quarta-feira, 23 de outubro de 2019
Colunistas / Política
Tasso Franco

RUI e Neto medem forças no Carnaval quando deveriam unir as forças

Estado e Prefeitura de Salvador fazem ações diferenciadas no Carnaval
31/01/2016 às 20:33
 1. Em ano eleitoral, a disputa por espaços na midia e junto à opinião pública já são mais intensas nesse pré-Carnaval e deverão ficar ainda mais fortes durante o reinado de Momo que começa na próxima quarta-feira, 3, entre o governador Rui Costa (PT) e o prefeito ACM Neto (DEM). 

   2. Ontem, em Conquista, Rui fez criticas ao comportamento da Rede Bahia por ter atitudes de dois pesos e duas medidas quando critica o governo do PT e alivia o DEM, e criticou diretamente a educação infantil em Salvador, na gestão ACM Neto; o prefeito, na inauguração de obras na orla do Rio Vermelho deu o troco e, sem citar nomes, disse que o seu lado é o do trabalho; e o lado de lá, da corrupção e do petrolão.

   3. Recados mais diretos nem precisam para a compreensão do mundo político. O que também já presenciamos nessa fase do pré-Carnaval, do lançamento dos projetos, dos investimentos, das atrações e outros, foi uma disputa intensa entre o governador e o prefeito fazendo coletivas no mesmo horário numa espécie de birra, onde o folião e a opinião pública ficam como massa de manobra.

   4. Ora, o correto seria, usando uma expressão de Marcos Medrado 'unir forças' dos dois dirigentes públicos somando as ações na convergência de programas que visem o bem estar dos foliões. Mas, o que vemos, é cada qual dizendo que vai fazer melhor do que o outro, o que também não deixa de ser bom para o folião, mas, promove uma divisão política numa festa da cultura popular, a mais importante do estado.

   5. Tudo isso no momento em que Salvador é apontada como a segunda cidade mais violenta do país (só perde para Fortaleza) e uma das mais violentas do mundo. Nesse caldo de cultura, o Estado já anunciou que vai investir não sei quantos milhões na segurança colocando mais de 20 mil policiais nas ruas e praças. Assustador. Nem Rio e SP têm tamanho aparato de segurança.

   6. A Prefeitura, de sua parte, já que não fala com o Estado como parceiro, complica ainda mais essa logistica promovendo pré-Carnavais neste sábado (Fuzuê) e no domingo (Furdunço) e antecipando o reinado de momo de quinta para quarta-feira, além de atuar em 15 bairros. Essa logística para a PM, mesmo com toda sua experiência, é um complicador.

   7. A situação só não está pior porque o circuito Arfódromo de Carlinhos Brown não vingou no Comércio, na Cidade-Baixa, o que seria ainda pior fazendo com que a segurança tivesse dois planos (cidade alta e cidade baixa) para tomar conta.

   8. É isso: que o Carnaval transcorra em harmonia, em paz e que os políticos em vez de praticarem a divisão, se unam em prol da cidade e do seu povo.