ter?a-feira, 07 de abril de 2020
Colunistas / Esportes
Zé de Jesus Barrêto

Bahia derrotou Jacobina de virada e assumiu a liderança do BAIANÃO

Técnico Roger falou sobre a derrota do Bahia para o Vitória e segue prestigiado no Bahia
10/02/2020 às 09:59
De virada, com três gols feitos no segundo tempo, a equipe B (de aspirantes, o sub-23) do Bahia venceu (3 x 1) o Jacobina, no norte da Chapada, e disparou na liderança do Campeonato Baiano com 11 pontos ganhos; é líder pelo menos até o fim de semana próximo quando segue a rodada. No sábado, Vitória e Atlético de Alagoinha, ambos com 8 pontos, se enfrentam no Barradão.  

*

Com a bola rolando

- Tarde domingueira quente no norte da Chapada, público tomando as arquibancadas acanhadas do estádio José Rocha (quatro mil lugares), grama alta, pelota saltitante. O Jacobina, lanterna do campeonato, todo de azul. O Bahia, na vice-liderança, todo de branco.

  - E logo no começo, com um minuto, Dionísio bateu falta buscando o ângulo mas Fernando foi buscar, espalmando. O tricolor respondeu, com bom volume de jogo, provocando escanteios. Mas...

  -   Aos 17’, o garoto Ué caiu na área ao perceber a proximidade de Lepo e o árbitro viu pênalti num lance que, pela tevê, pareceu normal.   

  Gol ! Jacobina 1 x 0. Dionísio bateu bem a penalidade, deslocando o goleiro e abrindo o placar.

-  O time da casa se encolheu e o Bahia forçou no ataque, buscando o empate. Aos 27’, Gustavo perdeu uma chance clara na pequena área, livre, batendo alto, a pelota tirou casquinha no travessão. Aos 36’, Saldanha bateu de fora, nos braços de Nunes. O time da Chapada fechado, marcando forte e correndo muito.

 -  O Bahia teve o controle da bola, o domínio na primeira etapa mas... deu Jacobina no placar:1 x 0. O Jegue achou o pênalti, fez o gol e fechou-se inteiro, no capricho.

*

  - Na volta dos vestiários, o Tricolor lançou-se inteiro ao ataque, o Jacobina defendendo-se e ensebando. Aos 8 minutos Gustavo perdeu chance incrível, chutando livre. de direita, na pequena área, para fora. Aos 18’, Saldanha tentou, Nunes pegou.

 - Aos 22 min, bola no braço de Elielton na área, e o árbitro marcou pênalti, também discutível. Muita reclamação dos atletas da casa e distribuição de cartões amarelos.

  - Gol !  1 x 1, Ramon bateu com frieza, deslocando o goleiro e empatando. Aos 25’.

  - Gol ! 2 x 1, Saldanha, aos 30 minutos. Uma jogada típica de centroavante, girando sobre o marcador, usando bem o corpo, invadindo e batendo na saída do goleiro. A virada.

 - Gol ! 3x1 Bahia,  aos 33 minutos. Regis, finalizou forte, de canhota, após uma boa trama coletiva, troca de passes, tabelando pelo meio.

  A partida ficou pegada, algumas entradas duras, a expulsão de um atleta da casa e nada mais aconteceu.  Bom resultado para o Esquadrão.  

*

Escalações

- Jacobina, o ‘Jegue da Chapada’ : Nunes, Edicarlos, Rafael, Iran e Deca; Hercules, Caio, Dionísio (Ricardo) e Fabiano (Elielton);  João  Neto e Ué (Deivison).  Treinador, Arnaldo Lira.

- Bahia : Fernando, Lepo (Lucas), Ignácio, Anderson e Mayk; Edson, Ramon, Artur Rezende; Gustavo, Saldanha e Alesson (Régis). Treinador, Dado Cavalcanti.

 No apito, Irinaldo Jorge dos Santos (verde, assustado, marcou pênaltis, lá e cá, que não existiram, distribuiu cartões).

*

 Destaques  

 No Bahia, o meio-campista Ramon sobrou, vem jogando muito. Bem o meia Artur Rezende e também o apoiador Edson, tático. Gustavo perdeu chances claras de gol e Saldanha brigou e fez gol de centroavante nato.

 No Jegue da Chapada, o grandalhão Iran, pelo alto; e o menino Ué, estreante, destemido.

**

  Ba e Vi na fita  

As equipes titulares do Bahia e do Vitória têm compromissos difíceis no meio da semana. O Vitória vai ao Maranhão encarar o Imperatriz, pela Copa do Brasil, dia 11, terça. 

O Tricolor, na quarta, recebe o Nacional do Paraguai, na Fonte Nova, valendo pela Copa Sul-Americana. Estreia, lá e cá, quem perde cai fora.

**

 Ecos do Ba x Vi

- A despeito das  vaias e pedidos das arquibancadas, após a derrota (2 x 0) para o rival, o treinador Roger Machado continua firme e prestigiado pela direção do Tricolor. O goleiro Douglas, também contestado pela torcida e reconhecidamente em má fase técnica, parece ainda absoluto no gol, tem a confiança do técnico.

- Roger disse que o Bahia jogou melhor. Não sei. Teve mais posse de bola, trocou mais passes, mas não foi bastante competente nas finalizações e entregou atrás. O Leão de Geninho foi manhoso, jogou fechadinho e apostou na qualidade de sua bola parada. Deu-se bem, foi mais inteligente, estratégico, mais objetivo e venceu. Futebol é bola na rede. Fui.