sexta-feira, 20 de setembro de 2019
Colunistas / Esportes
Zé de Jesus Barrêto

Seleção feminina perde para a França: faltaram pernas ZÉDEJESUSBARRÊTO

Brasil jogou bem mas time não resistiu a forças das francesas
23/06/2019 às 09:10

Com quase 130 minutos de jogo, faltaram pernas e fôlegos às meninas brasileiras e as francesas, mais robustas e melhor preparadas fisicamente venceram : 2 x 1, na prorrogação. Jogamos bem, equilibramos e poderíamos ter decidido enquanto suportamos a correria. Mas...

Estamos fora das quarta-de-final da Copa Mundial feminina e a França avança. Pega, nas oitavas de final, as vencedoras do duelo EUA x Espanha, segunda-feira,  13h.

*

-  França 2 x 1 Brasil, em Le Havre, cidade litorânea, segundo porto mais importante da França. Estádio cheio (30 mil pessoas), em vermelho/azul/branco, clima de ‘Marselhesa’, o emocionante Hino Nacional francês, entoado no gogó pelo público nas arquibancadas.

- Até então, na competição, a França só havia tomado um gol. E contra, de Renard. Donas da casa invictas. Bem treinadas.

 - Esperanças brasileira nas veteranas Formiga, Marta e Cristiane. E na menina Debinha, arisca.

 - Dois belos Hinos Nacionais.   

 

*

  Com a bola rolando ... 

  - Nervosismo inicial e natural. As donas da casa com a iniciativa do jogo, alçando bolas e ganhando as divididas. As brasileiras espichando mais os lançamentos, apostando na velocidade de Ludmila e Debinha. Equilíbrio.

  -  Olhe o VAR aê  !!!

      Gol ! 1 x 0 França. Gauvin de ombro, dividindo com a goleira Bárbara no alto, na pequena área, após cruzamento da direita, em bobeira de Tamires, perdendo no corpo a corpo, na linha de fundo. Aos 25 minutos. A árbitra foi checar no VAR e anulou o gol, registrando falta na goleira ou mão da atacante (?), após cinco minutos de paralização.   0 x 0. pois.

  - Aos 43’, Debinha enfiou na esquerda para Cristiane que encarou e bateu forte, cruzado, rasteira, para boa defesa, a escanteio, da goleira Sarah.

 - Muito bom primeiro tempo, disputado no meio campo, duro, equilibradíssimo. As brasileiras com a bola no chão, atacando em velocidade. As francesas apostando nas bolas altas, na vantagem do corpo-a-corpo. Jogo ofensivo, as duas equipes chegando mas finalizando pouco, as defesas prevalecendo.  Empate  justo.

  - Kathellen,  Marta e Debinha pelo Brasil; Renard, Gauvin, a robusta e veloz Diani, e Le Sommer pela França – destacadas.

*

  - Na volta dos vestiários, em campo o mesmo panorama. Mas...

- Gol ! França, 1 x 0, Gauvin, escorando na pequena área um cruzamento de fundo de Diani, que arrancou levando a marcação no corpo e na velocidade pela direita.

- Aos 9’, após levantamento de Marta, Cristiane testou acertando o travessão de Sarah, que  

 - Aos 12’, Formiga salvou quase em cima da linha de gol uma cabeçada certeira de Renard.

Mas o Brasil foi pra cima, não esmoreceu. Bom jogo, dinâmico !

- Gol !   Brasil 1 x 1. Thaisa!  Completando de frente uma ótima jogada de fundo de Debinha, na esquerda.  Aos 17 ‘, o empate. O VAR confirmou.

 - Lá e cá, as duas equipes buscando o gol. Debinha de um lado Diani do outro, levando perigo. O tempo passando, chegando aos 40 min, e as francesas parecem mais inteiras, marcando cerrado, correndo muito.

 - Aos 42’, Tamires foi lançada nas costas da zaga, penetrou e finalizou para as redes, mas a bandeira marcou impedimento, anulando o tento. Irregular, a lateral estava adiantada ao receber a bola. Jogo indefinido, renhido.

