ter�a-feira, 19 de outubro de 2021
Tecnologia

O PAPEL DA IMPRENSA NO AFEGANISTÃO E NO BRASIL, por TASSO FRANCO

Primeira conferência de imprensa no Afeganistão com os talebans
Tasso Franco , da redação em Salvador | 18/08/2021 às 17:48
A imprensa altiva e cumprindo seu papel
Foto: Le Soir
   Jornalistas de várias partes do mundo - especialmente do Afeganistão, Turqueistão, Índia, Paquistão, China, Rússia, Europa, Estados Unidos e outros - participaram da primeira conferência de imprensa com os dirigentes talibãs que tomaram o poder na força, em Cabul. 

   Mesmo diante de radicais islâmicos considerados toscos a antidemocráticos, a imprensa cumpre seu papel de informar ao mundo o que se passa naquele país. 

   A foto é sintomática e mostra como os profissionais de imprensa - na guerra, na paz, com autoritários ou sem agressivos - se comporta e cumpre o seu papel de informar, de levar ao mundo as notícias do que acontece no Afeganistão. 

  É claro que cada veículo tem sua opinião, cada agência transmite uma mensagem, mas, o importante é destacar o papel da imprensa, a nossa missão de informar. 

   Veja que, com seguranças armados, com terroristas (ou heróis) por todos os cantos, os jornalistas e fotógrafos, os cinegrafistas, os repórteres e produtores se acomodaram como puderam, educadamente e produziram os informes que foram enviados ao mundo. Esse é o nosso papel. 

   Infelizmente, no Brasil, os políticos e outros da esquerda, da direita e do centro nos detestam porque só desejam informações que lhes favoreçam. 

   Mas, continuamos seguindo em frente, altivos, bravos, altaneiros, quer diante de 'barbudinhos' de grife ou dos 'revolucionários' enfesados; ou diante de engomados e engravatados. (TF)