segunda-feira, 17 de junho de 2019
Colunistas / Causos & Lendas
Lobisomem de Serrinha

LOBISOMEM DE SERRINHA alarmado com destruição do patrimônio da Serra

Lobi passeia de mãos dadas com esposa e reza de joelhos no coreto da praça orando para que seja recuperado o prédio do antigo Paço, Câmara e Cadeia
29/12/2014 às 09:18
  O Natal mostrou como bons cristãos que somos - eu e a minha senhôra Ester Loura - que a população da Serra nos acolhe por onde passamos, quer seja na Missa do Galo, como aconteceu na catedral basílica do largo da Usina; quer na praça Luiz Nogueira onde passeamos de mãos dadas, eu vestido de Papai Noel e Ester com seus 'ouros', atendemos a dezenas de crianças e adultos dando brindes e tirando fotos, subimos no coreto para orar em frente da igreja matriz de Senhora Sant'Ana, comemos uns churros na barraquinha que fica nas proximidades do coreto e produzimos 'selfies' para nosso álbum familiar e mandarmos de lembrança para uns parentes que temos no Quijingue, os 'Lapões'.

   De sorte que, alguns incrédulos que ainda duvidavam de nossa fé, não devem mais ficar com essas bobagens, porque fui batizado pelo primeiro capelão da Serra, Francisco Furtado de Mendonça; crismado pelo padre Francisco Evaristo da Costa; e nas minhas bodas de diamante com Ester quem oficiou a missa foi o glorioso padre Demócrito Mendes de Barros, que Deus o tenha em sua glória, ele que foi meu amigo, e nós que tomavamos umas pingas no Bar Itaúna de Sêo Veloso, juntamente com Sêo Paulino Biêta, numas xícaras que eram reservadas pelo atendente Cheiroso.

   A Praça Luiz Nogueira estava linda, bem decorada pelo nosso alcaide Cardosão, mas, Ester me chamou a atenção para umas infiltrações que estão acontecendo no teto do coreto, as lâmpadas soltas e a água pingando, uma hora dessas pode cair na cabeça de uma autoridade, e também com o descaso da Prefeitura com a antiga sede municipal, o Paço, Câmara e Cadeia espaço onde viveu o fundador da cidade, Bernardo da Silva, em tempos idos, que está abandonado, quase desabando, e isso é uma coisa inadmissivel, pois, o patrimônio arquitetônico da cidade já foi quase todo destruido pelas 'picaretas do progresso' e nessa praça, a monumental da Serra, só existem, agora, esse prédio em abandono; a igreja Matriz que virou paliteiro de sombrinhas; o palacete dos Nogueira que é a antiga segunda sede da Prefeitura, a casa de Sêo Miroró, a antiga casa de Joaquim Hortélio da Silva, o terceiro intendente da city, a casa da familia Santiago e a casa de Zé Quarentina, que pertenceu a seu pai Josias. 

  Tudo o mais foi por terra abaixo. Agora mesmo, a antiga casa de Sêo Moacir Bacelar, virou um estacionamento; a antiga casa do coronel Pedro Tiago virou um 'mausoléu'; o palacete de Sêo Leobino, um hotel; e o antigo sítio e Zé Mota, um arruado de casas comerciais.

   Isso é uma coisa tão absurda que Ester mandou eu ficar de joelhos no coreto, em frente a igreja, e rezasse 12 pai nossos e 12 ave marias, rogando ao alcaide Cardosão que não deixe que esses últimos exemplares irem também ao chão e que, pelo menos, mande recuperar o antio Paço, Câmara e Cadeia senão uma hora dessas a águia que emoldura o prédio pode cair na cabeça de alguma devota que se dirija a missa e vai ser um infortúnio.

  Lembrei a Ester que o alcaide já teria anunciado um convênio assinado com a Caixa para recuperar o Paço e até liberou uma nota à imprensa que foi divulgada nos jornais da capital.

