segunda-feira, 21 de junho de 2021
Política

MORRE PREFEITO DE SÃO PAULO AOS 41 ANOS DE IDADE VITIMA DE CÂNCER

Prefeito de linha moderada e que enfrentou o autoritarismo
Da Redação , Salvador | 16/05/2021 às 10:03
Bruno Covas
Foto:
   O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, faleceu neste domingo (16), aos 41 anos, vítima de câncer. Ele deixa um filho, Tomás Covas, de 15 anos, e os pais, Pedro Lopes e Renata Covas Lopes. Na última sexta-feira, Covas teve um agravo em seu quadro clínico que passou a ser considerado como irreverísvel pela equipe médica do hospital Sírio Libanês, em São Paulo, onde estava internado desde o dia 2 maio. 

Em 2019, ele foi diagnosticado com câncer inicialmente diagnosticado na cárdia (região entre o esôfago e o estômago) que se espalhou também para o fígado e os gânglios linfáticos O tratamento fez com que parte dos tumores diminuíssem, mas em abril deste ano  exames detectaram novos focos da doença no fígado, nos ossos da coluna e da bacia.. Para se dedicar ao tratamento, Covas se licenciou oficialmente do cargo de prefeito de São Paulo em 3 de maio. 

Após a piora de seu quadro de saúde, Covas passou a receber medicamentos analgésicos e sedativos. Ele estava acompanhado de seus familiares. Na semana passada, o politico iniciou tratamento com radioterapia para tentar controlar um sangramento residual detectado em seu estômago, uma complicação que surgiu enquanto o prefeito tratava de um metastático que atinge o sistema digestivo e os ossos.

Na ocasião, Covas havia feito uma endoscopia que "evidenciou discreto sangramento residual no estômago". Foi um sangramento na interligação entre o estômago e o esôfago - local onde um de seus três primeiros tumores foi detectado - que o havia feito precisar ir para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital. Esse primeiro sangramento havia sido controlado no próprio exame, mas o prefeito foi para o centro de cuidado intensivo para se recuperar.

Uma nova endoscopia, porém, revelou que havia ponto de hemorragia. "Desta forma, foi iniciado tratamento local com radioterapia para controle deste sangramento", informou o boletim médico à epoca. Desde que o primeiro sangramento foi detectado, Covas teve de interromper o tratamento contra os tumores que atingem o fígado, a bacia e a coluna. Ele vinha se submetendo a um procedimento que combinava sessões de quimioterapia e radioterapia.