quinta-feira, 06 de maio de 2021
Colunistas / Miudinhas
Tasso Franco

COVID BRASIL 1.532 MORTES 25.262 INFECTADOS; BAHIA 776 CASOS 26 MORTES

Com informações do Ministério da Saúde e da SESAB
14/04/2020 às 18:24
  MIUDINHAS GLOBAIS:

   1.Foram 1.832 novas confirmações em 24 horas. São Paulo concentra a maior parte das notificações da lista nacional e apenas Tocantins não tem óbito pela doença no país

   2. Subiu para 25.262 o número de casos confirmados de coronavírus no Brasil. Foram 1.832 novas confirmações em 24 horas. O número de óbitos também aumentou, agora são 1.532. Os números estão consolidados com as informações que foram repassadas pelas Secretarias Estaduais de Saúde ao Ministério da Saúde até às 14h desta terça-feira (14).

   3. A maior parte das notificações da lista nacional está em São Paulo, com 9.371 casos confirmados e 695 mortes. Apenas o estado de Tocantins não tem, até o momento, óbito pela doença, mas também registrou casos confirmados, assim como todos os demais estados brasileiros.

   4. Atualmente, os estados do Amazonas, Amapá, Distrito Federal, Ceará, São Paulo, Rio de Janeiro e Roraima estão em estado de emergência, ou seja, precisam de redobrar os cuidados em relação à prevenção do coronavírus por estarem 50% acima da incidência nacional de casos de coronavírus.

   5. Do total de casos, 6.043 estão em estado grave, necessitando de internação em hospitais de referência em todo o Brasil. Atualmente, dos 1.532 óbitos confirmados, 73% ocorreram em pessoas com mais de 60 anos e 73% do total das vítimas apresentavam pelo menos um fator de risco.

  6. Pessoas acima de 60 anos se enquadram no grupo de risco, mesmo que não tenham nenhum problema de saúde associado. Além disso, pessoas de qualquer idade que tenham comobirdades, como cardiopatia, diabetes, pneumopatia, doença neurológica ou renal, imunodepressão, obesidade, asma e puérperas, entre outras, também precisam redobrar os cuidados nas medidas de prevenção ao coronavírus.
                                                                     *****
  7. A Bahia registra 776 casos confirmados do novo coronavírus (Covid-19), o que representa 7,86% do total de casos notificados. Até o momento, 5.268 casos foram descartados e houve 25 óbitos, sendo 13 no município de Salvador e 12 nos municípios de Lauro de Freitas (2), Gongogi (1), Itapetinga (1), Utinga (1), Adustina (1), Araci (1), Itagibá (1), Uruçuca (1), Ilhéus (1), Belmonte (1) e Vitória da Conquista (1). 
   
   8. O 25º óbito ocorreu em 10 de abril e refere-se a uma mulher de 84 anos residente na capital baiana, com histórico de hipertensão, dislipidemia e tuberculose pleural, que estava internada em um hospital público em Salvador. O resultado laboratorial confirmando o diagnóstico positivo de Covid-19 foi divulgado em 11 de abril, e a investigação epidemiológica concluiu a análise hoje (14).

   9. Este número contabiliza todos os registros de janeiro até as 17 horas desta terça-feira. Ao todo, 191 pessoas estão recuperadas e 85 encontram-se internadas, sendo 29 em UTI. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais.

   10. Os casos confirmados estão distribuídos em 78 municípios do estado, com maior proporção em Salvador (54,77%). Quanto ao sexo dos casos confirmados, 434 (55,93%) são do sexo feminino. A mediana de idade foi 39 anos, variando de 4 dias a 96 anos. 

   17. A faixa etária mais acometida foi a de 30 a 39 anos, representando 28,61% do total. O coeficiente de incidência por 1 milhão de habitantes também foi maior nesta faixa etária (96,77/ 1.000.000 habitantes), indicando que o risco de adoecer passou a ser maior entre os adultos jovens, seguida da faixa de 50 a 59 anos (94,73).

   18. Ressaltamos que os números são dinâmicos e, na medida em que as investigações clínicas e epidemiológicas avançam, os casos são reavaliados, sendo passíveis de reenquadramento na sua classificação. Outras informações em saude.ba.gov.br/coronavirus.

   19. MAIS UM ÓBITO: A 26ª morte foi de uma paciente de 62 anos, residente em Itapé, com histórico de cirrose, hepatite B e cardiopatia. Ela estava internada em um hospital público em Ilhéus desde 3 de abril, vindo a falecer em 10 de abril. A data da coleta para o diagnóstico da Covid-19 foi em 11 de abril e o resultado confirmatório foi divulgado no dia seguinte, sendo que a investigação epidemiológica foi concluída hoje.
                                                                      ******
   20. A pandemia do novo Coronavírus impôs mudanças na rotina dos ilheenses devido à necessidade de isolamento social para conter sua rápida transmissão, o que tornou as saídas para a rua cada vez mais raras, interferindo até na despedida dos falecidos, afinal, velórios costumam gerar aglomerações. 

  21. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou regras sanitárias mais rigorosas para sepultamentos de vítimas do Coronavírus, tanto em casos suspeitos como confirmados. Ambos devem ser realizados com caixões lacrados e sem aglomerações de pessoas. Recomenda-se que o enterro ocorra com no máximo 10 pessoas, não pelo risco biológico do corpo, mas sim pela contraindicação de aglomerações. 

  22. Segundo o Manual de Manejo de Corpos no Contexto da Covid-19, elaborado pelo Ministério da Saúde, não é recomendado a realização de velórios e funerais de pacientes confirmados ou suspeitos da Covid-19 durante os períodos de isolamento social e quarentena. Caso seja realizado, manter a urna funerária fechada durante todo o momento, evitando qualquer contato (toque/beijo) com o corpo do falecido em qualquer momento post-mortem.

  23. Além disso, a urna deve estar em local aberto ou ventilado e é claro, disponibilizar água, sabão, papel toalha e álcool em gel a 70% para higienização das mãos durante o ato fúnebre. O manual deixa claro que se deve evitar, especialmente, a presença de pessoas que pertençam ao grupo de risco para agravamento da Covid-19: idade igual ou superior a 60 anos, gestantes, lactantes, portadores
de doenças crônicas e imunodeprimidos.

  24. Durante a cerimônia de sepultamento deve-se respeitar a distância mínima de, pelo menos, dois metros entre as pessoas, bem como outras medidas de isolamento social e de etiqueta respiratória. As funerárias e empresas de funeral da cidade estão cientes das normas e a pessoa responsável pela administração do cemitério também. Caso os familiares decidam por realizar o ato, deve durar apenas uma hora e poderá reunir, no máximo, dez pessoas.