sexta-feira, 03 de julho de 2020
Colunistas / Política
Tasso Franco

SEGUNDO PARTIDO QUE MAIS PERDEU EM SALVADOR FOI PCdoB

PCdoB perde sua voz mais influente na Câmara de Vereadores de Salvador
31/10/2012 às 15:14

O segundo partido que mais perdeu nas últimas eleições municipais, em Salvador, foi o PCdoB. Digo isso porque fica sem sua voz mais influente na Câmara de Vereadores, Olivia Santana; derrapou ao aceitar a retirada da pré-candidatura da deputada Alice Portugal para servir como força auxiliar do PT depois de assegurar inúmeras vezes, como aconteceram em discursos na Assembleia Legislativa, do deputado Álvaro Gomes, de que se tratava de uma candidatura irreversível; teve imensas dificuldades em eleger seus vereadores conseguindo apenas dois (Alaldice e Everaldo), com baixas votações porque os candidatos nesse campo sofreram com a falta de uma candidatura majoritária própria; e consolida a marca de permanente força auxiliar do PT.


   Certamente, o principal erro político do PCdoB foi não ter levado adiante, no 1º turno, a candidatura da deputada Alice Portugal, uma personalidade política bastante conhecida em Salvador, atuante, vibrante, determinada, a qual poderia ter sido uma voz diferenciada na campanha entre os seis candidatos que participaram do 1º turno. 
Alice, como mulher e teses menos conservadoras, faria a diferença e teria chances de pontuar acima dos percentuais dos candidatos do PRTB/PSOL e PRB ombreando-se com o candidato do PMDB, ou quem sabe, um pouco mais, na casa dos 10%.

   Imaginar que nesse contexto ela tiraria somente votos de Pelegrino, como chegou a se falar, ninguém pode afirmar isso ao certo, digamos, cientificamente, mas, em compensação se pode dizer com alto grau de certeza que sua candidatura própria beneficiaria os candidatos a vereadores (Oliveira poderia ter sido eleito) e o PCdoB deixava a pecha de ser uma força auxiliar do PT. 

   Diz-se que o PT fez um esforço enorme em Juazeiro para apoiar à reeleição do prefeito Isaac, rifando o deputado petista Josepht Bandeira, e isso tem até algum sentido, mas, não se pode comparar a força política de Salvador com a de Juazeiro.
Alice, no nosso entendimento, perdeu uma grande chance de expressar suas idéias e pontos-de-vista sobre a cidade e ser testada na condição de candidata numa chapa majoritária, ela que sempre se apresentou ao eleitorado nas disputas proporcionais (deputados/as).

   O PCdoB perdeu Olivia Santana na Câmara e há de se dizer que, quem não arrisca não petisca, pois, se Pelegrino fosse o eleito estaria ela, hoje, vice-prefeita. Mas, o PCdoB sabia, também, desde o inicio da pré-campanha que a disputa com o deputado ACM Neto seria duríssima, dado que desde os primórdios, quando se falava em outros nomes para vice de Pelegrino (Marcos Medrado, Alan Sanches, etc), Neto pontuava na casa dos 40% de intenções de votos.

   Olívia, de certa forma, salvo nas caminhadas com Pelegrino pelos bairros e nas placas de ruas, teve pouco espaço na TV, não era lembrada pelo petista nos debates, e apareceu pouquíssimo nos programas eleitorais.

   Ainda assim, diria que Olivia Santana, a médio prazo pode ser beneficiada por essa campanha em Salvador diante da quantidade enorme de votos da chapa (623.734) e terá, adiante, sua melhor oportunidade de chegar a Assembleia Legislativa, desde que o PCdoB lhe trate como prioritária, e o PT lhe ajude, em parte, numa dobradinha com Pelegrino (federal/estadual)

   Na Assembleia Legislativa o PCdoB tem três deputados – Álvaro Gomes (o mais antigo), Kelly Magalhães e Jean Fabrício (ambos novatos) e, de acordo com o mapa eleitoral brotado das urnas municipais, Kelly que foi vice de Jusmari em Barreiras e perdeu a eleição, terá dificuldades em reeleger-se deputada se Jusmari sair também candidata, sobretudo levando-se em consideração que o prefeito eleito, Antonio Henrique, certamente vai colocar sua esposa Antonia Pedrosa, a qual já foi deputada, disputando mais uma vez pelo PP.

   Álvaro Gomes já teve dificuldades em eleger-se, em 2010, embora o segmento do sindicalismo bancário, no qual está integrado, tenha eleito Everaldo para a Câmara de Salvador com 5.000 votos. Numa eleição proporcional de deputado isso conta pouco.

 Jean Fabrício sai fortalecido em Conquista pois retirou sua candidatura a prefeito apoiando Guilherme Meneses, PT, reeleito, e certamente o PCdoB será contemplado com cargos municipais e Jean tem tudo para crescer seu eleitorado, em 2014, mesmo Conquista tendo um candidato petista preferencial de Guilherme, que é José Raimundo.
Então, dito assim, há um enorme espaço para Olivia Santana caminhar e chegar a Assembleia.

   Quanto a eleição majoritária de 2014, o PCdoB não terá força para integrar a chapa que deverá ser encabeçada pelo PT diante dos três grandes aliados da base governista: o PSD, partido que já tem o vice-governador Otto Alencer, o PP de Mario Negromonte e João Leão e o PDT de Brust e Marcelo Nilo.

   Ao que tudo indica, Daniel Almeida e Alice Portugal vão peregrinar votos para manter seus mandatos na Câmara Federal.