segunda-feira, 14 de outubro de 2019
Colunistas / Esportes
Zé de Jesus Barrêto

CORÍNTHIANS QUEBROU A GUIA DO BAHIA 2x1

Juiz decidiu pelo VAR com critérios estranhos e Bahia foi prejudicado
22/09/2019 às 20:22
  Foi um jogo muito disputado, corrido, mas pobre de técnica. Um árbitro trapalhão, tratando os atletas em campo de forma diferenciada, inseguro, fazendo uso do VAR e decidindo com critérios estranhos, pênaltis marcados e reclamados... e um placar de 2 x 1 para o Corínthians sobre o Bahia, em São Paulo, quebrando uma invencibilidade de nove jogos do Tricolor. Talvez um empate fosse mais justo, mas o jogo é decidido em campo nos detalhes. Nada a reclamar.

  Com o resultado, os Tricolores saíram do gramado reclamando muito, irritados, mas ainda na sétima colocação. O Corínthians subiu para a quarta posição mas pode ser ultrapassado. O Flamengo ganhou mais uma e lidera com folga, tem 45 pontos. E a rodada segue ainda...   

 

**

  - Itaquerão/SP, 20ª rodada, abertura returno. Há 11 anos o Tricolor não ganha do Corínthians em São Paulo. O Bahia com a tradicional beca/camisas em listras verticais largas branco.  

  Chamavam a atenção as tranças de Moisés e o coque de Juninho; o ‘Timão’ de branco, mexido no meio campo.

Com a bola rolando...

 - Duas equipes que gostam de trocar passes, bola no chão, marcação adiantada. Parecidos.

 - A primeira chance foi do time da casa, aos 3 minutos; uma arrancada nas costas de Moisés, bola cruzada no chão, de um lado a outro, e Calyson chegou batendo, de chapa; a pelota bateu no rodapé do poste esquerdo de Douglas. Sorte!

  - Aos 7’, Clayton ajeitou nas costas de Nino e Sornoza bateu de prima acertando, dessa vez, o poste direito de Douglas. Sorte dupla! 

  - Aos 9’, num contragolpe pelo lado direito, Gilberto arriscou da entrada da área, forte mas por cima. Primeira chegada do Tricolor, respondendo.

  - Bom ritmo, velocidade. O Corínthians chegava triangulando bem pelos dois lados do campo; o Bahia explorando a correria de Artur e Nino pela direita. Os paulistas mais ofensivos, criaram duas chances claras de gol. Os baianos, quando retomavam a bola, também atacavam.

  - Aos 24’, noutra boa troca de passe pela direita, Elber pegou de frente, da meia lua, mas a bola cobriu o travessão, assustando Cássio. Equilíbrio de ações. Marcações encaixadas.

 - Aos 33’, Sornoza bateu falta colocada, da entrada da área, Douglas trabalhou bem, no chão.

 - Aos 35’, numa arrancada de Élber, o avante tricolor entrou em velocidade na área inimiga, dividiu e caiu, travado pelo apoiador Ralf; os tricolores pediram pênalti, o árbitro foi chamado ao VAR e entendeu que não houve falta, apesar do pênalti claro, pois Élber foi derrubado. Os críticos de arbitragem na tevê atestaram, mas ... o soprador de apito tremeu .

 E...  pior,   

- Logo depois, deu um cartão amarelo em Nino numa jogada defensiva normal, na linha lateral. Os corintinanos pressionavam a arbitragem de todo jeito, o árbitro foi sendo envolvido, fraquejando.

 - Aos 41’, uma bola cruzada de fundo bateu no braço de Juninho, voltado para trás. Na pressão, o árbitro foi tirar a dúvida no VAR e marcou a penalidade contra o Bahia.

 - Gol ! 1x 0 Corínthians, Wagner Love cobrando a penalidade com força, pelo alto.   

*

   O soprador de apito paraense, inseguro, foi decisivo.  Dois pênaltis, ele marcou apenas o segundo, favorável ao time da casa, pressionado. Caso tivesse marcado o primeiro, claro, em Élber, o placar no fim da primeira etapa poderia ser outro.  A ‘força’ do Corínthians prevaleceu.

*

  - O panorama no começo da segunda etapa ... o mesmo, inclusive com o árbitro marcando qualquer coisa contra os baianos, distribuindo cartões amarelos à toa.  Mas o Tricolor encarou.    

