quarta-feira, 21 de abril de 2021
Colunistas / Miudinhas
Tasso Franco

BAHIA REGISTRA RECORDE DE MORTES DE TODA PANDEMIA EM 24 Hs: 153 ÓBITOS

SESAB autorizou nesta quinta-feira (18), a abertura imediata de 10 novos leitos de UTI para o atendimento a pacientes com o diagnóstico do coronavírus (Covid-19), no Hospital Regional Vicentina Goulart, em Jacobina
18/03/2021 às 11:36
     1. Nesta quinta-feira (18) foram registrados 153 óbitos por Covid-19, o maior número desde o início da pandemia em um boletim epidemiológico sobre a doença. Apesar de os óbitos terem ocorrido em diversas datas, a confirmação e registro foram contabilizados hoje. O número de hoje demonstra o crescimento de casos graves, o que tem ampliado a taxa de ocupação nas UTIs.

  2. A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se a sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da Covid-19. Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.

  3, O número total de óbitos por Covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 13.742, representando uma letalidade de 1,81%. Dentre os óbitos, 55,91% ocorreram no sexo masculino e 44,09% no sexo feminino. 

  4. Em relação ao quesito raça e cor, 55,01% corresponderam a parda, seguidos por branca com 21,08%, preta com 15,01%, amarela com 0,51%, indígena com 0,14% e não há informação em 8,25% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 69,11%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (74,12%).
                                                               ********
  5. O Brasil registrou mais 2.724 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, elevando o total de vítimas a 287.499, informou o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) nesta quinta-feira (18).

  6. O estado de São Paulo, sozinho, é responsável por 659 mortes, segundo maior índice desde o início da emergência sanitária. Ao todo, o território acumula 66.178 vítimas.

  7. No ranking de pessoas que perderam a vida, o segundo estado com maior quantidade é o Rio de Janeiro (34.695), que também tem a maior taxa de letalidade do País (5,6%), seguido por Minas Gerais (21.303) e Rio Grande do Sul (16.117).

  8. A taxa de letalidade do coronavírus Sars-CoV-2 se mantém em 2,4%, mas as médias móveis dos últimos sete dias seguem em alta tanto nos casos, que está em 71.872, como nas mortes, que foi para 2.087.

   9. Em um esforço para reduzir a pressão na rede assistencial que atende pacientes graves com o diagnóstico de coronavírus (Covid-19), foram abertos 30 novos leitos nesta quinta-feira (18). São 10 leitos de UTI, no Hospital de Campanha da Arena Fonte Nova, e 20 clínicos, no Centro Intermediário de Enfrentamento ao Coronavírus (CIEC), em Camaçari.

  10. “Estamos determinados a salvar vidas e, para isso, o governador Rui Costa autorizou abrir o máximo de leitos possíveis. Ainda assim, é sempre importante reforçar que, enquanto a taxa de transmissão do coronavírus permanecer alta, a necessidade por leitos vai seguir crescendo. Apenas com a ajuda de toda a população conseguiremos vencer essa pandemia”, afirma o secretário da Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas.

   11. A macrorregião Leste, na qual Salvador e Camaçari estão inseridas, possui 1.620 leitos ativos para tratamento da Covid-19, sendo 798 de UTI. Além dos dois municípios, Santo Antônio de Jesus também oferta leitos exclusivos para esta patologia na macrorregião.
                                                  *******
   12. O secretário da Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, autorizou nesta quinta-feira (18), a abertura imediata de 10 novos leitos de UTI para o atendimento a pacientes com o diagnóstico do coronavírus (Covid-19), no Hospital Regional Vicentina Goulart, em Jacobina, por meio do credenciamento estadual. A assinatura contou com a presença da vice-prefeita e secretária de Saúde do município, Kátia Cristina Alves de Souza.

  13. De acordo com o secretário, “diariamente estamos abrindo novos leitos em um esforço para reduzir a pressão na rede assistencial. Porém, não é possível abrir novos leitos de modo infinito. Se não houver uma rápida redução do número de casos graves, a cada dia nos aproximamos desse limite, pois não há profissionais, equipamentos e estruturas hospitalares suficientes”, afirma Vilas-Boas.

   14. Na avaliação da vice-prefeita e secretária de Saúde do município, “o Estado é sempre parceiro e hoje a realidade de Jacobina não difere da realidade nacional ou do restante da Bahia. Somos referência para uma região de 400 mil habitantes e entendemos que somente juntos vamos atuar de modo resolutivo e vamos conter esse vírus”, afirma Kátia Cristina Alves de Souza.

