quinta-feira, 05 de agosto de 2021
Cultura

DICAS DO SERAMOV: COMO SE LIVRAR DO RELACIONAMENTO ABUSIVO

Veja as 5 flechas douradas, as 5 dicas da mão espiritual do Seramov
Tasso Franco , da redação em Salvador | 20/06/2021 às 10:52
Um pra cada lado
Foto: SERAMOV
    O tema é Relacionamento Abusivo. Está muito na mídia - na televisão toda hora - crimes de feminicídio, separações de casais, queixas em delegacias e protestos de feministas. Uma situação assustadora. 
   
   Alguns psicólogos dizem que a pandemia do Coronavírus - a pandemia esta sendo relacionada a muita coisa - tem sido responsável por isso. O distanciamento social e ao mesmo tempo o reencontro mais duradouro entre casais, as pessoas ficando mais tempo dentro de casa, conversando e expondo ideias acabam tendo esses desentendimentos. Eu particularmente não acredito muito nisso como verdade essencial, mas é uma tese.

    Recentemente, em Salvador, onde moro, tivemos três casos bem emblemáticos dessa situação do relacionamento abusivo. O primeiro deles envolveu um casal de profissionais da medicina. Um médico discutiu com uma médica num apartamento no quinto andar de um prédio e teria jogado ela desse quinto andar para o solo. A mulher quase morreu, ficou um tempão no hospital, está se recuperando, já deu um depoimento à polícia de que a pessoa quis matá-la.  Ele foi preso e está respondendo processo na justiça.

    O segundo aconteceu com um jovem que conheceu ama garota e tinham um relacionamento de 40 dias, ai a pessoa se desentendeu a menina foi passear no parque, ele pegou um revólver deu um tiro na cabeça da menina e matou-a. E depois foi encontrado morto no apartamento onde mora na Pituba. 

    E o terceiro foi um casal do interior que tem apartamento na capital e tinham um relacionamento saudável, segundo a família lá no interior, um relacionamento muito bom e de repente o casal foi encontrado morto num condomínio de classe média no bairro da Paralela. As investigações preliminares da polícia dão conta de que ele teria matado a mulher e depois se matado.

      Você vê, são casos inexplicáveis dentro da normalidade psíquica. São casos de relacionamento entre duas pessoas e que envolve muito a questão do poder. A pessoa se sentir poderosa em relação a outra e querer tirar a vida. Então é muito importante num relacionamento de duas pessoas entre um homem e uma mulher, entre um casal, pode ser de outro gênero; é preciso que a pessoa conheça preliminarmente essa pessoa. 

      É por isso que tem namoro, tem noivado e depois tem casamento. Aí você vai conhecendo a família, vai conhecendo os amigos da pessoa, vai conhecendo como é que é ele, vai conhecendo como é que é ela; se é genioso, se não é... comportamentos que você vai vendo. 

       Hoje está um perigo o relacionamento pela internet. Você vê agora aí recentemente, saiu na televisão, gangs oferecendo homens e mulheres que na verdade são artistas estrangeiros, são pessoas bonitas que eles colocam essa imagem e a pessoa compra essa imagem. Envolve dinheiro, roubo, envolve engano, envolve extorsão. Então isso é muito perigoso, tenha muito cuidado e muita atenção com essas ofertas.

     Então relacionamento a dois tem que ser uma coisa muito analisada, criteriosa e você tem tempo para conhecer, para dialogar até finalmente esse casal se juntar para sempre. A questão do poder é uma coisa fundamental. Ninguém é dono de ninguém. Então não adianta a pessoa querer ser poderoso, poderosa em relação a outra. Isso você vai identificar  imediatamente quando você começa a ter um relacionamento mais prolongado com uma pessoa.

     O doutor em psicologia Fernando Gonzalez Rey nos ensina que "já tentaram compreender a violência contra a mulher, como uma perspectiva de gênero, a qual, sem dúvida está nela presente" porém, entende que o furo é mais embaixo. Ou seja, "a violência contra a mulher é a expressão de uma subjetividade social repleta de sentido subjetivos e processos simbólicos diferenciados" e devem ser levado em conta a violência social, a desigualdade, o poder e a impunidade.

   Como eu faço em todos os meus programas vou dar aqui agora cinco dicas da mão de Seramov, as cinco flechas douradas para orientar vocês, quem quiser.

   A primeira delas tá no básico. É o respeito. Ter respeito. Uma pessoa ter respeito com a outra. Sem isso nada vai para frente. Então é preciso ter respeito com a outra, saber ouvir saber escutar, saber dialogar e vice-versa, entendeu,  ninguém impor uma determinada situação a outra. 

   A segunda dica é não queira modelar a pessoa ao seu modo, ao seu estilo. Cada pessoa tem uma personalidade e você tem que respeitar a personalidade da pessoa. Se ela tem estilo tal, não queira que a pessoa seja igual a você, não dá. Você pode fazer uma convivência e tal, mas não adianta você querer impor determinada situação porque não dá certo.

   Terceira dica é a convivência. Saber conviver. Não tem casal que não brigue. Todo casal briga. Uma briguinha a mais, uma briguinha a menos, as vezes brigas mais intensas, discussões maiores até uma separação rápida e volta, tudo isso acontece, agora é preciso convivência, é saber conviver com isso. Não adianta partir para violência. S etiver que separar procure fazer de forma consensual, cuide da convivência. 

   Quarta dica é o ciúme. Olha, um ciuminho é até legal, um ciuminho e tal você está sentindo que a pessoas tá gostando de você. Agora, aquele ciúme doentio meu amigo ou minha amiga, saia de baixo. Se olhar para o lado “e tá olhando para que?”, “Você fez isso…” tudo gera uma ciumeira maluca e aí você identifica logo, pule fora disso. Não aceite isso porque é maluquice. 

    E a quinta e última dica é, entenda isso, ninguém é de ninguém. Respeite a sua esposa, respeite o seu marido, respeite o seu casal, o que for, seu companheiro, companheira, porque cada um tem seu estilo de vida, cada um tem sua personalidade própria.

     Se você conseguir praticar essas cinco dicas de Seramov, você atravessa o rubicão numa boa.