quarta-feira, 16 de outubro de 2019
Colunistas / Política
Tasso Franco

IBOPE: Eleitores de Dilma e Otto estão votando em Souto

Veja o que aponta a pesquisa do Ibope
25/09/2014 às 11:20
A nova pesquisa Ibope divulgada pela TV Bahia não trouxe mudanças substanciais no quadro que este instituto vinha apontando na corrida sucessória baiana, Paulo Souto (DEM) com 43%; Rui Costa (PT) 27%; Lidice da Mata (PSB) 7%; outros 2%. 

   A rigor, considerando a margem de erro, ficou no mesmo, pois, Souto tinha 46% e caiu para 43%; e Rui tinha 24% subiu para 27%. Claro que, se esse tendência continuar, Souto perdendo 3 pontos e Rui subindo 3 pontos aí pode-se vislumbrar mudanças.

   Acontece, também, que Rui deu um salto de 9% entre 27/agosto a 10/setembro; e agora seu ritmo de crescimento foi menor, de 3%, entre 10/setembro e 24/setembro.

   Ainda faltam 10 dias para as eleições e a seguir nesse ritmo se não houver algo novo que possa modificar esse quadro, Paulo Souto teria sua eleição garantida no primeiro turno. 

   Veja que a senadora Lidice da Mata, a qual poderia ajudar a Rui levar a eleição para o segundo turno está sendo desidratada pelo PT, segundo depoimento que ela própria deu esta semana, dando conta de que a máquina governamental avança sobre seus redutos (prefeitos) e leva tudo de roldão. A candidata ao Senado, Eliana Calmon, ontem, em Irecê, chegou a criticar duramente os integrantes do PSB dessa base municipalista que se deixam ser cooptados pela "máquina".

   Outro dado relevante na pesquisa Ibope aponta que a avaliação do governo Wagner continua baixa com apenas 29% de ótimo/bom; contra 26% de ruim/péssimo; e um grau de desconfiança muito alto de 41% de regular. O quadro em relação a pesquisa divulgada no dia 10/9 tem oscilação para baixo nas avaliações boa/ótima (dois e um ponto percentuais para menos), crescendo o regular em 2% positivos. Ou seja, aumentou a desconfiança no governo Wagner.

  Fato curioso é que, em relação as intenções de votos para a presidente Dilma Rousseff ela cresceu 2 pontos percentuais saltando de 50% (10/setembro) para 52% (24/9); Marina despencou de 28% para 23%; e Aécio subiu de 9% para 11%. 

  Outro detalhe é que, para o Senado, embora os números estejam na margem de erro, Geddel Vieira Lima (PMDB) caiu de 36% para 33%; Otto Alencar subiu de 27% para 29% e Eliana Calmon se manteve em 4%. Para o Senado, ao contrário do pleito para o governo onde o número de indecisos, hoje, se situa em 11%, os indecisos são 18%. Mas, registre-se, também, que a evolução de Otto nesta semana foi baixa (2%) em relação a semana anterior (10%).

   Veja, portanto, que Otto Alencar tem um número de intenções de votos superior a Rui (29%x27%) o que denota uma força mais do candidato ao Senado da coligação comandada pelo PT, do que o inverso. 

   Normalmente, no pleito majoritário, e historicamente falando na Bahia, quem puxa a eleição do senador (aconteceu com Pinheiro e Lidice na última eleição) é o candidato a governador e não o contrário.
Mas também é óbvio que o PT, mesmo sabendo que Otto era um nome mais conhecido na Bahia e com densidade eleitoral mais forte não o escolheria candidato a governador, uma vez que este partido tendo eleito o chefe do executivo por duas vezes, em primeiro turno, teria toda a prioridade de indicar um nome petista. A realidade, no entanto, hoje demonstrada na pesquisa Ibope é de que o nome de Otto era mais competititvo do que o de Rui.

  Salta aos olhos, ainda, a performance da presidente Dilma com 52% na Bahia, ou seja, 1% a mais do que tem na região Nordeste (51%), com Marina 22% e Aécio 11%, isso no Nordeste como um todo. 

   Daí que, hoje, Dilma vem a Feira de Santana para dar uma força na campanha de Rui pois a presidente se tornou um cabo-eleitoral mais importante do que Wagner na corrida sucessória baiana. 

   Vê-se, também, que, com a queda de Marinha de 28% nas intenções de votos na Bahia para 23% dificilmente ela ajudará a senadora Lidice da Mata, a essa altura da campanha, sem ter mais forças para alcançar Rui.

   O que podemos concluir nesse caldo de cultural eleitoral da Bahia é que, eleitores de Dilma (e até de Otto) estão votando neles, mas, cravando para governador Paulo Souto.