quinta-feira, 12 de dezembro de 2019
Turismo

VENEZA TEM MARÉ ALTA DE 1.87M, ALAGA PONTOS TURÍSTICOS E DOIS MORREM

Com informações do Corriere della Sera
Da Redação , Salvador | 13/11/2019 às 10:10
Acqua Alta nunca presenciada desde 1996
Foto: Corriere della Sera
O número de uma noite ruim é dramático: duas mortes em Veneza, submersas ontem pela maré a 187cm (nunca mais desde 1966) e açoitadas pelo vento sirocco com rajadas de até 100 km / h. Um homem de 78 anos foi eletrocutado em Pellestrina devido a um curto-circuito e outra pessoa morreu na mesma ilha, talvez por causas naturais. 

Os danos na cidade são graves, com gôndolas e barcos arrancados das amarras, três vapores afundados e píeres destruídos: cerca de sessenta barcos pesadamente danificados. 

A Basílica de San Marco também foi danificada, onde a cripta foi completamente submersa e o risco de colapso foi afetado. E um incêndio eclodiu no museu Ca 'Pesaro devido ao mau funcionamento da subestação elétrica. 

Debaixo d'água em todo o centro histórico: o prefeito solicitará um estado de emergência e convidará cidadãos e empresas a coletar fotos, vídeos e documentos para comprovar os danos sofridos e receber os reembolsos. 

Nas próximas horas, o primeiro-ministro Giuseppe Conte, juntamente com a ministra de Infraestrutura e Transportes, Paola De Micheli, estará em Veneza para fazer uma inspeção.

TRAGÉDIA

O prefeito de Veneza, Luigi Brugnaro, encontra-se em uma reunião com os técnicos do município para avaliar a situação dramática que a cidade enfrenta após a onda de maré excepcional da noite passada que causou danos consideráveis ​​em todo o centro histórico e, sobretudo, tomar decisões à hora em vista da nova onda de inundação prevista para esta manhã, depois de já ter pedido um estado de crise. Às 12 horas, na sede da Proteção Civil da região de Veneto, em Marghera Brugnaro, participará da coletiva de imprensa com o presidente da região, Luca Zaia, diretor de Proteção Civil Angelo Borrelli. Também foi anunciada a presença do Patriarca de Veneza Francesco Moraglia.

 O presidente da região de Veneto, Luca Zaia: "Temos diante de nós uma devastação total e apocalíptica, mas não estou exagerando com as palavras: 80% das cidades são danos subaquáticos, inimagináveis ​​e medrosos". As águas altas que atingiram Veneza não pouparam o Teatro La Fenice. A água não afetou a estrutura do teatro, mas invadiu as áreas de serviço, inutilizando os sistemas elétricos e de prevenção de incêndio (desativado). Agora, a maré, após uma nova onda da manhã que elevou o nível para 160 centímetros, está chegando a cerca de 150 cm, conforme o centro de marés do município de Veneza informa com uma mensagem de texto: as linhas telefônicas do centro também foram danificadas e o escritório não pode ser alcançado.