  - Ora, o alcaide fala mas não faz. Assim também foi o tal de um convênio com essa mesma Caixa para fazer um Centro Cultural no antigo prédio do cine Marajó e até hoje, nada. Lá está uma ruina desde a época do Bar de Foba, onde você bebia com seus amigos - lembrou-me.

   - Ah! Mas se Cardosão garantiu ele vai cumprir - respondi.

   - Cumpre nada. Só se a população se revoltar, de houver uma passeata na cidade - aduziu.

   - Quem vai fazer passeata sobre patrimônio histórico Ester! A população só faz passeata por salário atrasado, por falta de ônibus na zona rural, contra o aumento do feijão que está com preços nas alturas! Patrimônio é coisa de intelectual, de gente que não tem o que fazer, falei.

   - Você não é analfabeto. V tem estudo e sabe que patrimônio histórico é importante. Se for o caso reúna aquele grupo que você faz parte dos Amigos de Serrinha e promovam uma passeta - ponderou.
   - Eu não! Nosso grupo não é político. É lítero-etílico-musical. Quem tem que fazer isso são os veredores, eleitos pelo povo - comentei.

   - Esses vereadores aqui da Serra são de fritar bolinhos e jogar dominó no Bar de Cal, de frequentar templos de crentes e dar títulos de cidadãos - Ester falou sorrindo e disse que, enquanto eu fosse visitar a árvore de Natal no jardim da Luiz Nogueira e rezar na igreja matriz, ela iria aproveitar o embalo e marcar um horário no Nice Fashion para fazer as unhas, dar uma escova no cabelo  e comprar um langerie e uma máscara sexy para nossa noite de réveillon.

    Na minha santa ignorância questionou: - Nice é um salão ou um sexy shop?

   - As duas coisas meu filho querido. Lá não é o salão de Soté, aquele apertadinho que você frequenta e que mal vende cerveja naquele 'pé-sujo' em frente a Dema dos Brinquedos. Nice, como o próprio nome diz, é fashion e tem coisas que fazem a mulher ficar mais charmosa, mais mulher - frisou

   - Ah! é! Cruz credo. Eu vou é rezar, depois pegarei minha folhinha na Casa Gonzaga, que é uma tradição, e me encontro com você na fonte luminosa em frente ao velho paço - falei me dirigndo à matriz.

   Fui cercado de meninos por todos os lados...Papai Noel me dá um tablet...papai Noel me dá uma bicileta...Papai Noel me dá um iphone...rapaz apressei foi o passo e entrei rápido na matriz indo direto para o altar de São Joaquim, o avô de Cristo, onde rezei mais meia dúzia de pai nossos, fiz maus pedidos para um ano de 2015 com mais chuvas - aqui no sertão chuva vale mais do que qualquer outra coisa - e saúde. Depois fui ver o amigo Gonza e voltei a praça para me encontar em Ester.

   A mulher tava numa alegria enorme com uma sacolinha em mãos. - Marcou lá com Nice para cuidar do seu chanell, pilherei.

   - Claro e ainda comprei uma fantasia erótica das melhores - sorriu.
 -De que modelo foi - quis saber.

   - Só posso dizer que é mais bonita do que as peças da Victoria's Secret Sexy Show.

   Essa Ester!...essa Ester!...sai balançando a cabeça e me benzendo, andando pela praça Luiz Nogueira de mãos dadas com ela e os meninos e meninas atrás da gente.. Papai Noel, cadê meu tablet...cadê minha Barbie...cadê minha boneca monster high...cadê minha glitzi globe de sereia...e eu pensando como era bom o tempo das antigas barraquinhas de guloseimas que eram armadas no local, as tendas de jogos de dados, Miguel Cotó fumando seu charuto e dizendo que deu dois duques e três quinas, os meninos e meninas pedindo umas cestinhas com castanhas, bois e cavalinhos de barro, e os sinos da matriz tocando um novo tempo. 
  
   Seguimos até a casa do cabo Tadeu, eu declamando os versos de Cícero ...Ó Tempora! Ó Mores!