sexta-feira, 05 de junho de 2020
Colunistas / Política
Tasso Franco

CHAPA das Oposições na Bahia vira modelo de alianças para AÉCIO Neves

Governador Wagner, Sec da SSP, Maurício Barbosa, e o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Alfredo Castro, apresentam, nesta sexta-feira (11), às 9h, na Gov o Plano de Modernização da PM
11/04/2014 às 10:40
1. Quinta-feira de euforia nas hostes das oposições (DEM/PSDB/PMDB/PV/PTN/PPS e outros) diante da composição da chapa Paulo Souto (a governador, DEM), Joaci Góes (a vice-governador, PSDB), e Geddel Vieira Lima (a senador, PMDB). Chapa competitiva e que tem a coordenaçãoa política do prefeito ACM Neto, a estrela mais importante desse grupo e maior cabo eleitoral.

   2. Souto vem de duas derrotas seguidas contra Wagner, em 2006/2010, ambas no primeiro turno. Mas, na atualidade há detalhes importantes a considerar, a eleição de ACM Neto como prefeito da capital, em 2012; a saída da senadora Lidice da Mata da base governista de Wagner, em 2013; a união Souto/Geddel (em 2010, sairam separados a governador e cada qual teve pouco mais de 1 milhão de votos), e o fato do candidato do PT/base ser Rui Costa, sem o carisma de Wagner, ainda que amparado por este.

   3. Ademais, há a natural chamada fadiga de materiais do governo do PT, o governador Wagner atravessando enormes dificuldades de caixa na Sefaz e querendo antecipar receita dos royaltties do petróleo, até 2016, e as turbulências que passa o governo Dilma Rousseff, com inflação em alta, Petrobras na alça de mira, economia estagnada e a pouca atenção que ela tem dado aos políticos.
 
   4. No entanto, tudo ainda é muito cedo, mesmo nas preliminares porque as convenções partidárias só se darão em até 30 de junho próximo e, evidente, se Dilma estiver numa situação que possa perigar o projeto do PT no país, será substituida por Lula.

   5. É preciso inserir nesse contexto o caso da Bahia uma vez que, hoje, é a jóia da coroa petista nos estados com Wagner governador, próximo de Dilma e ainda mais próximo de Lula. Daí, como já disse o candidato tucano a presidência, a Bahia, 4º maior colégio eleitoral, fechou uma aliança DEM/PSDB/PMDB, situando que esse é também o caminho para outros estados da federação, obviamente, observando as peculiaridades de cada qual.

   6. O governador Jaques Wagner disse que a chapa formada pela oposições já era esperada e não se mostrou surpreso. Claro que o governador tem quer dar uma declaração nesse sentido, até para poder passar uma ambiente de tranquilidade na base governista. Mas é óbvio que o governador ficou surpreso com a composição da chapa, tanto que, lá atrás, havia profetizado que as oposições teriam mais dificuldades de montar a chapa do que ele. 

   7. "Eles fizeram uma composição que já era esperada com o DEM, PMDB e PSDB. Nós vamos jogar o jogo com a chapa que eles montaram. Eu sempre disse isso. A nossa chapa está montada e com a base totalmente unificada", disse Wagner.

   8. Nem tanto, ainda falta agregar o PDT e lideranças da base que não estão confiando no desempenho de Rui Costa. Por isso mesmo, Wagner afirmou que espera que a campanha da oposição invista na apresentação de projetos. "Vamos ver aquilo que os adversários vão apresentar. Mas eu espero que a campanha seja em torno de ideias e projetos para Bahia, sem ter ataques pessoais. Acho que a política já passou dessa fase".

   9. O governador também aproveitou para elogiar Rui Costa. "Ele tem uma taxa de desconhecimento muito alta, o que é positivo para qualquer campanha. Tem 50% (da população) que precisa conhecer Rui Costa. Mesmo sendo conhecido por apenas 50%, ele já atinge uma indicação que eu acho bastante positiva para esse período (da campanha). Estou muito seguro que temos um bom grupo político".

   10. O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, reuniu-se, nesta quinta-feira (10), com a bancada tucana em São Paulo. No encontro, o senador destacou a importância de São Paulo na construção do projeto nacional do partido nas próximas eleições e anunciou a aliança firmada entre o PSDB, DEM e o PMDB nas eleições estaduais na Bahia. Aécio Neves disse que trabalha pela união de forças políticas em todo país.

   11. As declarações de Aécio: “Acabamos de fechar uma chapa extremamente forte na Bahia, o quarto colégio eleitoral que terá como candidato a governador, o ex-governador Paulo Souto e, como candidato ao Senado, o companheiro ex-deputado Geddel Vieira Lima. Uma aliança do PSDB, do Democratas e do PMDB, que é uma demonstração de que também teremos apoio de siglas dissidentes do governo, que hoje apoiam o governo da presidente Dilma, mas que, em determinados estados, teremos apoio de segmentos dissidentes. Os palanques estão se solidificando. É hora de avançar”, disse.
 
   12. O senador tucano marcou para o final de maio a definição sobre os nomes que comporão a chapa que disputará em outubro a Presidência da República. “Este é o mês das definições. A partir do final de maio, a chapa será apresentada”, afirmou.

   13. Ainda nesse contexto Bahia/Brasil está faltando agora a conclusão da chapa da senadora Lidice da Mata (PSB/Rede). As dificuldades para Lidice cresceram porque tem pouquissimo (ou quase nenhum espaço) para alianças e seu tempo é curto na TV. De toda forma, quem há de bater em Lídice?

   14. A senadora tem votos e muitos na classe média das grandes cidades e será importantissima para um segundo turno.