sexta-feira, 10 de julho de 2020
Colunistas / Esportes
Zé de Jesus Barrêto

CAÍQUE salva Vitória de goleada. FLA GUANAMBI 1X0

Tem a segunda rodada neste domingo com Bahia x Bahia de Feira; e Juazeirense x Jacobina
20/03/2016 às 11:04
Os primeiros jogos das quarta de final do Baianão 2016  aconteceram nesse sábado, à tarde, começo de outono, sol de verão.  Duas partidas:  

  No Sudoeste do Estado - no arejado, bonito e longe dos padrões profissionais estádio Dois de Julho, em Guanambi – o Vitória se deu mal, jogou sem inspiração e levou 1 x 0 do Flamengo local.  O jogo de volta é sábado, no Barradão.   

  O Flu de Feira recebeu a visita do Galícia, no Eliel Martins, e venceu com folga e superioridade o Galícia por 3 x 0.  Tem volta, mas a missão dos galegos tornou-se muito difícil. 

*

   Neste domingo à tarde, o clássico BaBa, Bahia de Feira contra o Tricolor da Capital, atual campeão baiano, no estádio Pedro Amorim, em Senhor do Bomfim, sertão norte. Jogo duro.  Na outra partida, o Juazeirense recebe o Jacobina. O Juá em tese é superior. 


**

   Deu Fla no Sudoeste

   O jogo entre rubro-negros, em função do sol forte, começou em banho maria, mas aos poucos os donos da casa e da torcida foram tomando as rédeas da partida, mais afeito ao gramado. 

   Aos 13 min, aconteceu a primeira das ótimas defesas do jovem goleiro Caíque, pegando uma cabeçada no canto. Aos 24, após um erro na saída de bola, o avante Robert achou Marinho que bateu de frente e errou. Aos 31’, novamente Caíque trabalhou bem, defendendo uma pancada forte, de frente. Aos 35, falta cobrada por Jefferson, Caíque espalmou. Aos 47’, antes de acabar a primeira etapa, Caíque espanou outra e garantiu o zero no placar.  

O time da casa foi melhor, teve as chances de golear.

**

   De volta da merenda nos vestiários, o Flamengo continuou melhor até os 20 minutos, em cima, mas não teve competência para abrir o placar e aos poucos foi caindo de produção. Mancini, o treinador do Vitória, querendo jogo, pôs em campo o veterano meia Leandro Domingues, a eterna promessa Artur Maia e ainda o Picapau em lugar de Tiago Real, que saiu sentindo dores num músculo da perna.

  Aos 23’, a primeira e única boa investida do time da capital: Numa trama ofensiva, Leandro Domingues penetrou pela canhota e rolou para trás, mas Artur Maia pegou mal na bola e bateu por cima. 

  Aos 38’ aconteceu o lance inusitado e decisivo do jogo: uma mão boba na bola de Zé Wélisson, tirando a bola da cabeça do atacante, na área; pênalti claro que Jailson Macedo fez que não viu, mas o bandeira (Marco Welb Rocha) observou e chamou a atenção do árbitro. Jaílson voltou atrás, marcou a penalidade que Josi bateu bem e fez 1 x 0. 

  Antes de acabar, Caíque ainda praticou outra boa defesa, impedindo  o segundo gol do Flamengo de Guanambi, que venceu com justiça. O Vitória não foi nem sombra da equipe que engoliu o Bahia no segundo tempo do clássico. 

*

Destaques:

  Negativo para o árbitro Jailson Macedo, todo enrolado. Não viu no primeiro tempo, num mesmo lance, a bola na mão de dois jogadores do Vitória, por volta dos 17 min; foi envolvido pelos jogadores do Vitória, inverteu faltas e faz lambança na marcação da penalidade máxima que decidiu o jogo. Manjado.

  Pelo rubro-negro da capital o grande destaque foi o goleiro Caíque, mais uma vez. Amaral pela luta e Leandro Domingues, pelo toque.  Abaixo do normal a atuação de Marinho, Vander, Tiago Real e Robert. 

  Na equipe vencedora, o zagueiro Jefferson, o meia Tiago Azevedo e o atacante Josi. 

*

 O Vitória que fez festa na semana pela contratação do zagueiro Vitor Ramos (retornando), do veterano meia Dagoberto, fora de ritmo de jogo ainda, e do avante ex-tricolor Kieza... vai mesmo precisar muito deles já nesse final de Baianão.  





**

Dia 19 de março


São José, meu pai ! 

Dá-nos sabedoria nesses tempos tão conturbados, de tormentas.

Dá-nos chuva com abundância e que elas lavem as impurezas de nossas cabeças, 

limpem esse Brasil de tanta sujeira.

O marceneiro, o operário, o exemplo de Homem, o esposo de Maria e assumido ‘pai’ de Jesus.  

Meu divino São José, aqui estou a vossos pés

Cuide de mim, também Zé, em seu louvor. 



**

Amanhã tem mais bola rolando.