quarta-feira, 01 de dezembro de 2021
Cultura

MUSEUS CIDADE DA MÚSICA E PRÓ-MEMÓRIA DE SERRINHA, VIVO E MORTO (TF)

Acorda prefeito Adriano Lima e coloca o seu nome na história antes que seja tarde
Tasso Franco , da redação em Salvador | 28/09/2021 às 10:03
Antigo prefeito da Prefeitura de Serrinha desabando
Foto: BJÁ
       O prefeito Bruno Reis inaugurou, recentemente, o Museu Cidade da Música no antigo casarão dos azulejos da Praça Cayru, Comércio, Salvador, com investimentos de R$21,9 milhões, sendo R$11 milhões provenientes de financiamento junto à Corporação Andina de Fomento (CAF), através do Programa de Requalificação Urbanística de Salvador (Proquali), com intermediação da Casa Civil, e obras executadas pela Superintendência de Obras Públicas (Sucop), vinculada à Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra).

    Gerenciado pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), a Cidade da Música da Bahia possui 1.914,76 m² de área construída e quatro pavimentos, cuja imersão dos visitantes é proporcionada através da mais moderna tecnologia. O piso térreo conta com hall de entrada, recepção/bilheteria, salão de estar, café, loja, biblioteca, midiateca, centro de pesquisa, área de infraestrutura do centro cultural, secretaria, depósito, copa e área de funcionários. E nos outros três, as exposições.

    Esta é a mais expressiva obra de Bruno Reis na área cultural - e em visibilidade deverá ser de todo seu governo - um projeto de continuidade que começou com ACM Neto, em 2018. 

    Faço esse comentário inicial para mostrar o quanto o município de Serrinha vem perdendo em tempo e gestão, há 30 anos, sem conseguir recuperar o prédio da antiga Prefeitura, Câmara e Cadeia erguido em 1917 pelo intendente Luis Nogueira no local onde existia a casa do fundador da cidade, Bernardo da Silva, ao lado da Matriz de Sant'Anna, e que vem desmoronando aos poucos. Vê-se, pois, que falta vontade político de todos os gestores que já assumiram a Prefeitura, um dos quais, por incúria, ainda derrubou a sede do Mercado Municipal erguido pelo prefeito João Barbosa, em 1950.
 
   A bola está no colo do atual prefeito Adriano Lima. Não se pode culpar a ele atribuições do passado. Mas, está no comando da Prefeitura há quase 5 anos e cabe-lhe a responsabilidade de recuperar o antigo prédio da Prefeitura e instalar no local o Museu Pró-Memória de Serrinha com o acervo que está na AMAS, Matinha, e uma curadoria com novas peças e linguagens usando as novas tecnologias - audios, videos, lights, etc, como as que foram implantadas no Museu da Música. 

   Dinheiro há não só no município que dispõe de um orçamento que beira R$200 milhões ano como fundos de financiamentos - CAF, Caixa, Prodetur, etc -  mas, é preciso ter vontade política. E o prefeito Adriano Lima é jovem e tem uma promissora carreira política pela frente. Recentemente, o prefeito Luciano Pinheiro, de Euclides da Cunha, investiu com recursos próprios obras no valor de 2.150.000,00. E lá tem um museu bem interessante. 

   Essa obra do Museu Pró-Memória de Serrinha na Praça Luis Nogueira pode dar a Adriano Lima mais visibilidade do que qualquer outra que já realizou em Serrinha. Entra-se para a história pela cultura; ou apenas passa-se pela história. 

  Luis Viana Filho e ACM, ex-governadores da Bahia, realizaram muitas obras no estado inclusive a maior delas com apoio do governo federal, o Pólo Petroquimico de Camaçari, mas, são mais conhecidos como aqueles que fizeram a Biblioteca Pública dos Barris (LVF) e a restauração do Pelourinho (ACM).