  - Aos 14’, Cássio evitou o empate espalmando uma bola que entraria no ângulo. Chamado, de novo, ao VAR, para ver no lance um pé alto do zagueiro corintiano na área, que atingiu o tórax de Gregore ...   quatro minutos depois, consciência doendo, certamente, Dewson marcou a penalidade (aconteceu? Ora, foi muito menos pênalti que a outra em Élber que ele não deu). Mas ...

 - Gol ! 1 x 1, Gilberto, batendo bem a penalidade, deslocando o goleiro Cássio, aos 18’. Empate decretado.

 - Aos 25’, após bola cruzada da direita, Juninho rebateu de cabeça e ...  o árbitro recorreu de novo ao VAR. Nada !   Seguiu o jogo, agora num ritmo mais cadenciado, equilibrado. O Bahia parecia melhor, mais ofensivo, mas numa jogada isolada...   

 - Gol ! 2  x 1 Corínthians , aos 29’, Clayson, recebendo a bola enfiada nas costas da zaga baiana; Douglas saiu e foi envolvido,  Nino tentou salvar, mas, desequilibrado, perdeu o tempo da bola, não conseguiu.

 Na sequência, Roger trocou o apoiador Flávio, já com cartão amarelo e colocou o meia Guerra. Ao ataque, pois. Aos 37’, saiu Élber e entrou Arthur Caíke. E mais  Fernandão no lugar de Ronaldo. Nada funcionou.

 -  Os paulistas, como gosta o treinador Carille, então postaram-se fechadinhos atrás, marcando em cima, só esperando para dar o bote do possível contragolpe; fizeram o tempo passar, quebrando o ritmo, administrando apenas. Não teve mais jogo. Deu Timão.

*

 Destaques

 Não foi uma jornada feliz para os atletas tricolores. Flávio, Artur, Élber, Gregore correram muito.

 Os corintianos atuaram com muita vontade e aplicação coletiva.

   

   *

  Escalações

 - Corínthians : Cássio, Fagner, Manoel, Gil e Carlos Augusto; Ralf, Ramiro e Sornoza (Jadson); Pedrinho,  Clayson  (Janderson) e Wagner Love (Gustavo). Treinador, Fábio Carille.

 - Bahia : Douglas, Nino, Lucas Fonseca, Juninho e Moisés;  Gregore, Flávio (Guerra) e Ronaldo (Fernandão); Artur,  Gilberto e  Élber (Caíke). Treinador, Roger Machado.

No apito, Dewson Fernando Freitas da Silva, do Pará (com auxílio do VAR). Caseiro, inseguro, usando critérios diferentes para cada equipe, permitindo a pressão dos paulistas e ríspido, intimidando os baianos.  Encomendado?

 *

  Na sequência, quarta-feira, dia 25, às 21h30, na Fonte Nova: Bahia x Botafogo/RJ.

**

  Outros jogos da rodada :

  - Botafogo 1 x 2 São Paulo ; Cruzeiro 1 x 2 Flamengo;  às 21h: Santos x Grêmio.

     No domingo:  Internacional x Chapecoense; Fortaleza x Palmeiras; Vasco x Athlético/PR;

                              CSA x Ceará; Goiás x Fluminense.

     Na segunda, 20h : Avaí x Atlético(MG)

**

  Série B

  Na estreia de Geninho, o 5º treinador do Rubro-negro nesta temporada, o Vitória enfrenta, na Fonte Nova, o Atlético de Goiás, pela 24ª rodada. O momento é delicado, sobretudo pela posição do time na tabela de classificação, onde a briga no rodapé está feia.

  O Vitória tem 24 pontos ganhos e está na porta da zona do abismo, o  Z-4. O Vila Nova, dentro da Zona, tem também 24 pontos.  Com 23, São Bento, Criciúma e Figueirense. Não dá mais pra vacilar. É preciso uma sacudidela no elenco, urge uma reação, ou ...    

  A luta, este ano, parece que será mesmo a de se manter na Segundona em 2020. Um preju para o clube.

**

 Seleção brasileira   

  Tite convocou caras novas para a disputa de dois amistosos, contra os africanos Senegal e Nigéria, em Cingapura, nos dias 8 e 10 de outubro. As novidades foram o goleiro Santos, do Athlético/PR; o lateral esquerdo Renan Lodi, do Atlético de Madri; o zagueiro Rodrigo Caio, do Flamengo; o jovem meio-campista do Grêmio Matheus Henrique e o artilheiro do Brasileirão, Gabriel Barbosa /o Gabigol,  do Flamengo.