segunda-feira, 23 de setembro de 2019
Colunistas / Política
Tasso Franco

SUCESSÃO DE WAGNER e os dois piores prefeitos do país

Lidice da Mata e João Henrique foram considerados os piores prefeitos do país em suas épocas e querem ser governadora (r) da Bahia
28/01/2013 às 17:15

Na corrida sucessória 2014, na Bahia, os ex-prefeitos de Salvador, João Henrique (PP) e a atual senadora pelo PSB, Lídice da Mata, revelam que são pré-candidatos a governador (a). 


   Causa no mínimo admiração tal desejo uma vez que ambos, em suas épocas, Lídice eleita pelo PSDB para o período 1993/1996; e JH eleito pelo PDT para 2005/2008; e reeleito pelo PMDB para 2009/2012 foram considerados pelo Instituto DataFolha diante de avaliações comparativas com outros prefeitos de 12 regiões metropolitanas, os piores do país.

   Evidente que, ambos, têm o direito de pleitear tal pretensão. No entanto, a julgar por seus desempenhos administrativos deveriam, no mínimo, ter precauções diante do eleitorado, pois, os baianos, de curta memória, todos sabemos, não seriam tão abestalhados a ponto de conduzirem a Ondina gestores dessa natureza.

    Seria cometer novos enganos e isso seria muito ruim para o estado, hoje, administrado pelo PT, o governador Jaques Wagner em segundo mandato, ainda sem fazer uma gestão a altura do que se esperava e por desejo expresso da população em duas oportunidades eleitorais, 2006 e 2010, mas, de todo modo, conduz o Estado de maneira a cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal e dentro de uma concepção democrática, com projetos estruturantes para o futuro.

    A senadora Lídice após o desastre que foi sua gestão em Salvador conseguiu redimir-se junto ao eleitorado da capital e depois da Bahia, elegendo-se deputada estadual, deputada federal e senadora, no primeiro caso atribuindo seu fracasso a uma perseguição imposta por ACM, o qual boicotara sua administração junto ao governo do então presidente José Sarney; e no segundo caso, diante da desistência de César Borges, o qual por convite de Wagner não aceitou participar da chapa majoritária do PT, como candidato a senador, em 2010.
  Ora, não se pode negar que houve boicote de ACM ao governo Lidice. Mas também é bom situar que, dever de casa, limpar a cidade, administrar sem inchar a máquina de servidores não concursados (só na Limpurb tinha 4.000), cuidar da educação e da saúde, são deveres do prefeito independente de qualquer situação. É o ABC da Prefeitura e nem isso Lidice conseguiu.

   O caso JH foi tão dramático quanto Lidice, com a agravante de ter ficado na Prefeitura durante 8 anos, deixando a cidade desestruturada, sem identidade, sem autoestima, numa situação muito critica, hoje, sendo ajustada pelo novo prefeito ACM Neto, o qual ainda não revelou o total dos débitos em atraso estimados em mais de R$500 milhões.

   Lídice e João Henrique integram a base do governo Wagner, PSB e PP. É de se supor que o PT, partido que tem a prioridade natural para lançar um sucessor de Wagner, tenha nomes melhores e capazes de disputar a sua vaga e possam fazê-lo em nome da base governista integrada, também, pelo PCdoB, PDT, PR, (namorando o PSC), PSL, PTB e outros.
   
   Daí, portanto, a nossa preocupação com tais possíveis candidaturas ao governo do Bahia desses dois ex-prefeitos, os piores do país em suas épocas.