quarta-feira, 12 de dezembro de 2018
Colunistas / Política
Tasso Franco

VOTO ÚTIL pode levar Bolsonaro a ter uma vitória no primeiro turno

Ninguém fala na campanha estadual na Bahia com Rui praticamente reeleito e olhares se voltam para a eleição presidencial
25/09/2018 às 10:49
Jair Bolsonaro
Foto:
   As novas pesquisas Ibope/Rede Globo no Brasil e na Bahia revelam que as eleições estão polarizadas entre Jair Bolsonario (PSL), com 28% das intenções de votos e Fernando Haddad (PT) com 19%, no plano nacional, e que o governador Rui Costa (PT) com 60% das intenções de votos contra 7% de José Ronaldo (DEM) está com sua reeleição assegurada no primeiro turno. 

   Faltando 18 dias para o pleito, o quadro não dá sinais de mudanças à vista, uma vez que Haddad distanciou-se de Ciro Gomes (PDT), 11% das intenções; Geraldo Alckmin (PSDB),7% das intenções; e Marina Silva (Rede) com 6% os três em queda livre eunquanto o candidato petista está em ascensão e pode ainda capitalizar os votos que eram de Lula da Silva (39%) e Bolsonaro, mesmo imobilizado num leito de hospital segue crescendo.

  Os 'bolsonaristas' dizem que o Ibope mascara a pesquisa e seu candidato já ultrapassou dos 30% há muito tempo. Mas isso é choro. Na estratificação da pesquisa Ibope a maior ascensão de Haddad é na região Nordeste, o qual atinge 31% e passou Ciro, e Bolsonaro tem apenas 15%, mas também cresce diante da queda de Ciro. Bolsonaro também vence no Centro-Oste e na faixa de maior renda no país.

  A polarização da campanha também pode ter um desfecho no primeiro turno e isso é o que o PT mais teme, uma eleição de Bolsonaro puxada pela onda 'verde e amarela' e a pregação do voto útil uma vez que os candidatos do centro (Alckmin, Amoedo, Ávaro Dias e Henrique Meireles num total de 13% dos votos, hoje) não vão a lugar algum e esse voto útil pode migrar para o candidato anti-petismo e comunismo. 

  Há uma campanha sórdida nas redes sociais e na TV para desqualificar Bolsonaro, mas, a essa altura isso vale pouco diante da polarização petismo-anti-petismo e tudo o que se diz do capitão há sempre uma resposta contundente. 

   O 'exército' voluntário de seguidores de Bolsonaro é impressionante e gera uma quantidade enorme de informações positivas para ele disseminando-as em todo país. Isso tem um valor agregado imenso, situação que o PT sempre fez bem, em especial, se passar por vitima, mas, que não está no páreo de forma isolada e absoluta.

   Na Bahia, a eleição está definida. Desde a desistência de ACM Neto, o qual cometeu seu maior erro político da carreira, Rui tem sido o favorito e sua intenção de votos só faz crescer. Zé Ronaldo faz uma campanha de marketing equivocada sem atacar o petismo de frente e vai cumprir seu papel político como candidato tampão. No day-after veremos qual seu futuro político.

   A única dúvida que ainda existe é se o candidato ao Senado, irmão Lázaro (PSC) vai quebrar o tabu de décadas elegendo-se. Por enquanto está à frente de Angelo Coronel com 22% das intenções de votos contra 15% de Coronel, mas, ainda faltam 18 dias para o pleito e essa diferença pode desaparecer diante da massificação em torno do voto conjugado, na chapa encabeçada por Rui de forma integral.
 
   Nunca, desde 1986, um candidato ao Senado que não integra a chapa vencedora elegeu-se (TF).