quinta-feira, 04 de mar?o de 2021
Política

PESQUISA CNT/MDA: AVALIAÇÃO NEGATIVA GOVERNO BOLSONARO SOBE PARA 35.5%

VEJA OS NÚMEROS
Tasso Franco , da redação em Salvador | 22/02/2021 às 13:56
Jair Bolsonaro vai se desidratando
Foto: REP
A avaliação negativa do governo Jair Bolsonaro (sem partido) subiu mais de 8 pontos percentuais em quatro meses e atingiu 35,5%, segundo pesquisa CNT/MDA divulgada hoje. Já a positiva caiu quase nove pontos, chegando a 32,9%. Segundo o instituto de pesquisas MDA, cujo estudo foi contratado pela CNT (Confederação Nacional dos Transportes), foram realizadas 2.002 entrevistas presenciais, de 18 a 20 de fevereiro, em 137 municípios de 25 Unidades da Federação. 

A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais. 

A avaliação positiva considera os índices de "ótimo" e "bom". Já a avaliação negativa, as somas de "ruim" e "péssimo". Veja os números: Imagem: Reprodução O levantamento mostra os índices de popularidade do governo e também do próprio presidente. Traz ainda a avaliação dos brasileiros sobre a atuação dos governos federal e estaduais no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus, a opinião sobre a vacinação contra a covid-19, além de outros temas como o retorno do auxílio emergencial e o decreto sobre compra e posse de armas de fogo.

A avaliação do governo Bolsonaro é diferente da avaliação pessoal de Jair Bolsonaro. Essa última analisa apenas o desempenho do presidente, e não do governo como um todo. Na pesquisa divulgada hoje, 43,5% aprovam o desempenho pessoal do presidente, uma queda de 8,5 pontos percentuais em relação a outubro de 2020. 

Outros 51,4% desaprovam o presidente, índice que cresceu mais de 8 pontos em quatro meses.
Em relação à pandemia do novo coronavírus, também houve queda na aceitação das medidas do Executivo, com 54,3% da população concordando com as ações do governo, contra a aprovação de 57,1% em outubro de 2020. 

Apesar da queda, há um aumento na positividade dos brasileiros em relação a maio do ano passado, quando foi registrado 51,7% de aprovação. Já sobre as iniciativas do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, 34,2% consideram as atitudes como "irregulares" e somente 4,9% analisam como "ótimas". Na luta pela vacina contra a covid-19, 62,8% dos brasileiros disseram que vão se vacinar independente do fabricante, enquanto 16,7% da população afirmou que não vai se vacinar.