quinta-feira, 04 de junho de 2020
Colunistas / Política
Tasso Franco

Rui Costa em campanha desafia a lei eleitoral no estado

Segundo a lei eleitoral campanha só a partir de 7 de julho
10/03/2014 às 11:37
1. O secretário da Casa Civil do governo do Bahia, Rui Costa (PT), está em campanha para governador. A lei eleitoral é clara: campanha só pode começar a partir do dia 7 de julho. Mas, ainda assim, com existem brechas na lei quanto a participação de governadores e secretários em campanhas, Rui traçou como estratégia percorrer todo o Estado para debater o que classifica de "governo participativo", o que se configuraria como apenas pré-campanha e não a campanha propriamente dita com cartazes, carros de som e assim por diante, o que só é permitido após as convenções partidárias.

   2. E difícil dissociar o que é agente público, caso de Rui e Otto Alencar, ambos secretários de estado, e políticos sem esse carimbo. Estariam Rui e Otto viajando de avião pagos pelos seus partidos PT/PSD ou pelo governo? Hoje, pelo twitter, o secretário de comunicação, Robison Almeida, candidato a deputado federal pela PT postou uma foto num avião, ele e Marcelo Nilo e outros indo para Juazeiro, local de um encontro do "governo participativo". E daí? Daí que, se alguém quiser protestar que vá a Justiça Eleitoral.

   3. Segundo nota do deputado Valmir Assunção, PT, presente em Juazeiro, "o projeto construído pelo Partido dos Trabalhadores para agregar a participação da sociedade na construção do plano de governo do pré-candidato Rui Costa ao governo da Bahia segue seu curso no interior do estado. Neste domingo (9), em Juazeiro, foi a vez dos territórios de identidade Sertão do São Francisco e Piemonte Norte do Itapicuru conhecerem a metodologia que será implementada durante 60 dias para saber os anseios das regiões. 

   4. O deputado federal Valmir Assunção (PT-BA), presente ao evento, foi homenageado pelo pré-candidato ao Senado, Otto Alencar, e disse que o partido vai se debruçar sobre as demandas para avançar “ainda mais nos investimentos em municípios e zonas rurais”.
 
   5. “Não existe um só agente mobilizador nesse processo. Estamos envolvendo todos os partidos da base, os movimentos sociais, as frentes de atuação de diferentes assuntos, todos em torno desse projeto. A intenção maior disso é aproximar, cada vez mais, o partido e o governo dos baianos, mesmo os que vivem mais distantes dos centros urbanos. 

   6. - Foi assim nos dois governos de Lula, é assim com Dilma e aqui na Bahia com Wagner, que favoreceu esse ambiente de diálogo. Os pré-candidatos Rui Costa [governador] e Otto Alencar [senador] estão apenas no início de um ciclo de trabalhos que segue até o final do mês”, pontua Valmir Assunção.

   7. Já o deputado Marcelino Galo, PT, também em nota diz que "nunca antes" o PT usou uma plataforma tão democrática para debater um governo. Galo sequer considera as duas campanhas de Wagner (2006/2010) e destaca que, somente agora, com Rui, é que o PT está, de fato, debatendo com as comunidades uma pré-campanha de governo participativo. 

   8. Obviamente que, com essa estratégia, Rui está à frente dos demais pré-candidatos: a senadora Lidice da Mata (PSB/Rede) com uma microestrutura; Geddel Vieira Lima (PMDB), sem poder andar como queria diante das indefinições das oposições em torno da unidade; e Paulo Souto, provável candidato do DEM, pelo menos já anunciado pela cúpula nacional do seu partido.

   9. Como Rui está livre e solto já sacramentado pelo governador Wagner e pela base, em Juazeiro o comando municipal é do PCdoB e o prefeito Isaac esteve presente no encontro com Rui, este avança. 

   10. Segundo o que se institula de Programa de Governo Participativo (PGP) e até os releases da pré-campanha Rui estão assinados por esta sigla, em mais 60 dias quando então fecha-se o programa e parte-se para uma nova etada da pré-campanha. Até lá, meados de maio a início de junho, acreditam os petistas que Rui avança na tabela dos preferenciais nas pesquisas de opinião.