  15. A partir de hoje, a macrorregião Centro-Norte alcançará 70 leitos ativos, sendo 30 de UTI Covid-19. Os municípios que ofertam leitos exclusivos para esta patologia são Irecê e Jacobina.
                                                          *****
  16. Vinte mil toneladas de alimentos em 163 mil cestas básicas por mês, distribuídas aos alunos da rede municipal de ensino. Após 12 meses do início da pandemia do novo coronavírus em Salvador, este é o saldo registrado pela Prefeitura que, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Smed), promoveu a distribuição dos itens como forma de minimizar as complicações que atingiram as famílias dos estudantes – que representam 25% do total das famílias soteropolitanas – devido à suspensão das aulas presenciais e à perda do acesso às refeições oferecidas pelas unidades escolares.

   17. Para a técnica de enfermagem Sandra Santos, de 41 anos, os recursos alimentares são essenciais para amenizar seu desemprego e a falta das aulas presenciais para os quatro filhos, três de dez e um de 12 anos. “Formei meses antes da pandemia começar, não consegui um trabalho na área e atuava como autônoma. Essa iniciativa está sendo muito importante, pois de outra forma não teria como segurar as pontas em casa”, relatou.

   18. Para piorar a situação, nesse meio tempo, Sandra ainda teve chikungunya. “Isso acarretou esgotamento físico, me impossibilitando também de exercer certas atividades, precisando de tratamento até hoje, sem outra renda para compor as necessidades da casa”, revelou.

   19. As cestas são compostas por produtos essenciais à alimentação das famílias por um mês, com gêneros selecionados por especialistas da própria rede municipal, de modo a garantir o melhor resultado nutricional para os atendidos. Cada cesta contém 12 itens: feijão, arroz, açúcar, biscoito, café, sal, farinha de mandioca, farinha de milho, leite em pó, macarrão, óleo e proteína de soja.

   20. Nos itens escolhidos há o leite em pó, que auxilia no suprimento de cálcio; soja e feijão como fontes proteicas; o óleo, fonte de lipídeo; os farináceos, como fontes de carboidrato; além da inclusão de alimentos básicos, como arroz, macarrão e café, que fazem parte da cultura alimentar brasileira. No que se refere ao custo do fornecimento da cesta básica, o município financiou mais de 90% dos itens distribuídos.

    21. De acordo com a nutricionista da rede municipal, Emília Coelho, a composição da cesta foi elaborada pensando nos itens básicos para a produção de uma refeição. Também foi levada em consideração a logística, que fosse viável para a realidade do município de Salvador, que atende mais de 160 mil alunos.

   22. “Os itens atendem os requisitos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que preconiza uma alimentação saudável e adequada, compreendendo o uso de alimentos variados e seguros, que respeitem a cultura, as tradições e os hábitos alimentares saudáveis. Tudo isso contribui para o crescimento e o desenvolvimento dos alunos e para a melhoria do rendimento escolar, em conformidade com a sua faixa etária e seu estado de saúde, inclusive dos que necessitam de atenção específica”, explica Emília.

   23.  O fator importante foi programar a distribuição das cestas nas unidades escolares, unindo o trabalho pedagógico com a segurança alimentar e nutricional. A ação desenvolvida pela Smed foi de extrema importância, em um momento delicado em que a segurança alimentar e nutricional está em primeiro plano. 

  24. A realidade é que não apenas alunos, mas várias famílias tiveram garantidos os alimentos devido à entrega das cestas básicas. Mesmo no período de férias escolares, não houve interrupção de entregas para os estudantes da rede municipal.

   25. O município de Salvador oferta cestas básicas desde o dia 23 de março de 2020, mesmo antes de o FNDE autorizar a distribuição dos gêneros alimentícios aos alunos. A capital baiana é um dos poucos municípios, que desde o início, o atendimento é feito para todos os estudantes e não apenas para o público mais vulnerável.

   26. “Somos responsáveis pela maior redistribuição de alimentos em grande escala da história da Bahia. Em um ano de trabalho foram entregues 20 mil toneladas, sendo 163 mil cestas por mês, doadas a mais de 800 mil famílias, o que significa que cerca de 25% das famílias soteropolitanas foram agraciadas com os produtos necessários para a alimentação”, ressaltou o secretário municipal da Educação, Marcelo Oliveira.

   27. O gestor ainda ressalta o enorme impacto da distribuição das cestas no dia a dia das famílias. “São pessoas humildes, de baixa renda, que ficaram sem a alimentação escolar após a suspensão das aulas presenciais. Vale destacar que a distribuição se dá por aluno e não por família. Isso significa que, em uma casa onde três ou mais pessoas estudem na rede municipal, cada um terá direito a uma unidade de cesta básica, o que auxilia bastante na complementação nutricional daquela família”, complementou o secretário.