segunda-feira, 24 de setembro de 2018
Colunistas / Política
Tasso Franco

PSB segue na 'muleta' do PT mesmo com exclusão de Lídice da chapa

PSB faz nota de protesto pela exclusão de Lidice da chapa de Rui, mas não desencadeia nenhuma crise na base do governo Rui Costa. Há muita marola e só.
26/06/2018 às 14:01
  A escolha por parte do governador Rui Costa (PT) de Angelo Coronel para concorrer ao Senado não desencadeou crise alguma na base governista como está se propaganda em aluguns veiculos de comunicação. É de direito o PSB da senadora Lidice da Mata protestar, assim como o PCdoB, partidos que são 'muletas' do PT reclamarem. Rui e o PT não vão dar ouvidos a esses protestos porque Lidice foi eleita, em 2010, graças a chapa de Jaques Wagner à reeleição, e o PCdoB teve do PT o apoio para Alice Portugal como candidata a prefeita de Salador, em 2016.

  Em nota, o PSB protesta mas decidiu que vai apoiar a reeleição do governador Rui Costa (PT) e a campanha do ex-governador Jaques Wagner ao Senado, praticando o voto semi-camarão, ou seja, votar na cabeça e meia (Rui e Wagner). Ora, isso já aconteceu em 1986, na eleição de Waldir Pires quando o PT, na época, comandado por Jorge Almeida (Macarrão) praticou o voto camarão votando na cabeça em Waldir, mas, lançando dois nomes ao Senado: Geracina Aguiar e Roque Aras. O resultado foi que Waldir elegeu Rui Bacelar e Jutahy Magalhaes e Geracina obteve 212.079 votos (3.2%); e Aras 134.416 (2.03%).

   Só para lembrar: Waldir teve 2.675.108 (66.95%) x Josaphat Marinho 1.518.220 (30.50%); Rui Bacelar (Senado) 2.037.848 (30.82%) e Jutahy Magalhães 1.885.057 (28.51%). O candidato ao Senado que saiu na inicial como imbatível Lomanto Júnior teve 1. 631.626 (17.11%); e Félix Mendonça (candidato de ACM ao Senado) 1.020.770 (15.44%). 

   Portanto, a decisão preliminar do PSB - a provável candidatura de Lidice a deputada federal só deverá ser anunciada em 2 de julho - em apoiar apenas Rui e Wagner é inócua do ponto de vista eleitoral, uma vez que Rui, forte como está - assemelha-se a posição de Wagner, em 2010 - puxará os dois senadores em bloco ainda mais que Lídice não vai querer ser a Geracina Aguiar de 2018 e ficar sem mandato. 

   Os pontos de vista da senadora na nota do PSB (abaixo) são até relevantes e pertinentes, porém, o PT fisiologista como é de alguns anos, só levou em consideração na escolha de Angelo Coronel a força política e eleitoral do senador Otto Alencar e do PSD no interior do estado.

Abaixo, leia a íntegra do documento:

“Nota pública do PSB Bahia

O PSB da Bahia manifesta publicamente sua indignação e sua total inconformidade com a decisão de excluir da chapa majoritária encabeçada pelo governador Rui Costa o nome da senadora Lídice da Mata.

No momento em que a luta da mulher cresce no mundo inteiro, inclusive no Brasil, o campo progressista apresenta uma chapa só de homens para o eleitorado baiano. Esta exclusão revela um profundo equívoco na condução do processo político.

Entendemos que a reeleição de Lídice seria um direito e um dever da esquerda baiana e brasileira e atenderia a qualquer critério individual ou a um conjunto de critérios adotados.

O critério ideológico na medida em que Lídice sempre, em todas as circunstâncias políticas teve um comportamento de absoluta lealdade com os ideais socialistas e democráticos da esquerda. Além disso, tem representado com a eficiência e dignidade a mulher brasileira na política. Tem sido também a voz de representação dos movimentos sociais e populares, e o critério político porque Lídice em toda a sua história como vereadora, deputada federal, prefeita, deputada estadual e senadora vem sustentando posições coerentes, inclusive ao lado do PT.

Lídice foi a primeira prefeita de capital a apoiar a candidatura de Lula a presidente em 1994. Primeira a apoiar Wagner para governador, antes mesmo que o PT oficializasse essa posição. Como senadora votou contra o impeachment e contra todas as reformas apresentadas pelo governo Temer. Participou ativamente da movimentação contra a prisão de Lula, sendo a única senadora baiana a estar com ele na sede do Sindicato dos Metalúrgicos e na sede da Policia Federal em Curitiba, onde ex-presidente está preso.

Não é sem razão que a senadora Gleisi Hoffmann, o senador Lindbergh Farias, o senador Humberto Costa, a senadora Fátima Bezerra todos do PT e mais o senador Roberto Requião e a senadora Wanessa Grazziotin, manifestaram publicamente o apoio à reeleição de Lídice da Mata. Como senadora, Lídice tem representado os interesses da Bahia no Senado Federal, os interesses do Governo Estadual e das Prefeituras, dos trabalhadores e dos empresários de diversas áreas econômicas do estado, com destaque para o cacau, o turismo, a tecnologia, e a indústrias colocando sempre a educação como seu tema prioritário.

E, por fim, pelo critério eleitoral, em que Lídice desponta com 26% da preferência dos eleitores colocando-se em segundo lugar, logo abaixo do ex-governador Jaques Wagner, com 36%. O deputado Ângelo Coronel obteve apenas 3% da preferência popular.

O PSB da Bahia não terá compromisso com este erro histórico, porém, mais uma vez coerente com a sua própria história, reafirma seu apoio à candidatura de Rui Costa e de Jaques Wagner para Senador da República.

Agradecemos as generosas ofertas do deputado Jutahy Magalhães Júnior, do ex-ministro João Santana e do ex-prefeito João Henrique, mas por um dever de coerência política e ideológica, inclusive ressaltado pelo prefeito ACM Neto, declinamos delas.

Agradecemos ainda a solidariedade pública do PSOL em relação à exclusão da senadora da chapa e a todas as manifestações de apoio a reeleição de Lídice da Mata nas redes sociais, nas ruas, dos militantes de partidos de esquerda, de movimentos sociais e populares, dos estudantes, da Universidade, em especial, ao eleitor, que vêm mostrando toda adesão e confiança no mandato da senadora.

Após o 2 de julho, o PSB marcará uma nova reunião para deliberar os rumos que a senadora Lídice da Mata deve tomar.”propagando em alguns meios de comunicação.