ter�a-feira, 07 de dezembro de 2021
Salvador

FEMINICÍDIO EM SALVADOR: ADVOGADO É SUSPEITO DE MATAR A EX-NAMORADA

Defesa alega que disparo foi acidental (Com informações A Tarde e G1)
Tasso Franco , da redação em Salvador | 17/10/2021 às 19:20
Meira e Kesia
Foto: Redes Sociais
      Novo crime de feminicídio em Salvador cujo suspeito é o advogado criminalista José Luis Britto de Meira Jr e a vitima a jovem Kesia Stefany da Silva Ribeiro, 21, morta a tiros no apartamento do prédio Terrazzo Rio Vermelho. O suspeito foi preso em flagrante.

   Informações da Polícia Militar apontam que ao chegar ao local, os agentes da 12ª Companhia Independente (Rio Vermelho) foram informados de que, após os disparos, o suspeito teria levado Kesia para o Hospital Geral do Estado (HGE) em um carro Ônix vermelho.

  Ao chegar à emergência, os agentes foram informados de que a vítima não teria resistido aos ferimentos. 
O Centro Integrado de Comunicação (CICOM) informou que o advogado foi encontrado em um apartamento, no Edifício Residenziale Da Vinci, no bairro da Pituba. O suspeito foi preso por uma guarnição da Polícia Militar e autuado em flagrante pelo crime de feminicídio no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

  Moradores do condomínio Terrazzo Rio Vermelho, no bairro do Rio Vermelho, onde a jovem Kezia Stefany da Silva Ribeiro, 21 anos, foi baleada na madrugada deste domingo (17), e acabou morrendo, relataram à polícia terem ouvido gritos vindos do apartamento onde mora o advogado criminalista José Luiz de Britto Meira Júnior, ex-namorado da jovem.

Localizado na Rua Barro Vermelho, o condomínio é uma construção à beira-mar, com vista e saída para a badalada Praia do Buracão, e possui segurança 24h, piscina, salão de jogos, spa fitness com jacuzzi, sauna e outros espaços de serviço e lazer.

O g1 não conseguiu contato da defesa do suspeito, mas falou com o presidente da Comissão de Prerrogativas da Ordem dos Advogados do Brasil, seção Bahia (OAB-BA), Adriano Batista. Segundo ele, a versão de José Luiz é de que agiu para se defender.

“Ele alega que foi acidental. Que ela apontou arma para ele e ele, na tentativa de se defender, rolou disparo acidental", disse Adriano ao g1.