quarta-feira, 30 de setembro de 2020
Colunistas / Causos & Lendas
Lobisomem de Serrinha

SERAMOV SUGERE AO LUBI DE SERRINHA GUARÁ DE RESPEITO NA NOTA DE R$200,

Um lobo que honre as tradições da família ancestral dos alfas supremos da Transilvânia
06/09/2020 às 13:34
   O jornalista Tasso Franco publicou neste domingo, 6, a 23ª crônica em seu livro "O Lobisomem de Serrinha, a nuvem de fogo e o fim do mundo", no wattpad, falando sobre a nota de 200 reais e o lobo guará. Leia abaixo e todas as demais no wattpad.

  SERAMOV SUGERE AO LUBI DE SERRINHA UM GUARÁ DE RESPEITO NA NOTA DE 200

   Já está circulando em todo território nacional a nota de 200 reais com a imagem do lobo guará, exceto na rua da Rodagem, bairro do Oséas, Serrinha, onde tenho meu sitio e toca do lar no estilo quinta portuguesa e vivo com a Ester Loura.

  Visto que, por acá, no Armarinho de Dete, na venda do Tote, no boutique do Rubão próximo ao Ana Oliveira School, no frango assado do Valdir, no Candeeiro Bar, raro circular uma garoupa verde que data da época de FHC, 1994, a onça pintada que também data daquele tempo, e o que mais usamos são as pelegas do mico leão dourado e da arara. E o povo, sempre ele, espoliado, usa mais a garça, a tartaruga e a beija flor.

  No Candeeiro, com 3 tartarugas toma-se uma gelada das melhores e com uma arara come-se um pf com feijão, ensopado de carneiro, cozido, pirão e arroz. A água é de graça.

  Por enquanto, ainda desconhecemos a guará, gordo ou magro, e a Ester cornetou que minha aposentadoria agora passa a ser de 19 lobos magros e que o governo já fez de propósito colocando o animal pantaneiro porque nunca engorda, está sempre faminto e em extinção. 

  - Perdeste a chance de estampar sua imagem na nota de 200 e vês seu holerite de aposentado com mais minguados lobos em sua carteira de notas acostumadas a tartarugas e beija flores, kkkkk.

  - Fazer o que. Faltou-me força política para colocar o lubi, mas, vamos trabalhar para que seja a imagem da nota de 500 reais ou mesmo a de 1 mil reais, respondi.

  - Quando isso acontecer com esse messias oferecendo um lobo e uma garoupa aos pobres como auxilio emergencial, até dezembro próximo, v já estará nos anéis de Saturno.

  - Lembre-se da nossa ancestralidade, de Hungria, vivemos mil anos como nossos antepassados da serra do Bivor, eu um alfa original, resisto ao tempo como um carvalho e passarão todos eles, o posto Ipiranga, o messias, a mulher que viu Jesus na goiabeira, como passaram o Vargas, o Castelo, o general que gostava mais do cheiro de cavalo do que do cheiro do povo, o topete de Minas.

  Conversa vai, conversa vem, a Ester organizando-se para receber a coiffeur, na toca, quando o telefone toca e ela atende. Tampou a mão na boca do fone e disse. - É pra você?

  - Quem está a ligar para mim a essa hora, o Guedes, o Costa, o Tofolli? inquiri.

   Ester sorriu: - É o Seramov, o artista que v diz ser o maior bico de pena da Serra e eu chamo de garatujo de pena,kkkk.

  - Que deseja o Michelangelo? Alguma expo a convidar-me no Museu de Arte Moderna da Serra? atendi o artista.

  - Nada, meu gigante, minha permanente luz, ligo para comentar sobre a arte do guará na nota de 200 reais, que ainda não tive o prazer de manusear essa pelega e nem sei se em vida terei, vi pela internet, mais parece um porco espinho do que um lobo e sendo V.Exa. (aí já com tratamento respeitoso) descendente de uma linhagem de lobos da Transilvânia, de origem nobre, dos castelo do Norte, dos bárbaros alanos e hunos, sinto que deves estar triste.

