ter�a-feira, 19 de outubro de 2021
Colunistas / Esportes
Zé de Jesus Barrêto

BAHIA VENCE JUVENTUDE 1X0 E SE MANTÉM NO TOPO DA A

Tricolor faz boa campanha na Série A e está colocado no G4
07/07/2021 às 10:33
    Não foi um grande jogo e o Bahia não fez uma boa partida, mas o minguado 1 x 0 sobre o Juventude, em Pituaçu, valeu pelos três pontos ganhos em casa. O resultado deixa o Tricolor na 5ª (ou 6ª) posição, com 17 pontos, colado no G-4, o grupo de cima da tabela de classificação que tem agora o Palmeiras na liderança, com 22 pontos. Sem dúvida, a melhor campanha, o melhor começo de Brasileirão do Bahia nos últimos anos, mesmo sem brilho. 
*
Pituaçu

 Começo de noite de uma quarta invernosa, com ventos frios e chuva renitente. Gramado surrado, encharcado mas sem poças, escorregadio. O time gaúcho de verde, o Tricolor com sua camiseta branca, e com quatro jogadores em campo que já atuaram pela equipe baiana, além do treinador. 
Com bola rolando...

 Os gaúchos começaram no ataque, marcando desde a frente, dificultando a saída de jogo defensiva do Tricolor, apertando, pondo ritmo veloz. Marcação forte de lado a lado, poucas penetrações, equilíbrio de ações. Tentativas de tiros de longa distância, apenas. Aos 23’, Rossi bateu a primeira de dentro da área, forte, Carné catou no chão sem dar rebote. O Juventude fechado, apostando no erro adversário, Matheus Bahia  perdendo alguns lances bobos.

  Por tudo ou nada que aconteceu em campo, o zero no placar diz tudo. Um babinha.
*
  No intervalo, Dado tirou Thaciano (meia) e colocou Maikon, mais agudo pelos flancos. Em tese, uma substituição mais ofensiva. Aos 4’, Rodriguinho desperdiçou uma sobra na área, bateu pra fora. O mesmo panorama sem lustro da etapa anterior, jogo feio, picotado, preso, no campo pesado. Os 15 minutos cravados e nada acontecia. 

 - Aos 16’, Juninho pegou uma sobra e arriscou de fora, errou o alvo. Patrick em campo, saiu Jonas, aos 17’.  Aos 19’, Daniel enfiou na esquerda para Maikon, que dividiu com o goleiro e perdeu.  Aos 21’, Nino cruzou da direita e Carné salvou na cabeça de Gilberto. O Tricolor então mais ofensivo, mas não definia. Os visitantes pouco ameaçavam, apostando claramente no empate. O tempo passando... 

 Por volta dos 33’, Dado lançou Thonny Anderson, saiu Rodriguinho, exausto. Deu certo.

 - Gol ! 1 x 0 Bahia, Matheus Bahia ! Thonny Anderson recuperou bola no meio campo, conduziu varando pelo meio, Gilberto fez a parede, mesmo caído, e o lateral entrou  de frente, ajeitou e  encheu o pé, cruzado, rasteiro, no canto. Aos 35’. 

 O treinador Marquinhos, com o gol levado, fez duas substituições ofensivas e foi inteiro ao ataque, na pressão, pegando duro, era tudo o que restava. Dado, pra esfriar o ímpeto adversário, trocou Daniel e Rossi por Lucas Araújo e Oscar Ruiz. 

  Aí, haja coração, veio o sufoco.  Aos 43’, quase o Juventude empatou, com Matheus Teixeira, em cima do xará Bahia; chutou de cara, pra fora. O Tricolor encolhido, suportando. Aos 45’, os gaúchos entraram tramando pela direita, Peixoto chutou forte,  raspando o poste. Ufa!  Três pontos ganhos. 
*
Destaques

 Daniel, o mais lúcido, bom segundo tempo. Juninho, sem erros. Thonny Anderson entrou muito bem. O golaço de Matheus Bahia. 

