terça-feira, 25 de julho de 2017
Colunistas / Política
Tasso Franco

ONDA DE CRIMES contra mulheres na BAHIA tem número assustador em 2017

Prefeito ACM Neto entregou títulos de terras em bairro da capital; governador Rui Costa foi a Santa Terezinha inaugurar novo sistema de abastecimento de água
06/05/2017 às 19:30
1. Uma onda de crimes contra mulheres jovens está acontecendo na Bahia na última quinzena com mais de 10 assassinatos na capital e no interior. Crimes praticados por homens, ex-maridos, ex-namorados, de uma perversidade sem par e a sociedade, como um todo, parece conformada com isso. 

   2. Não se vê autoridades abordando o assunto, a Comissão de Direitos da Mulher na Assembleia está mais preocupada em criticar as reformas temistas do que qualquer outra coisa, a OAB não comenta, MP eventualmente fala, AMAB idem, a UFBA é mudae, a bancada baiana em Brasília, idem; e as mortes seguem.

   3. Só neste final de semana, até agora, uma mulher foi morta a facadas, em Salvador, na passarela do Iguatemi; uma dona de casa foi assassinada em Araci, Nordeste da Bahia, com 5 tiros; e uma outra mulher foi morta a pedradas, em Coité, como no tempo de Jesus Cristo. Por ironia do destino, o apelido dessa pessoa do Coité era "Flor".

   4. Na semanda passada, duas comunidades pequenas - Jeremoabo e Pindobaçu - viram acontecer dois crimes nunca presenciados. Uma jovem foi assinada pelo ex com tiros e depois qaueimada; e a outra, recebeu 5 tiros numa rua de Pindobaçu, uma comunidade extremamente pacada. Ambas tinham menos de 30 anos de idade.

   5. E, lembrando, que em Salvador, uma outra jovem foi morta com tiro na nuca disparado por arma reservada aos militares. O autor do crime, já citado como suspeito, continua foragido e no bairro de Itapuã todo mundo da rua onde aconteceu o crime sabe quem é ele.

   6. A Poilicia faz o que pode e já desvendou alguns desses crimes predendo os suspeitos e prováveis autores. Há, outros, mais antigos, como o que aconteceu com uma professora em Riachão de Jacuipe, ainda impune. O DPT demorando demais para dar um laudo técnico. Em Alagoinhas, onde foi morta uma enfermeira, a sociedade clama por justiça. 

   7. Aliás, todos clamam por justiça porque os mortos jamais voltarão e os criminosos - uns soltos; outros presos - precisam pagar por seus crimes. E, no caso de Riachão, o suspeito foi preso e foi solto por ordem judicial.

   8. Matar mulher da forma como está se processando virou uma situação banal. Alguma coisa precisa ser feita. A PM com a turma da Maria da Penha faz um bom trabalho e isso precisa ser ampliado, assim como as ampliações das DEAMS e campanhas de conscientizações. Tudo ajuda.

   9. Creio que a única pessoa que ainda fala sobre esse tema na Assembleia Legislativa é a deputada Luiza Maia (PT), justiça seja feita. Na Câmara de Salvador não tenho ouvidos vozes a respeito e na de Feira de Santana, a segunda maior cidade da Bahia, onde tb recenmente foi assassinada pelo ex-namorado uma subtenente da PM, nada se ouve. 

   10. Em Lauro de Freitas também silêncio na Câmara. Uma mulher foi morta dentro de uma academia, recentemente, em plena luz do dia, com vários tiros. Crime idêntico, com outra mulher, também dentro de uma academia, acoteceu em Catu, a jovem de apenas 18 anos morta com 12 tiros. 

   11. Na Bahia, marcha-se por tudo: pela liberação da maconha, pela volta de Jesus, pelos cães e gatos, contra as reformas do governo, por salários, etc, etc, e alguém precisa fazer uma marcha em defesa das mulheres. 

   12. Dá forma que vai, um crime por dia ou quase isso, chegaremos a dezembro com um número assustador de assassinatos.