sexta-feira, 03 de dezembro de 2021

A MORTE E LUTO NA INFÂNCIA, COMO ENTENDER, por BIANCA REIS, PSICÓLOGA

Bianca Reis
19/11/2021 às 19:52
   A morte é um fenômeno que faz parte da vida, sentir a perda de alguém que se ama é natural, sendo inevitável que haja tristeza, dor e sofrimento. Mas de um modo geral, a morte é também um assunto muito evitado na sociedade, pois o ser humano ainda não sabe lidar com esse episódio.  

Se para o adulto é difícil lidar com a morte e encarar o luto, imagine como esse fato triste e doloroso pode ser um processo para as crianças e torna-se um problema psicossomático em suas vidas ao longo dos anos.  

De acordo com a psicóloga Bianca Reis, “ As doenças psicossomáticas são causadas por problemas emocionais do indivíduo e representam a ligação direta entre a saúde emocional e a física ”.
 
 De certa forma é preciso criar o hábito de falar da morte, assim como o de falar e vivenciar o luto. Ser transparente, trazer recordações positivas da pessoa que morreu, abordar o assunto de forma lúdica, procurar ajuda de um profissional, são alguns dos caminhos que podem ajudar e auxiliar nesse momento tão delicado e difícil.  

A psicóloga Bianca informa que, “ A morte é um desafio emocional com o qual a criança tem que lidar, e por vezes pode desencadear diversos tipos de comportamento, inclusive dificuldades de expressar e identificar os sentimentos”. Cada criança vai lidar com a morte e o luto de uma forma, a depender da idade. É preciso respeitar a particularidade de cada uma das crianças que enfrentam essa situação.  

É importante que a família desenvolva o hábito de falar da vida e da morte, que não negue o luto e que use recursos como filmes para contextualizar e falar sobre o assunto, antes mesmo de acontecer algum episódio. 
 
 Para a psicóloga Bianca, “A criança está em desenvolvimento cognitivo e emocional e, embora quando sofra uma perda significativa ela perceba que a morte é uma coisa irreversível, há questões que ela só vai compreendendo e revendo à medida que cresce ”.
 
Precisamos lembrar que o luto é um processo, não um evento. As crianças, assim como os adultos, vão passar ou estar nesse processo por um tempo longo, e é preciso todo cuidado e observação.