segunda-feira, 23 de setembro de 2019
Colunistas / Política
Tasso Franco

Vereador Paulo Câmara deve ser o novo presidente da Casa

Negociações marcham para que o tucano seja o único candidato da base governista
01/12/2012 às 10:57
1. Ao que tudo indica o vereador Paulo Câmara (PSDB) deverá ser anunciado nas próximas horas como candidato à presidência da Câmara de Vereadores no bloco governista, do prefeito eleito ACM Neto. As informações não são oficiais, mas, Câmara caminha para ser o candidato único do bloco evitando, assim, as fraturas e a miscelância de pré-candidaturas, o que ensejou, na medida de sua legitimidade que a oposição se articulasse em torno de um nome, o vereador Henrique Carballal, PT, com apoio de prováveis "esquemas" governamentais.

   2. O que circulou na Câmara é de que foram oferecidos cargos na Conder e Codeba para próceres do PSC e PSL, conversa dos próprios vereadores, em bastidores, mas, as relacões institucionais (diz-se a mando de Wagner) erraram no alvo na medida em que jogaram algumas de suas caras em Carballal, vereador petista, o qual não agrega em torno de sí companheiros do próprio PT, membros do PCdoB e PSB. 

   3. Na atual legislatra o que disseram Alcindo da Anunciação (PT) e Aladilce Souza (PCdoB) sobre a personalidade politica de Carballal, ora petista nato; ora a negociar com o Tomé de Souza não recomenda que fosse o nome mais indicado numa tarefa nova e desse porte, sobretudo levando-se em conta de que, ACM Neto, já dito neste site "é jovem na politica mas não é menino" para engoliar um sapo deste tamanho logo no inicio do seu governo.

   4. Daí que, as forças governistas teriam acordado, e, hoje, diria que o nome mais agregador nesse campo, que pode ser a Maioria na Casa, é Paulo Câmara, vereador em terceiro mandato, habilidoso, circula bem em todos os segmentos partidários, e confiável a Neto.

   5. Também tenho dito neste site que ACM Neto deve ficar de olhos mais atentos às manobras que estão sendo feitas pela secretaria de Saúde do Estado e por segmentos dos filantrópicos para esvaziar a gestão plena municipal, o que já aconteceram com a OSID e o HUPES; e por petistas da bancada federal que tentam boicotar sua gestão desde já, especialmente Nelson Pelegrino. Foi, aliás, o que se viu no episódio das emendas para a capital, necessitando de uma votação, caso raro na bancada.

   6. Bem assim, sobre a desastrosa administração João Henrique. Ou Neto fala logo agora sobre esses episódios, colocando uma advertência, ou sofrerará o pão que o diabo amassou sem uma manteiguinha e sem sal. Se carimbar logo agora sua posição, pelo menos atravessará o Rubicão com um pão mais digerível, ainda assim, amargo. Esperar o apoio do PT e Wagner a sua gestão, em nome da cidade, só se for em conto de carochinha.