ter�a-feira, 19 de outubro de 2021

MEMÓRIA: AZEVEDO, UBALDO E O TRÂNSITO DE ITABUNA, por WALMIR ROSÁRIO

Walmir Rosário
15/08/2020 às 18:55
Itabuna ocupa um lugar estratégico na geografia do Sul da Bahia e se transformou num entrocamento rodoviário. Para ir e voltar de Ilhéus, boa parte da população de dezenas de cidades precisavam atravessar o distrito de Tabocas, posteriormente, Itabuna. E as ruas da cidade foram sendo formadas justamente por essas estradas, inicialmente para a passagem das tropas e, finalmente para os carros.
E as estradas passaram a ser ruas, posteriormente avenidas, e foram sendo engolidas pelo aglomerado urbano, sem qualquer tipo de planejamento e sim como aproveitamento para o movimento comercial. A cidade inchou de casas, gente e carros dificultando o tráfego e aperreando os motoristas, que não tinham alternativas para seguir a viagem sem passar pelo centro da cidade.

Era a Polícia Militar e o setor estadual de trânsito quem cuidavam de organizar o tráfego, mudando o sentido de direção das ruas, o lado e a forma de estacionamento, de forma empírica e que pouco ou nada resolvia. À época, Itabuna ostentava porte de metrópole e o movimento rodoviário ganhava destaque, com mais automóveis, caminhões e ônibus cortando nossas ruas.

No segundo período da década de 1980 (século passado), comandava o trânsito de Itabuna José Nilton Azevedo (não lembro qual a patente, se cabo, sargento ou tenente). Era famoso por realizar constantes blitzen, principalmente para retirar os carros estacionados nas calçadas e em outros locais proibidos, apreendendo os veículos e multando os contumazes infratores.

Era prefeito de Itabuna Ubaldo Dantas, responsável pela transformação da cidade num canteiro de obras (não era chavão, e sim verdade), implantando saneamento básico, abrindo corredores de tráfego entre os bairros e o centro, pavimentando ruas e avenidas. Para fazer frentes às despesas, uma grande soma de investimentos foi prospectada junto ao Governo Federal, grande parte a fundo perdido.

E Itabuna começou a vivenciar um período de prosperidade no comércio, na indústria, nos serviços, enfim, a economia estava a mil por hora com os preços generosos conseguidos pelo cacau no mercado internacional. As concessionárias batiam recordes de vendas de carros, que enchiam as ruas de Itabuna, complicando, ainda mais, o trânsito no centro e nos bairros da cidade.

Àquela época, ao abordar um motorista infrator, o policial de trânsito ainda tinha que conviver com a arrogância dos “coronéis do cacau” (comércio e indústria, também) e as vigorosas carteiradas do tipo “sabe com quem está falando?”. Enfim, apesar de os constantes percalços conseguiam fazer o trabalho e deixar o tráfego fluir com mais rapidez, embora não a desejada.

Parte das reclamações dos motoristas era em função do trânsito caótico, agravado com a execução de muitas obras e poucos locais para estacionamento, com isso, eles acreditavam que poderiam trafegar na contramão, dentre outras arbitrariedades. Chegava a rivalizar com as cidades sem lei do início do século, como eram Itabuna, Ilhéus, ou qualquer outra desse imenso Brasil. 

Para resolver esse problema, os engenheiros e arquitetos da Prefeitura, comandados pelo secretário Ronald Kalid, realizaram um amplo estudo sobre o tráfego e a mobilidade urbana em Itabuna, incluindo o sistema de transporte coletivo, interligando o centro e os diversos bairros num só sistema. Só tinha um pequeno problema: o trânsito ainda não era municipalizado.

Na implantação das mudanças de responsabilidade do município tudo corria bem, sem dificuldades, mas o sistema de trânsito da Itabuna, como era da competência do Governo  do Estado, as dificuldades para a implantação do novo sistema, em conformidade com o diagnóstico e as soluções apontadas eram enormes. Até pelas disputadas partidárias díspares entre o governador do Estado e o prefeito de Itabuna.
Foi aí, então, que o prefeito Ubaldo Dantas mandou chamar Azevedo à prefeitura para uma reunião e, após uma preleção sobre os estudos que estavam sendo feitos pela equipe técnica especializada em urbanização e tráfego, foi franco com Azevedo:

– Pois é, Azevedo, fique sabendo que quem conhece de trânsito são os arquitetos e engenheiros e não policiais, que estão aí para impor respeito e multar os infratores. Converse com seus chefes, e se eles concordarem imediatamente poderemos implantar, juntos, as mudanças propostas pelos técnicos para o trânsito de Itabuna – propôs o prefeito Ubaldo Dantas.

Como as autoridades do Estado concordaram, mesmo sem a assinatura de um convênio formal, o Município e o Estado passaram a trabalhar em parceria e realizaram uma profunda mudança no caótico trânsito da cidade. Anos depois – já com a patente de capitão PM –, Azevedo se elege prefeito de Itabuna e esquece dessa passagem, o que poderia tornar o trânsito de Itabuna bem melhor.