ter�a-feira, 30 de novembro de 2021
Esporte

CRIME ATLETA MUNDIAL QUE CHOCOU QUÊNIA: POLICIA CAÇA MARIDO DE TIROP

Com informações da Nation, Nairobi
Tasso Franco , da redação em Salvador | 14/10/2021 às 11:03
Moradores vizinhos da atleta Agnes Tirop em Iten, Condado de Elgeyo Marakwet
Foto: NATION
   O Quênia é a nação mais bem-sucedida em campeonatos de cross country, com 49 títulos por equipes e 27 individuais.

  A polícia queniana estava na quinta-feira à caça do marido da corredora recorde Agnes Tirop, que foi morta a facadas em um incidente que chocou seu país natal e o mundo do atletismo.

O marido de Tirop, Emmanuel Rotich, foi citado pela polícia como suspeito da morte da olímpica e medalhista do duplo campeonato mundial de 25 anos , que foi aclamada como uma estrela em ascensão interrompida em seu auge.

"Estamos nos aproximando da caça ao assassino", disse o comandante da polícia de Keiyo North, Tom Makori, à AFP na quinta-feira, dizendo que a polícia estava rastreando o sinal de telefone de Rotich.

"Quanto mais cedo fizermos com que ele revele a circunstância que levou ao assassinato da jovem, melhor para todos nós. Estamos sob pressão para pegá-lo."

O corpo de Tirop foi encontrado com feridas de faca no quarto de sua casa em Iten, no oeste do Quênia, um centro de treinamento de alta altitude para muitos atletas de primeira classe.

"Assassinato de um campeão", foi a manchete de primeira página do jornal Daily Nation do Quênia.

Ela foi morta apenas um mês depois de quebrar o recorde mundial feminino de 10 km em um evento na Alemanha, com o tempo de 30:01, cortando 28 segundos do recorde anterior.

Tirop foi duas vezes medalhista mundial de bronze nos 10.000 metros e campeão mundial de cross country em 2015. Ela terminou em quarto lugar nos 5.000 metros nas Olimpíadas de Tóquio este ano.

Ela também fez história em 2015, quando se tornou a segunda mais jovem medalhista de ouro no campeonato feminino de cross country, depois de Zola Budd.

"O Quênia perdeu uma joia que era um dos gigantes do atletismo em ascensão mais rápida no cenário internacional, graças a suas atuações atraentes na pista", disse o Atletismo Quênia em um comunicado na quarta-feira.

'Tanta glória'

O presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, também prestou homenagem à jovem atleta, que faria 26 anos no final deste mês, e pediu à polícia que rastreie os responsáveis ​​por sua morte.


“É perturbador, totalmente lamentável e muito triste termos perdido uma jovem e promissora atleta que, com uma idade de 25 anos, trouxe ao nosso país tanta glória com suas façanhas no cenário do atletismo global”, disse ele em um comunicado.

"É ainda mais doloroso que Agnes, uma heroína queniana em todos os sentidos, tenha perdido dolorosamente sua jovem vida por meio de um ato criminoso perpetuado por pessoas egoístas e covardes", disse ele.

A embaixada dos Estados Unidos em Nairóbi também expressou suas condolências, descrevendo Tirop como "uma figura de esperança para as mulheres no esporte".

No sábado, outro atleta queniano de longa distância, Hosea Mwok Macharinyang, integrante da equipe mundial de cross country que bateu o recorde do país, morreu do que as autoridades do atletismo queniano disseram ser suicídio.