quarta-feira, 23 de junho de 2021
Cultura

BRASILEIRO QUE VEIO DA SELVA COME BANANA E REPUDIA CITAÇÃO RACISTA

Presidente argentino já pediu desculpas aos brasileiros
Tasso Franco , da redação em Salvador | 10/06/2021 às 10:48
Brasileiro que veio da selva e come banana
Foto: BJÁ
  O gaiato presidente socialista da Argentina, Alberto Fernández, em conversa com outro socialista do PSOE, o premier espanhol, Pedro Sanchez, durante evento na Casa Rosada, em Buenos Aires, disse querendo demonstrar um sentido de superioridade racista que “os mexicanos vieram dos índios, os brasileiros saíram da selva, mas nós os argentinos, chegamos de barcos. E eram barcos que vieram de lá, da Europa”.
 
   Foi um constrangimento geral e certamente o premier espanhol deve ter ficado rubro porque é um jovem político educado. 

   Fernández afirmou que estava citando um trecho de uma obra do poeta mexicano Octavio Paz, vencedor de um Prêmio Nobel de Literatura, mas na verdade mencionou parte da música "Llegamos de Los Barcos", lançada em 1982 pelo músico argentino Litto Nebbia, de quem já se declarou fã.

   A letra da música diz, em espanhol: "Los brasileros salen de la selva / Los mejicanos vienen de los indios / Pero nosotros, los argentinos / Llegamos de los barcos". 

   E, diante da repercussão negativa de sua fala, repudiada até pelos hermanos, pediu desculpas aos brasileiros. 

   No Brasil, a indignação poderia ter sido maior, porém, como Fernández é socialista e Sanchez também os políticos da esquerda que adoram dar pitacos em tudo ficaram mudos e um ou outro da direita, como Aécio Neves, falou algo. O sociólogo FHC, outro pitaqueiro, também não disse nada, ainda. Como é especialista na matéria, em sociologia, taí um bom tema para abordar.

   Fossem vivos, Stanislaw Ponte Preta e Chico Anyzio teriam puxado o bigode de Fernández, o qual chegou ao poder no navio de Cristina Kirchner e manda pouco na Rosada. 

   Nosotros, que temos pouca força na pena, temos orgulho da selva e adoramos bananas e repudiamos citações racistas de toda natureza. (TF)