terça-feira, 23 de maio de 2017
Colunistas / Política
Tasso Franco

CPI do CCB foi vitória paciente da Oposição na estratégia Sandro Régis

A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) lança a convocatória de Ocupação de Pautas Artístico-Culturais dos Espaços Culturais da SecultBA – Ocupe Seu Espaço,
06/04/2017 às 10:22
1. A instalação da CPI do Centro de Convenções da Bahia (CCB) foi uma vitória paciente do bloco da Oposição na Assembleia Legislativa do Estado decisão publicada, hoje, no Diário Oficial do Legislativo pelo presidente da Cassa, Angelo Coronel (PSD). 

   2. Digo isso porque a iniciativa surgiu em setembro de 2016 quando do desabamento da estrutura central do CCB, em obras, e às vésperas de um congresso na área médica na Bahia. Imagina-se que, poderia ter acontecido uma tragédia, se o desabamento acontecesse na semana do Congresso que foi transferido para a Arena Fonte Nova.

   3. Naquele momento, no calor do noticiário e dos debates na Assembleia, surgiu a idéia da CPI e o deputado Sandro Régis (DEM), então lider do bloco, levou os deputados para a frente do CCB (vide foto), convocou a imprensa e anunciou a CPI, naquele dia já com algumas assinaturas. 

   4. Quando a Oposição conseguiu as 21 assinaturas para dar entrada no requerimento na Mesa Diretora, o líder decidiu esperar ou dar um tempo na entrega da papelada, pois, a Mesa era presidida pelo deputado Marcelo Nilo (PSL), notório governista e em campanha preliminar por mais um mandato como presidente. Régis entendeu que o melhor era esperar 2017 porque também já se falava numa candidatura alternativa a Marcelo.

   5. O tempo passou, a base governista PP/PSD lançou dois nomes como pré-candidatos para enfrentar Nilo, o processo foi se afunilando, o nome escolhido foi Coronel e este recebeu, também, o apoio dos 21 deputados da Oposição. Coronel derrotou Nilo depois que o nome do PSL viu faltar-lhe o chão, diante da falta de apoio direta do governador Rui Costa e de uma rebelida do PCdoB.

   6. Coronel eleito e empossado, em fevereiro de 2017, instalou um Colégio de Lideres e anunciou que a ALBA teria uma postura mais independente em relação ao Executivo e ao Judiciário, os outros dois poderes. Ou seja, iria fazer valer a sua condição de Poder Independente.

   7. A Oposição, então, deu entrada no requerimento na semana passada, o parecer da Procuradoria Geral da Casal foi pelo deferimento e a CPI vingou. Deve ser instalada na próxima semana.

   8. Evidente que vai causar embaraços ao governador Rui Costa, o qual terá que defender seu governo, seus técnicos revelando, de fato, porque aconteceu o desabamento, quando foi gasto na obra, quem está pagando o prejuizo, etc, etc. E, o mais sintomático: levantará a questão da construção do novo CCB.

   9. Ora, Salvador não pode ficar sem um CCB, equipamento vital parar atrair eventos e negócios no segmento turismo. O governo ainda não tomou uma decisão onde será o novo CCB (fala-se no Comércio) e quando começará a obra. Salvador tem perdidos eventos para Recife e Fortaleza, na região NE, e se continuar sem CCB o turismo afundará ainda mais.

   10. Os órgãos do turismo no Estado foram entregues seus comandos a dirigentes indicados por políticos, do PR e do ex-deputado Marcos Medrados, quando essas esrtruturas deveriam ser 'tocadas' por profissionais dessa área, um segmento bastante competitivo em todo mundo.

   11. Vê-se, pois, que o governo enfrentará algunas desgastes.