   Com o empate, 1 x1, no tempo regulamentar, a decisão foi para a prorrogação de 30 minutos.

*

  Prorrogação:

-  Logo aos 5 min, Cristiane tenta um chute de longe, sente a coxa, e deixa o gramado. Substituída por Deyse. As francesas mais inteiras, ganhando o meio campo, com mais volume de jogo, mas as meninas do Brasil são valentes, resistem bem, encaram.

 - No finalzinho da primeira etapa, Debinha arrancou pela esquerda, invadiu, bateu na saída da goleira Sarah, mas a zagueira MBock salvou de carrinho em cima da linha. O grito de gol ficou  engasgado.  

   Virada de campo

 -  Gol ! França 1 x 0, Henry a capitã, aos 2 minutos. A tal bola parada, aérea! Falta longa da direita, alçada na frente da pequena área, e a lateral francesa apareceu enfiada, de surpresa, completando de canhota.

 Algumas brasileiras parecem já  sem pernas para acompanhar  o ritmo intenso das adversárias, fisicamente  mais preparadas.  Fim !

*

Destaques

Das vencedoras o melhor preparo atlético, o  coletivo, a força.  Individualmente, a  dupla de zaga, duríssima; a capitã Henry; Le Sommer, Gauvin e, sobretudo, a veloz, incisiva e decisiva  Diani.  

 As brasileiras se superaram em campo, até surpreenderam pela vontade, garra:  a goleira Bárbara, a excelente dupla de zaga – Mônica e Kathelen -, a gana de Thaísa, a classe de Marta, mesmo fora de ritmo, e a espertíssima Debinha. 

 Valeu, garotas !

*

  Equipes em campo:

  Brasil – Bárbara, Letícia (Polliana), Kathellen,  Mônica e Thamires; Formiga (Andressinha), Thaisa, e Marta; Ludmila (Beatriz), Debinha  e Cristiane.   Treinador, Vadão.

 França -  Sarah Bouhaddi, Torrend (Perrisset), Renard, Mbock e Majri;  Asseyi (Thiney), Bussaglia, Henry e Diani; Gauvin (Cascarino) e Le Sommer. Treinadora, Corinne Diacre.

Arbitragem canadense.

**

   Inglesas + VAR  3  x  0 Camarões  

  Mais cedo, em Hainaut, Inglaterra 3 x 0 Camarões.  No lance mais curioso da partida, o choro indignado da atacante camaronesa Nchout, em campo ainda, AO ver seu gol (legítimo) ser anulado pela arbitragem com o auxílio do VAR, no segundo tempo, o jogo ainda em 2x 0. Esse gol, se validado, poderia ter colocado Camarões de novo no jogo. As meninas africanas chegaram a se recusar continuar a partida. 

  As camaronesas já se sentiam prejudicadas desde o primeiro gol inglês, com a marcação indevida, também com o auxílio do tal VAR  (que, parece, só favorece os poderosos), de  uma infração em  dois toques dentro da pequena área de Camarões. Absurdo, porque a goleira de Camarões defendeu com as mãos uma bola atrasada também com as mãos, num lateral. 

 Chiadeira africana também no segundo gol da Inglaterra, já no final da primeira etapa, de novo validado com a interferência do VAR, num lance em que as camaronesas pediram impedimento da atacante adversária.  

  Camarões garfados?

**

COPA AMÉRICA / Masculino

Na Fonte Nova, com público pequeno, Colômbia 1 x 0 Paraguai (gol de Cuellar). A Colômbia classifica-se em primeiro do Grupo B,  com 9 pontos, 100% de aproveitamento.  

Na Arena Grêmio (RS), Argentina 2 x 0 Catar. Vinte mil argentinos em Porto Alegre. A família de Messi presente no estádio.  Gols de Martinez e Aguero.  Argentina classificada em segundo, com 4 pontos.

*

 Nesta segunda-feira, fechando a fase classificatória, pelo Grupo C, às 20h:

  - Uruguai x Chile, jogão de bola entre duas das melhores equipe da competição, até aqui. O jogo é no Maracanã (RJ)

  - No Mineirão (MG), Equador x Japão.