   - Pois é, eles do Central Bank não sabem da importância dos lobos, nós que somos alfa supremos, não têm ideia da nossa força e poder com a mãe Luna, que nos guarda, que nos protege, que nos ilumina, e aqui na Serra nasce uma lua nova atrás do Morro do Fundo coisa de cinema, de um Glauber, de um Coppola, de um Spielberg, mas, põem um lobo pardo, magro, um ouriço muito bem posto pelo amigo, que até parece personagem dos filmes de Zé do Caixão.

  - V.Exa. deveria protestar junto ao Central Bank, enviar uma carta ao Guedes, por uma nota ao Bial, organizar uma passeata na Serra, convocar a turma do Vou de Rock, membros da Sinfônica 30 de Junho, a bruxa Conegundes, o anão Piko, as senhoras da irmandade do Coração de Jesus da Chapada, a turma do Samba do Boi do Mtadouro, as meninas da Coréia, do Cabaré de Cecílio, bumbar, gritar, trombetear para o bem a Pátria.

  - Ora, meu caro Seramov, cansei de dar murro em ponta de faca sem resultados, de acreditar que algum dia Pindorama tivesse jeito, de votar numa autoridade ele dizendo que iria combater a corrupção, findar com estatais ineficientes, e vemos a caminhar o fim da lava jato, a permanência das mordomias com uma reforma administrativa que não mexe nos marajás, só em nós, os servos eternos.

  - Não desanime. Falarei com o Serafim Alves para produzir uns versos, com o causídico Dr Zéu para providenciar um arrazoado jurídico, com o jornalista Pina Dourado para colocar notas nas principais folhas da cidade da Bahia.

  - Em vão, meu artista de escol. Agora, anuncia-se o novo salário mínimo para 2021 de 5 guarás e mais uns poucos beija-flores. Sugiro, apenas por sugerir, porque sei que nada adiantará, que o nobre amigo faça o desenho de um lobo guará digno de nossa raça, dos lubis, gordo, vistoso, forte, bravo e envie para o Guedes.

  - Farei com muito prazer e lhe enviarei, em primeira mão, e daí V.Exa. que tem autoridade, que tem peso, que tem estofo, envia para o Central bank.

  - Combinado, meu garanhão.

   Terminado o telefonema chega a coiffeur de Ester, a Nina Girafa, num look fantástico, a moda Lavander, cabelo pintado de vermelho em mechas, põe mãos à obra. Deixa Ester um brinco, serviço completo, escova, sobrancelhas, e pés e mãos com massagens e unhas rubras, com tudo dela, até o esmalte. 

   Fiquei a ler números antigos da Clarineta do Tição, nossa gazzeta extinta no último dia 31, abatida pela pandemia, quando a Ester pergunta pelo valor dos serviços: 

   A senhora girafa respondeu: - Na promoção a senhora vai pagar 20 das mãos e pés, 25 no cabelo, e 5 do transporte: 50 no total.

   Ester olha para mim e diz: - Passe-me uma onça pintada para pagar a senhora maga das tesouras e dos alicates.

  Brinquei: - Que carestia.

  Girafa olhou-me de esguelha, cara de desdém, de reprovação. 

- Não converse. Fosse onde sua neta Sol faz o cabelo e uma maquiagem para uma festinha de quinze anos, naquele salão chique da Nogueira, gastaria 1 guará, diz a Ester.

   Meti a mão na algibeira, peguei uma nota da onça pintada e mais duas tartarugas e dei-lhe de bom coração: - Os serviços e uma gratificação.

   Ester passou as três notas para Girafa, a maga das tesouras agradeceu, deu bye bye, levantou o queixo, arrebitou o nariz, as bolas dos seios quase pulam fora da blusa, iniciou os passos de saída e sussurrou: - Esse lubi é um canguinha da zorra, a gurja não dá nem pra comprar umas tangerinas.