segunda-feira, 28 de setembro de 2020
Colunistas / Política
Tasso Franco

A FACA DE DOIS GUMES E A DIFÍCIL MISSÃO DE NETO ABRIR COMÉRCIO

É preciso ter muita paciência e ponderação para atender todas as variantes e sua consequencia
01/05/2020 às 12:51
1. Há uma pressão muito forte de vários segmentos empresarias e políticos junto ao prefeito ACM Neto para que flexibilize a abertura do comércio, de pelo menos alguns setores, diante da crise econômica que está sendo provocada pelo coronavirus e que está provocando enormes prejuizos às empresas, especialmente, as menores e sem capital de giro.

  2. Ao menos até ontem, em nota, o prefeito disse que está conversando com os lojistas e outros setores empresariais, mas, não definiu ainda que medida adotará a partir de 4 de maio que foi a última data que estabeleceu para o fechamento de shoppings, bares, restaurantes, academias, praias e demais.

   3. A questão é complicada. No jargão político diz-se ser uma "faca de dois gumes", ou seja, para o lado que decidir a autoridade há estragos. Se o prefeito decide abrir o comércio e a pandemia se alastra com mais mortes leva ferro; se não abre, os comerciantes ficam zangados podem dar trocos políticos não votando no prefeito e nos seus candidatos nas próximas eleições. 

   4. No caso, Bruno Reis, que é o seu candidato à sucessão levaria um enorme prejuizo se isso acontecesse. Mas, como em toda faça afiadas dos dois lados, tem o lado bom de dizer que salvou vidas e isso ajudar, especialmente nas áreas mais pobres. E Salvador, como sabemos, a maioria da população é de baixa renda.

   5. Vale, portanto, o bom senso e o meio termo. Flexibilizar alguma coisa, como fez Feira de Santana, sem aumento da incidência da pandemia. Colbert Martins Filhjo, prefeito de Feira, assim o fez há uma semana e só aconteceu até agora uma morte por lá, número que está estável há 14 dias. Não é o caso de Salvador cujos números crescem a cada dia. ACM Neto, portanto, vai medir todas as consequências e ponderações.

   6. Os números da pandemia no Brasil não são reis. O país faz poucos testes e tem muita gente falecendo de insuficiência respoiratório e outros males, em certidões assim postas nos cartórios, quando os pacientes seriam vitimas do Covid. 

   7. Ademais, a cada momento as autoridades de saúde pública dão uma informação sobre o pico da pandemia. Antes seria na semana santa, depois no final de abril e agora já se fala em meados de maio e até junho. Não há previsão alguma. No momento, o que se vê é um incremento no número de infectados (oficial) e de mortes.

  8. Hoje, o ministro da Saúde, Nelson Teich, ao menos foi sincero e disse que não sabe quando será o pico da pandemia no país, nem ninguém sabe. Teich, que assumiu o cargo em 17 de abril no lugar de Luiz Henrique Mandetta, ainda não apresentou um plano de ação abrangente para enfrentar a pandemia. Nem vai apresentar porque não tem.

   9. Imagina-se, pois, que a decisão do prefeito ACM Neto é muito dificil de ser tomada acrescentando que a capital é a cidade com maiores recursos de atendimento à população não só de sua sede, mas, da RMS e de outros municípios do interior. A Bahia tem vários municipios que não têm UTI, sequer respiradores artificiais. No aperto, as ambulâncias aportam em Salvador.

   10. Alguns comerciantes alegam que pequenos centros comerciais já poderiam estar funcionando, pois, nem agora; nem nunca promovem aglomerações. Citam, por exemplo, o Blue, do Stiep; o Victoria Center, do Chame-Chame; o Capemi, do Iguatemi, e outros com lojas de eletrônicos, materiais de construção, pet shopps, lanchonetes e pequenos negócios. 

   11. Que é uma medida difíil de ser tomada não se tem a menor dúvida, ainda mais em ano eleitoral. Ora, o Covid, em termos, beneficia os gestores que estão agindo bem em prol da população, e aqueles que são seus adversários, na capital e no interior, são prejudicados porque estão praticamente no anonimato.

  12. No caso da capital, o gestor além do bom senso e da pressão, tem que seguir as evidências e é o que Neto está fazendo. Já são 62 mortes, até agora, e exatamente quando vence o 4 de maio a curva tá subindo. Só lembrando aqueles que se desligaram do mundo e estão no confinamento social, 4 de maio é segunda-feira próxima.