 Forster, um zagueiraço!  A luta de todos.  
 *
Escalações 

- Bahia: Mateus Teixeira, Nino, Luis Otávio, Juninho e Matheus Bahia; Jonas, Thaciano e Daniel; Rossi, Gilberto e Rodriguinho. Treinador, Dado Cavalcanti.

- Juventude/RS: Carné, Michel, V. Mendes, Forster e William Mateus; Elton, Jadson (juninho),  Matheus Jesus (Paulo Henrique) e Wesclay (Chico); Paulinho Boia (Sorriso) e Matheus Peixoto (Pacheco). Treinador, Marquinhos Santos.

 Arbitragem paulista com VAR; no apito, Douglas Marques das Flores.
*
 O próximo compromisso do Bahia, pela 11ª rodada, é domingo, contra o São Paulo, na capital paulista. 
*
 Outros jogos da rodada: 

 - Santos 2 x 1 Athlético PR; Fortaleza 4 x 0 América MG; RB Bragantino 1 x 0 Cuiabá.  E a rodada segue: 
 - Palmeiras 2 x 0 Grêmio; Atlético Mineiro 2 x 0 Flamengo; Atlético GO x Sport; 
   Internacional x São Paulo; Fluminense x Ceará; Chapecooense x Corínthians.
** 
 Pela Série B, o Vitória joga sábado, em Aracaju, contra o Confiança. O Leão está no grupo dos quatro últimos, a Z-4, com 7 pontos. O Confiança tem 8 pontos, está em 15º.  
**
COPA AMÉRICA

- Brasil x Argentina farão a final, como queria e previu Neymar. O jogo do título acontecerá no Maracanã, sábado, às 21 h. É o maior e mais curtido clássico sul-americano, rivalidade histórica. Duelo dos ídolos, amigos: Messi x Neymar. 

  Os argentinos se classificaram na noite de terça, depois de vencer a Colômbia na cobrança de penalidades, após o empate de 1 x 1 no tempo normal de jogo. Foi uma partida dura, catimbada, faltosa e com entradas violentas, sobretudo por parte dos colombianos.  Os argentinos abriram o placar no primeiro tempo; Lautaro finalizando na área um bom passe de Messi. E o talentoso e rápido meia Diaz (um dos destaques da copa) empatou em lance individual pela esquerda, na segunda etapa. 

  Melhor enfrentar a Argentina, mais bola e menos trombadas, esperamos. Sem favoritismos, fizeram as melhores campanhas na competição.
**
 EUROCOPA 

 No domingo, às 16h, no ‘templo’ de Wembley, Londres, a final da competição europeia de seleções:  Itália x Inglaterra.  Dois estilos, duas escolas, tradição. 

  Os italianos chegaram com justiça à final, pela boa campanha, sem derrotas, na competição, mas só na cobrança de penalidades conseguiram dobrar o bom e jovem, renovado time da Espanha, treinado por Luiz Enrique, com aquele toque e posse de bola que dá gosto de ver. A Itália abriu o placar, num belo chute do avante Chiesa, os espanhóis empataram e nalguns momentos deram sufoco (1 x 1 no tempo normal e na prorrogação). 

  Os italianos têm um grande goleiro, defesa sólida, como é tradição e três avantes rápidos e bons finalizadores, o que é novidade e faz diferença (Chiesa, Insigne e Imobile).  A ‘azzurra’ está há 33 jogos sem perder. Vai forte pra final e tem camisa, muita história.

  A outra semifinal, Inglaterra x Dinamarca, nessa tarde de quarta, foi um jogo burocrático, cauteloso de parte a parte, sem criatividade, sem ousadia, nem grandes emoções. No tempo normal, o empate de 1 x 1. As defensivas prevaleceram.  Na prorrogação, Kane fez (2 x 1 ), de pênalti (discutível) e classificou o time da Rainha para a final. Jogão ! Para os ingleses não podia ser melhor. Uma decisão em casa.