sexta-feira, 05 de junho de 2020
Colunistas / Política
Tasso Franco

O FALSO BRILHANTE DA UPB e a disputa para 2018 Rui-Otto-Neto (TF)

A eleição na UPB foi uma vitória de Otto Alencar
26/01/2017 às 17:36

   1. A União dos Municípios da Bahia (UPB) tem um novo presidente: o prefeito de Bom Jesus da Lapa, Eures Ribeiro (PSD), eleito nesta quarta-feira (25) com 206 votos. Seu adversário, o prefeito de Euclides da Cunha, Luciano Pinheiro (PDT), obteve 139 votos. Outros 82 prefeitos baianos não compareceram para a votação. Abstenção alta.

   2. A UPB tem uma dimensão política além do que ela representa de fato. Que se saiba, nunca elegeu um governador. Que o diga Jaques Wagner, em 2006, eleito em primeiro turno, pelo PT, quando UPB e outras entidades eram contra. Salvador, que é o principal municipio, teve às eleiões dos últimos 3 prefeitos, Antonio Imbassahy, João Henrique e ACM Neto, sem a menor influência da UPB.

   3. O único governador eleito com a bandeira municipalista foi Antonio Lomanto Jr, em 1962, quando sequer existia a UPB. Lomanto era prefeito de Jequié e enfrentou a então elite política baiana do PSD, de Waldir Pires, com o slogan "Municipalista, filho de agricultur/ É amigo do pobre/ irmão do trabalhador". E cumpriu o prometido: foi um governador municipalista, o CIA e a Estrada do Feijão que o digam, entre outras realizações.

   4. Eures Ribeiro era deputado apagado pelo PV no governo Wagner e elegeu-se prefeito de Bom Jesus da Lapa, justo contra as forças do então presidente da UPB, Roberto Maia, tido como um gestor pouco cuidadoso. Euler ganhou fácil em BJL e fez um governo austero, mudou de partido para seguir a liderança de senador Otto Alencar, uma espécie de 'segundo Lomanto' na área municipalista e reelegeu-se prefeito em BJL.

   5. Nada mais justo, numa safra de prefeitos dos quais poucos se reelegeram, lançá-lo presidente da UPB. E foi isso que Otto Alencar, ao que se diz pretenso pré-candidato a governador, em 2018, fez. Em principio, parecia que seria um candidato consensual. Acontece que ACM Neto também quer ser governador e lançou ou pelo incentivou a candidatura alternativa de Luciano Pinheiro, que é de partido da base do governador, o PDT, mas, 'carlista'.

  6. Claro que Neto sabia que não iria ganhar. Como, aliás, sabe que não ganhará na Assembleia Legislativa, onde, até agora, salvo o deputado Targino Machado (PPS), a oposição ainda não definiu seu candidato. Nesta quinta-feira, 26, Marcelo Nilo, faz almoço com os deputados que o apoiam. É provável, como aconteceu na UPB que Neto mande apoiar o adversário de Nilo, com o objetivo (caso idêntico da UPB) que não haja consenso na ALBA.

   7. Esse é o jogo visando 2018. O governador Rui Costa, o qual discretamente apoiou Eures, também faz o mesmo com Marcelo Nilo, tanto que a bancada do PT já formalizou apoio a Nilo. E, pasmem os senhores! O adversário de Nilo é aliado de Otto Alencar. Jogo de xadrez é pouco.
                                                                                       ******