sexta-feira, 10 de julho de 2020
Colunistas / Política
Tasso Franco

SALVADOR E CONQUISTA TÊM ELEIÇÕES MAIS DISPUTADAS DOS ÚLTIMOS 16 ANOS

vide
27/10/2012 às 10:38
1. Faltam 48 horas para o "roncar" das urnas em Salvador e Vitória da Conquista, as duas cidades baianas que terão segundo turno, no domingo próximo. Tanto em Salvador; quanto em Conquista tem-se as eleições mais disputadas dos últimos 16 anos. Não arriscaria dizer quem venceria os pleitos dado que, embora ACM Neto tenha vencido o 1º turno com pequena margem para Pelegrino; e Guilherme Meneses vencido Hérzem Gusmão com 9% do eleitrado, não existem indicadores de que, quaisquer dos dois esteja com diferença acentuada para os seus adversários.

   2. Historicamente, revelamos com base nos dados das outras eleições em Salvador, que o atual pleito é o mais disputado, imprevisivel. Em 1996, Antonio Imbassahy (PFL) ganhou a eleição no 1º turno contra Pelegrino (PT) e outros diante da desastrosa administração Lidice da Mata, eleita pelo PSDB para o período 1993/1996. Lidice era a prefeita pior avaliada do país entre as de Regiões Metropolitanas.

  3. Em 2000, com gestão bem avaliada, a melhor do país entre os prefeitos de RMs, Imbassahy foi reeleito no 1º turno, novamente contra Pelegrino e outros. Em 2004, o PFL titubeou no lançamento do candidato (César Borges) e João Henrique (PDT) venceu no 1º turno com boa diferença para os demais 43%x23%. Foi para o 2º turno já eleito. De quebra teve apoio de Lidice e Pelegrino: resultado 75% (JH) x 25% (César).

  4. Em 2008, quando se imaginava que João não iria para o 2º turno, eis que, já no PMDB alcançou esse patamar na disputa contra Walter Pinheiro (PT), com Lidice na vice. Houve, nessa eleição, três nomes com equilibro de forças: Pinheiro, ACM Neto e JH. Quando ACM Neto apoiou JH, adeus Pinheiro. E, todo mundo soube, com bastante antecedência que JH seria reeleito.

  5. Agora o quadro é diferente porque faltou uma terceira força no processo, ACM Neto com 40% x 39% de Pelegrino, MK veio em terceiro com 9% e uma dissidência interna no PMDB, MK apoiando Pelegrino no 2º turno; e o PMDB (o partido, os vereadores) com Neto. A campanha chega ao seu final sem os desquilibrios de 2004/2008 e sem uma força hegemônica como foi Imbassahy em 1996/2000. Pode dar um ou outro.

  6. Em Conquista, embora Guilherme Meneses (PT) tenha colocado uma frente de 9% dos votos, a eleição ganhou um fator surpresa que foi o fato de Hérzem Gusmão (PMDB) ter ido ao 2º turno. Ninguém esperava isso. Daí que, Guilherme mesmo com o apoio de Abel (PDT), um dos responsáveis por levar pleito ao 2º turno, há um sentimento de mudança na cidade e um equilibro de forças. Pode dar um ou outro.