quarta-feira, 01 de abril de 2020
Shows

Show ”Gangorra de Dois" acontece na Sala do Coro do TCA

Dia 3 de março
Cristiano Morais , Salvador | 02/03/2020 às 17:20
Jussara Silveira e Luiz Brasil
Foto: Divulgação

Parceiros profissionais há mais de 20 anos, Jussara Silveira e Luiz Brasil se

reencontraram no palco durante o Festival Mário de Andrade, realizado em outubro, em

São Paulo. A boa química entre a cantora e o guitarrista fez entrar em ebulição um novo

projeto de fusão entre os dois talentos. O show Gangorra de dois faz uma releitura de

tantas trilhas a dois, tendo como base o disco Nobreza, considerado um marco por se

tratar de um dueto, um trabalho construído a quatro mãos. “Nós vamos estrear um show

que reúne o melhor do Nobreza, além de canções que eu e Luiz registramos nos vários

álbuns em que ele não só tocou comigo, mas assinou arranjos e produção musical”,

explica Jussara, que pretende apresentar o novo espetáculo em primeira mão na Bahia.

“A seleção leva em conta nossos afetos e a vontade de trazer à cena um tom de leveza e

beleza”, complementa Luiz, vencedor do Prêmio Multishow e Grammy na categoria de

produtor musical pelo disco Acústico MTV, de Cássia Eller, e definido por Caetano

Veloso, com quem trabalhou por dez anos, como “um dos músicos mais brilhantes da

atualidade”. Além de Caetano, Luiz Brasil já emprestou seu talento a estrelas como Maria

Bethânia, Gal Costa, Gilberto Gil, Marisa Monte e o tenor italiano Luciano Pavaroti.

Jussara Silveira, que a Bahia batizou de “cantora cool”, coleciona elogios de nomes como

Gal Costa, que a coloca entre as melhores, Nelson Mota, que destaca a elegância e

sofisticação de seu canto, e Arnaldo Antunes, que elogia sua interpretação “de densidade

emocional extrema, que não deságua em dramaticidade”. A revista Vogue sentenciou que

“Jussara é a melhor cantora que você não conhece”. Isso sem falar no cantor, compositor

e pesquisador musical paulista José Miguel Wisnik, para quem ela é uma espécie de

cantora-fetiche.

O repertório reúne clássicos e obras belas e pouco executadas do repertório de Caetano

Veloso (Os Passistas), Anibal Silva e Eden Silva (Rosa Maria), Chico Buarque e

Vinicius Cantuária (Ludo Real), além de composições de Dorival Caymmi, a quem

Jussara dedicou um disco tributo, com participação de Luiz Brasil no violão, arranjos e

produção musical. Obviamente, não faltarão os baianos que Jussara sempre cantou,

como Paquito, Carlinhos Brown, Cézar Mendes, Beto Pellegrino e Ariston, o próprio

Luiz Brasil que assina a música Saudade em parceria com Maria Vasco, além de Milton

Nascimento, Fernando Brant, Ronaldo Bastos e Beto Guedes, Zé Miguel Wisnik,  Alice

ruiz, Waly Salomão, Adriana Calcanhoto e Luiz Tatit.

“Muitas vezes acabo revelando ao público grandes canções que, por alguma razão,

ficaram desconhecidas. É o caso de Cara Limpa, este belíssimo samba de Paulo

Vanzolini, e também de Rosa Maria, um antigo samba do Salgueiro, que descobri numa

gravação de Gilberto Alves dos anos 40. A música de Lupicínio é uma pérola e, embora

o autor seja do extremo sul, ele usa expressões típicas do Nordeste”, observa Jussara.

“A nossa visão musical é muito afinada. Temos um entrosamento natural. Escolhemos

músicas que nos permitem explorar de várias formas as nuances da voz de Jussara e do

meu violão e guitarra”, completa Luiz.

LOCAL: SALA DO CORO DO TEATRO CASTRO ALVES

DATA: 03 DE MARÇO DE 2019

CLASSIFICAÇÃO: livre

HORÁRIO: 20 horas

VALOR DO INGRESSO: R$60,00 (INTEIRA) R$30,00 (MEIA)