quinta-feira, 17 de outubro de 2019
Colunistas / Esportes
Zé de Jesus Barrêto

BAHIA E CHAPECOENSE EMPATAM em jogo sofrível 0x0

O Bahia mexe pra lá e pra cá no ataque, mas, não consegue fazer gols. E vem aí o Flamengo.
28/07/2019 às 15:08
  Um 0 x 0 justo pelo joguinho sofrível, de poucos lances de boa técnica, muita correria e erros de passe de lado a lado. O Tricolor foi um pouco melhor na segunda etapa, teve umas duas chances de marcar no final, mas faltou competência. A defensiva suportou bem.

  O resultado não foi bom para nenhum dos lados. A Chape continua sem vencer e está na zona do sufoco, entre os quatro últimos. Com o empate, o Bahia chegou aos 16 pontos ganhos e no 11º lugar, podendo perder posições com o decorrer da rodada. O time não consegue mais fazer gols.

*

  Névoa e frio antes

-  Manhã de domingo, Arena Condá com público reduzido, Chapecó com nevoeiro, um frio de 13 graus, o dia estranho para os baianos.  Aos poucos foi clareando, melhorando a visibilidade e aquecendo.

- A Chape com treinador novo, a equipe classificada entre as últimas, o pensamento numa reabilitação a todo custo.

- Um Bahia que teve problemas de voo até chegar em Chapecó, há cinco jogos sem vencer, classificado no meio da tabela (em 12º lugar) e também carente de um triunfo. Na camisa dos atletas, a derradeira homenagem ao querido Aderbal, funcionário do clube, que se foi nessa semana.  Uma moquequinha de torcedores do Tricolor marcando presença nas arquibancadas.

*

Com a bola rolando ...

 - O Bahia começou frio, meio que cochilando, perdendo as divididas no meio e errando passes bobos. A Chape, com os atletas mais acostumados à temperatura, já começou em cima, com apetite.  

- Logo aos três minutos, Camilo bateu falta da entrada da área, no ângulo, mas Douglas foi  lá e espalmou. Salvadora intervenção.

- A equipe da casa com a iniciativa, marcando forte; os baianos demoram pra entrar no ritmo, retraídos, perdendo a batalha no meio campo. Só aos 18’ o Tricolor chegou à frente, com um chute de Moisés, de pé direito, longe.

 - Aos poucos o Tricolor foi pegando, trocando passes, evoluindo. Aos 23’, após cruzamento da direita de Lucca, Artur testou do lado esquerdo, assustando o torcedor da Chape. Vai ficando mais equilibrado. Alguns escanteios pro Bahia e num deles Tiego precisou intervir duas vezes para evitar o gol.

 -  A Chape periga então nos contragolpes, chutes de longe, aproveitando-se sobretudo de erros de passes dos tricolores no meio campo. Falta capricho no fundamento/passe dos dois lados.

 -  Olhe o VAR !   Aos 40’, após cobrança de escanteio, o goleiro  Douglas sofreu falta e a bola foi para as redes. Os atletas de verde comemoraram, mas o árbitro consultou o VAR e registrou a infração, anulando a jogada de gol. 

 Não faltou vontade, mas o futebol  foi pobre na primeira etapa. Placar justo, equilíbrio de forças. A Chape alçando muitas bolas na área adversária, sem êxito. O melhor caminho dos baianos foi pelas laterais, mas precisa chegar com mais gente na frente.

*

 - Segundo tempo, o sol aparecendo, mesmo que pálido.  Os tricolores mais acesos após o intervalo. Aos 9’,  Artur foi derrubado quase na linha da grande área inimiga; Moisés bateu a falta, rasante, Tiego encaixou seguro, no chão. A Chape respondeu, dois minutos depois com um chute alto, fora.

-  Aos 12’, saiu Henrique Almeida, entrou Artur Gomes na Chape, o treinador buscando o ataque. Aos 13’, Douglas enfiou pra Artur na direita, ele ganhou na velocidade e cruzou rasteiro para a entrada de Lucca que perdeu na dividida, no chão, para o goleiro Tiego, mais esperto e corajoso.

- Aos 16’, o Tricolor teve duas chances seguidas de gol; o becão Douglas salvou a finalização de Artur em cima da linha, o goleiro vencido.

 - Uma partida mais aberta na segunda etapa, melhor de ver; o Bahia com postura mais ofensiva. Aos 20’, Roger lançou Shaylon no lugar de Ramires. Na Chape, Maurício Ramos no lugar de Douglas, na zaga da casa.  Aos 29’, saiu o avante Gilberto, apagado no jogo,  entrou o meia Clayton, que há muito não jogava.

 - O ritmo continuava forte, corrido, mas pouca técnica, entradas duras, sem grandes jogadas individuais ou coletivas e seguidos passes errados, lá e cá.  Aos 38’, Fernandão no lugar de Lucca, sem brilho. A Chape tenta, no final, sufocar, com bolas cruzadas e chutes de longe. O Bahia parou de criar, de jogar depois das substituições.

  -   Aos 43’, ótima jogada de Artur na direita, o cruzamento largo e Clayton testou, cara a cara, para uma defesaça  de Tiego, dando rebote.  Um minuto depois, Gregore fez boa infiltração pelo meio e bateu rasteiro, colocado, tirando tinta do rodapé direito de Tiego. Quase.

 E foi só.

*

Destaques

Seguro o goleiro Douglas. Bom jogo da dupla de zaga Lucas Fonseca e Juninho. Os laterais estiveram melhor na marcação do que na armação. O Gregore guerreiro de sempre. Artur foi o mais lúcido e perigoso no ataque.

Na Chape, Camilo e o veterano Marcio Araújo, pela vontade.

*

Escalações

- Chapecoense : Tiego, Eduardo, Gun, Douglas e B. Pacheco; Augusto, Marcio Araújo, G. Campanaro e Camilo; Henrique Almeida e Everaldo. Treinador, Émerson Cris.

- Bahia : Douglas, Ezequiel, Lucas Fonseca, Juninho e Moisés; Gregore, Flávio e Ramires; Lucca, Gilberto e Artur. Técnico: Roger Machado.

Arbitragem paraense. No apito, Dawson Fernando de Freitas.

**

 Na próxima rodada o Bahia recebe o Flamengo, domingo à tarde, na Fonte Nova. Prenúncio de casa cheia.