ter?a-feira, 12 de novembro de 2019
Colunistas / Miudinhas
Tasso Franco

LULA ATACA O QUE CHAMOU DE LADO PODRE DA JUSTIÇA E A REDE GLOBO

E agora? Lula vai dividir com Bolsonaro a inimizade com a rede Globo? Impressionante como detestam o jornalismo.
08/11/2019 às 19:28
MIUIDINHAS GLOBAIS:

   1. Goste-se ou não da decisão do Supremo Tribunal Federal que determinou o fim da prisão em segunda instância, abrindo uma janela para que o Congresso vote uma provável lei que mude essa posição, de novo, o certo é que os advogados de defesa de Lula (e de outros condenados) agiram rápido e o ex-presidente foi solto em Curitiba, nesta tarde de sexta-feira, data considerada por alguns petistas como histórica. Lula é a tábua de salvação do PT e recebe todas as honras e afagos.

   2. E o PT quer mais: considerar sua inocência em definitivo anulando a condenação a que estava cumprindo pena (Triplex de Guarujá) e outras oito que tramitam em diferentes processos. Tarefa dificil, mas, em se tratando do Brasil, possível, uma vez que a Justiça com suas leis e interpretações múltiplas tem brechas infinitas para quem dispõe de bons advogados. 

   3. Parecia, também, imprensável, que Lula deixasse a prisão tão cedo no processo do triplex. Mas, o que se viu, em decisão do Supremo foi uma vitória por 6x5 de um movimento dos ministros mudando de opinião ao que vinha sendo praticado.

   4. Lula deixou a prisão fazendo o que mais gosta: política. Criticando a vários segmentos da socidade, ao que chamou de "lado podre e canalha da Justiça, da Receita, do Ministério Público, da Policia Federal" e atacou diretamente Bolsonado dizendo que o Brasil quer um governo que "não minta muito". 

  5. E, ao mesmo tempo, se aproximou de Bolsonaro na medida em que condenou a Rede Globo de Televisão como principal artífice de sua prisão, o que classificou de maracutaia.

  6. “Não tenho dimensão do significado de eu estar aqui junto com vocês. A vida inteira estive conversando com o povo brasileiro. Não pensei que, no dia de hoje, poderia estar aqui conversando com homens e mulheres que durante 580 dias gritaram ‘Bom dia Lula’, gritaram ‘Boa tarde, Lula’, gritaram ‘Boa noite, Lula’. 

   7. Não importa se estivesse chovendo, não importa se estivesse 40 graus, não importa se estivesse 0 grau. Todo santo dia vocês eram o alimento da democracia que eu precisava para resistir a um lado podre do estado brasileiro, o lado podre da justiça, o lado podre do Ministério Público, da Polícia Federal e da Receita Federal, que trabalharam para tentar criminalizar a esquerda, o PT e o Lula.

   8. Eu não poderia ir embora daqui sem poder cumprimentar vocês”, afirmou Lula que, após o discurso na saída da prisão, falou os nomes de integrantes do MST, do PT, da CUT e de seus aliados políticos e do advogado Cristiano Zanin. Não se sabe porque, mas, Lula não lembrou da ex-presidente Dilma.

   9. Lula ainda brincou na sequência com o nome do presidente Bolsonaro: "Eu também tenho meu capitão". A nova namorada de Lula, "Janja", também foi apresentada. 
                                                                    ******
   10. O governador Rui Costa (PT) comentou  nas redes sociais, a soltura do ex-presidente Lula (PT) : 
"A condenação injusta jamais calou os ideais de liberdade e justiça social do ex-presidente @lulaoficial. Hoje, o Brasil está mais Brasil e o mundo aplaude a decisão da Justiça. Lula Livre significa que o país pode ser pacificado. Não queremos mais ódio, queremos amor. Queremos respeito ao próximo. É a luta por um país mais igual", disse o chefe do Executivo baiano.
                                                                   *****
   11. A soltura do presidente Lula guarda uma mensagem clara de respeito à Democracia e à Constituição do país! Está evidente que ele foi subtraído da disputa presidencial por uma farsa judicial, fabricada à margem da lei, que premiou seu algoz com um cargo de ministro da Justiça.

   12. Seguimos em vigília, agora com Lula livre, pela nossa Democracia e soberania nacional, que sentem diariamente reveses de retrocesso civilizatório.

   13. Vamos redobrar os cuidados, unidos no enfrentamento dessa agenda autoritária de retirada de direitos, de perseguição ao Nordeste, de desmonte da universidade pública, de ofensivas ao meio ambiente, ao conhecimento, à cultura e ao livre pensamento. (Everaldo Anunciação - Presidente estadual do PT na Bahia)
                                                                  *****
   14. A deputada federal Lídice da Mata (PSB-BA) classificou como correta a decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal sobre prisão em segunda instância e afirmou ainda que a condenação e encarceramento do ex-presidente Lula fizeram parte de uma estratégia política. Para a parlamentar baiana, o STF cumpriu o que diz a Constituição Brasileira. “A corte máxima da Justiça não pode discutir política, pois sua função é guardar a Constituição”.

   15. Sobre a soltura do ex-presidente Lula, Lídice classificou como uma ação necessária, “pois o seu processo de condenação demonstrou todas as suas falhas”. Na opinião da deputada, os fatos denunciados, anunciados e revelados pelo (portal) The Intercept mostram que houve uma estratégia para viabilizar a sua prisão.

   16. “Essa foi uma ação política respaldada num ambiente jurídico com intenção e postura política e mais que isso, uma intensão de poder. Isso é realmente o que está aí posto: foi uma prisão política”, disse. 
                                  *****
   17. O deputado Leur Lomanto Jr diz que decisão do STF desperta clima de impunidade no país. Ele criticou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de manter a proibição da prisão em segunda instância. A sentença beneficia réus que foram presos nessa condição. 

   18. “A mudança de entendimento sobre a prisão em segunda instância, por três vezes, em dez anos, além de colocar em jogo a credibilidade da Maior Corte, do país, prejudica o combate à criminalidade. Isso acarreta na prescrição de vários ilícitos e desperta o clima de impunidade no país, além de injustiça”, afirmou.

   19. O parlamentar também acredita que a medida prejudica as ações de combate a corrupção, incluindo a Operação Lava Jato. “Defendo que o Congresso tome as rédeas desse assunto e volte a debatê-lo, abrindo a possibilidade da prisão após a condenação em segunda instância”, frisou.