim. Minha irmã já falou com a estilista Zaís, Andreia já comprou umas correntes e vamos é arrasar, cutucou sem mais delongas despedindo-se e dizendo que ia para mais um encontro.

   Como sou sempre voto vencido em casa fui vender minhas boinas no Pelô e tentar uma tocada no feriadão da Proclamação da República, o mercado musical ainda mais estreito depois que o maestro Reginaldo resolveu mudar-se para o andar de cima.

   Ainda assim, mesmo sabendo que não se tratava de um assunto relevante, de alto coturno, liguei para meu conselheiro de todas as horas, Badu, o intelectual de bigode, mais até para comentar sobre os desejos de minha esposa do que para que desse uns pitacos, até porque sei que ele não é conhecedor de moda.

   - Imagine você, disse pelo telefone direto a Floripa, que dona Céu quer ser a Cláudia Leitte aqui da Caixa D'Água e usar uma calça daquelas rendadas com blaser black, comentei.

   - Ah! compadre. Faça os gostos da mulher. Eu achei aquele veste sensual e a Claudinha estava linda, comentou Badu também insinuando que é intimo da cantora.

   - Aquela roupa custa os olhos da cara e mal temos para comprar uma Calvin Klein da Baixa, falsification, daí que não sei onde conseguir dinheiro para tal empreendimento, respondi.

   - Recorra aos seus amigos, fale com a irmã dela dona Rilza Cervejão que é caixa alta, fale com aquele deputado seu amigo da Feira, se vire nos 30 que ela merece, ajuizou.

   - Tá bom, vou tentar, conclui.

    Diria que o dia foi até bom no Pelô. Com navio no Porto, turistas à mancheia na área, vendi várias boinas e fiz um dia gordo em capilé, a ponto de tomar duas bramosas na Cantina da Lua após o expediente e beliscar um tira-gosto de camarão feito pela garçonete Márcia Dendê.

    Ao chegar em casa, à noite, Amor à Vida já passando na telinha e dona Pilar se recuperando de cirurgia, encontrei dona Céu toda alegre, folheando uma revista com cada sapato bonito de doer os olhos. 

   - E aí como foi a reunião com suas amigas? - questionei.

    - Uma maravilha, Já acertamos tudo. Minha irmã Rilza fechou com a estilista, Andreia vai produzir uma calça com correntes para ela e eu e Tina Copa vamos usar as calças com as rendas francesas, respondeu.

    - E o capilé, conseguiram aonde para tais despesas? - aduzi.
  - Achamos uma renda "muita boa" numa loja da Baixa que imita a renda francesa, até mais bonita, e a costureira-estiliista vai cobrar R$100 pelas duas peças já aviadas e arrematadas, dissse mostrando ademais um sapato com sola vermelha dizendo que, iriam também usar Loubotin.

     Com minha ignorância em moda argui: - Sapato Lobo...o que ê? 

    - Christian Looboutin cabeçudo. Uma marca francesa com sola vermelha laqueada igual ao que Claudinha também usou no programa e Carlinhos Brown e Lulu Santos bebeberam champagne nele, em gestos.

   - Mas esses sapatos, pelo que você me diz, devem custar uma fábula.

    - Já compramos dois pares na Leão de Bronze da Baixa e Andreia sugeriu que a gente adquirisse uma latinha de tinta esmalte sintético, passasse no solado, que fica igual ao Louboutin.

   - Agora vai! Vou brindar com uma 51 assim que colocar nos seus pés.