sexta-feira, 10 de julho de 2020
Colunistas / Política
Tasso Franco

POLITICO BOM É AQUELE QUE PROMETE COISAS MIRABOLANTES

Veja as novas promessas desta campanha em Salvador
22/09/2012 às 22:00
oto: Arquivo
Paulo Gracindo construiu o cemitério de Sucupira e virou sinônimo de politico-promessa

   O quadro é antigo e já foi retratado na TV: o povo adora promessas dos politicos. E, claro, só vota em candidato que promete bastante. Candidato carrancudo que não promete nada, não serve.

   O personagem símbolo do mundo das promessas dos políticos foi criado por Dias Gomes, baianissimo, em "O Bem Amado", com Odorico Paraguaçu vivido pela primeira vez em 1969 por Procópio Ferreira, Teatro Santa Isabel, Rio, e depois na TV por Paulo Gracindo, prefeito de Sucupira o qual, preocupado com os defundos de sua cidade que eram enterrados noutra city, resolve construir um cemitário.

   Deus! Obra depois de pronta não morria ninguém e surge situações bastante cômicas. No final, Zeca Diabo mata Odorico, o qual acaba estreando o cemitério. 

   Como estamos na safra das promessas de campanhas, normalmente, os politicos depois de eleitos fazem o que querem. Tudo bem. Mas aí é outra história. 

   Veja o que aconteceu com o prefeito João: prometeu que lutaria contra os abusos do "chupa-cabra" (radar que multa veiculos) e encheu a cidade de radares para arrecadar mais. Prometeu foco no turismo e a cidade afundou. Recentemente, o prefeito prometeu um parque aquático espetacular com piscina olimpica e tudo mais, na antiga sede do Bahia, na Boca do Rio, e nem uma torneira.

    Faz parte da cultura brasileira a promessa dos politicos. Já virou até folclore. Como ninguém leva a sério o que falam os politicos burro é aquele candidato que não promete, que “assume compromissos”, que “garante” e outras frases de efeito. Este não serve. 

   Quanto maior a promessa, melhor. Veja que o governador Wagner prometeu uma ponte entre Salvador e Itaparica. Claro que vai sair do governo sem colocar um pilar da ponte. Mas o povo adorou aquelas imagens da ponte na TV, os navios passado por baixo dos vãos, uma beleza.

   Na campanha de 90, em Salvador, Pedro Irujo, prometeu um bondinho na encosta, saindo dos Aflitos à Liberdade. Viu um bondinho dessas na Feira de Valencia, Espanha, copiou o modelo e pimba. Virou folclore o bondinho do querido basco. Urbano, quando foi prefeito tampão, prometeu asfaltar o Pelourinho. Foi um clamor e ele desistiu.

   Nesta temporada da campanha, em Salvador, os candidatos estão caprichando nas promessas. 

   Pelegrino promete 100.000 vagas no ensino profissionalizante em seu governo. Seriam, assim, 25.000 vagas por ano, algo em torno de 2.100 por mês, o que consumiria, só aí, 70 novos técnicos e professores por centro de pesquisa. No total, projeto concluido, seriam necessários 48 novos centros, uns 700 professores, 1000 tornos mecânicos, 12 mil bancadas, 60.000 computadores e um corpo diretivo de uns 65 lideres. Dá! Impossível.

    Que o diga Jorge Solla, secretário da Saúde do Estado. Acabou com um sistema cooperativo de médicos que existia e quando quis contratar novos médicos não teve como. Penou e ainda pena. Teve que remodelar o sistema cooperativado, fazer ajustes aqui e acolá e até hoje não conseguiu equilibrar o sistema. Como Pelegrino conseguiria 700 novos professores técnicos em 4 anos para 135 alunos/cada? .

    ACM Neto prometeu transformar Salvador na capital da cultura. Salvador está a 500 anos luz de SP e Rio; 300 anos luz de BH, Curitiba e POA; e 200 anos luz de Recife. Salvador não dispõe sequer de uma casa de shows. Se Salvador quizer montar uma Bienal do tipo SP não faz porque não tem curador. Teatro privado! O último de qualidade virou uma churrascaria no Rio Vermelho.

   Neto prometeu também uma cidade cicloviária em todos os bairros. Impossível. Ciclovia no Arenoso! Neguinho leva a bicicleta. Salvador tem 400 assentamentos bairros irregulares. Como então fazer tantas ciclovias nesses locais?

   Mário depois de criticar a folclórica passarela de Pituaçu, 3 anos e meio e nada de concluir, um recorde da Conder, diz que fará passarelas em 15 dias. Montar uma estrutura num local tipo Iguatemi ou Paralela em 15 dias até dá. Mas, construir? MK também promete asfalto liso. Como assim! O único asfalto liso de qualidade feito em Salvador ao longo de sua história foi durante a segunda guerra mundial, pelos norte-americanos.

   E o deputado Marinho, do PRB! Promete duas vias de tráfego no Calabar. Só se for de bicicleta. A rua principal do Calabar é de tal forma estreita que só dá um carro. Se for alargar a rua para dois carros resultaria numa revolução no Calabar. Marinho também promete mudar a realidade na Baixa Fria e acabar com a violência em Cosme de Freitas. Só se chover dinheiro.

   Por fim, nosso bom Hamilton Assis, PSOL, quer acabar com as "máfias" dos empreiteiros. Como, mesmo! Impossível. Isso vem desde Tomé de Souza e o mestre de obras Luis Dias, "engenheiro" inicial da cidade já se queixa ao rei disso e atravessa os séculos. 

   Pra finalizar, certo estaria Da Luz: se você quer continuar com o que está vote nos mesmos, agora, se quer mudar, a luz está aí à disposição com seu aero-trem.