quarta-feira, 23 de junho de 2021
Turismo

FORÇA TAREFA REALIZA AÇÃO DE COMBATE A AMBULANTES SEM CADASTRAMENTO

Até o dia 15 a ação atingirá as principais regiões do Centro Histórico
Doris Pinheiro , Salvador | 09/06/2021 às 18:22
Força Tarefa realiza ação de combate a abusos por parte de ambulantes sem cadastramento
Foto: divulgação
Hoje, 09.06, uma Força Tarefa composta por representantes da Deltur – Delegacia de Proteção ao Turista, Guarda Municipal, BEPTUR – Batalhão Especializado e Policiamento Turístico, 18º Batalhão da Polícia Militar e SEMOP – Secretaria Municipal de Ordem Pública realizou a primeira ação de combate a abusos contra visitantes e moradores de Salvador por ambulantes sem cadastramento, e de ordenamento dos trabalhadores do mercado informal no Centro Histórico de Salvador. A ação foi sugerida pela ACHE – Associação de Empreendedores do Centro Histórico.
Foram apreendidos materiais como as tintas e copos plásticos usados pelos falsos “tribalistas” para pintar os corpos dos visitantes – materiais inclusive completamente fora dos protocolos sanitários contra o coronavírus – e estes trabalhadores informais foram notificados de que devem comparecer à sede da ABAM – Associação nacional das Baianas de Acarajé, na Cruz Caída, nos dias 14, 15 e 16 de junho, das 9h às 17h para regularizar sua situação, fazendo o recadastramento ou primeiro cadastramento.

A ação da Força Tarefa irá acontecer até o dia 15 de junho em outros locais do Centro Histórico : Elevador Lacerda, Praça Municipal, Largo do Pelourinho,  Terreiro de Jesus, Cruzeiro do São Francisco e Mercado Modelo. No dia 16 será feita, em conjunto com a ACHE – Associação de Empreendedores do Centro Histórico, uma avaliação dos resultados da ação e serão definidos em conjunto com as forças policiais os novos rumos.

A Força Tarefa nasce do intenso diálogo realizado entre a ACHE, a comunidade do Pelourinho e os órgãos responsáveis pelo policiamento e ordenamento do funcionamento do Centro Histórico. O que a ACHE deseja é a defesa do visitante e do soteropolitano que vai ao Centro Histórico, do cidadão de bem, das pessoas que lutam pelo sustento de forma ordeira, dos empresários que pagam impostos e dos funcionários que dependem dos empregos, e que o poder público faça essa engrenagem girar para manter a cidade organizada e capacitada a receber visitantes e garantir a dignidade do nosso povo.