quarta-feira, 30 de setembro de 2020
Tecnologia

Ambev vai reciclar 127 toneladas de plástico coletado no Carnaval

Material será utilizado para fazer mais de 2 mil lixeiras
LK Comunicação , Salvador | 06/03/2020 às 10:33
Ambev vai reciclar 127 toneladas de plástico coletado no Carnaval
Foto: Divulgação

O Carnaval já acabou, mas, este ano, a folia vai ter um legado sustentável. Em uma iniciativa inédita, a Ambev se uniu à ANCAT (Associação Nacional de Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis), à MAP e à Boomerang para coletar o lixo reciclável dos maiores blocos de rua de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador e Recife. A ação ocorreu durante todos os dias de festa, além dos períodos pré e pós folia. Como resultado, os foliões puderam curtir um Carnaval mais limpo e sustentável, superando em 62% a expectativa da companhia e alcançando 324 toneladas de resíduos recicláveis coletados nas ruas. Desse total, 127 toneladas são de plástico, do qual uma parte será reciclada para virar lixeiras para as cidades.

“Este ano, fizemos a ação pela primeira vez e estamos muito animados com o resultado. Junto com a ANCAT, com a MAP e com a Boomerang recolhemos 324 toneladas de lixo reciclável, superando nossa expectativa. Sabemos que temos um longo caminho pela frente, mas esse primeiro passo está trazendo muitos aprendizados e estamos ansiosos pelos próximos Carnavais”, comemora Rodrigo Figueiredo, vice-presidente de Sustentabilidade e Suprimentos da Cervejaria Ambev.

Para a reciclagem do material, a companhia conta com mais uma parceira, a Lar Plásticos, fabricante e fornecedora de lixeiras e outros produtos de plástico feitos 100% a partir de matéria-prima reciclada. As lixeiras serão feitas a partir de um mix de plásticos flexíveis, como rótulos e sacolas plásticas, e plásticos rígidos, como as tampinhas de garrafa. “Digo que no mundo da reciclagem nada se perde, tudo se transforma. E o bacana dessa iniciativa é que conseguimos valorizar o plástico flexível, que muita gente acha que não é reciclável. Hoje, de fato, por conta de uma particularidade há uma dificuldade em reciclar esse material: uma vez que ele é contaminado ou sujo, não conseguimos encaminhar ele para a cadeia de reciclagem. Como os catadores da ação da Ambev recolheram o lixo assim que ele foi descartado, conseguimos evitar esta contaminação, tornando-o reutilizável”, conta André Novelli, Diretor Comercial da Lar Plásticos.


Lixo que vira lixeira


O processo de reciclagem começa logo na coleta: o plástico é recolhido logo após ser descartado e já passa pela triagem nas centrais de coleta. Depois, é encaminhado para as cooperativas, onde passa por uma segunda triagem e, então, vai para a fábrica da Lar Plásticos. É lá que a lixeira começa a ser produzida de fato. Novelli explica: “primeiro, moemos e lavamos a matéria-prima. Depois de seca, ela passa pelo processo de extrusão para se tornar grãos de plástico. Apenas após esse processo é realizada o blend (mistura) dos grãos reciclados de plástico rígido e flexível, o que resulta na composição final do material que vai ser usado para a produção das lixeiras”.

Será possível produzir cerca de 2 mil lixeiras com uma parte do plástico coletado. A Ambev vai doar essas lixeiras para as cidades, deixando um legado positivo para a sociedade e garantindo que os locais continuem limpos após a festa. “Além de promover um Carnaval mais sustentável, a gente quer ajudar na conscientização dos foliões e da população em geral. A entrega das lixeiras é uma forma de mantermos as ruas limpas e queremos convidar todos a fazerem parte desse movimento”, afirma Figueiredo. 


Mobilização


Para essa ação, foram mobilizados aproximadamente 3 mil catadores e catadoras de resíduo reciclável nas cinco capitais com a ajuda das associações de catadores. Eles receberam uma renda fixa por dia de trabalho, atrelada a uma meta de coleta, além de remuneração pela venda dos materiais recolhidos. “Como eliminamos alguns intermediários da cadeia, garantimos a compra dos materiais a um preço superior ao praticado pelo mercado no período de Carnaval, já que estivemos mais próximos dos catadores”, diz Figueiredo.

 

Além disso, todos os parceiros receberam EPIs (Equipamento de Proteção Individual), sacos apropriados para coleta e tiveram acesso a postos de apoio com hidratação e banheiros. Durante a operação, foram instaladas 45 centrais de coleta em locais estratégicos do circuito carnavalesco. “Junto com a Ambev, conseguimos focar na coleta do plástico, que normalmente tem pouco valor no mercado de reciclagem. Construímos uma operação que diminui a distância entre o material que sai da mão dos catadores e aquele que chega na indústria, o que contribui para garantir uma renda extra para os catadores”, comenta Roberto Laureano, presidente da ANCAT.


Compromisso de longo prazo


No começo deste ano, a Ambev anunciou que vai acabar com a poluição plástica de suas embalagens até 2025. Para atingir essa meta, a companhia vai tomar uma série de medidas e criar inovações em parceria com outras empresas e universidades. A ação de coleta e reciclagem de plástico neste Carnaval é um importante passo rumo a esse objetivo.

“A gente sabe que um Carnaval sustentável depende de todos nós – empresas, associações, foliões, sociedade e governo. Principalmente porque cada atitude tem uma consequência no futuro e por isso cada ação importa. Queremos que os foliões lembrem que juntos podemos construir um mundo melhor”, conclui Figueiredo.