domingo, 23 de fevereiro de 2020
Política

DEPUTADO FAZ PROTESTO SILENCIOSO CONTRA RUI COSTA NA SOLENIDADE DA AL

Saia justa na Assembleia durante solenidade de abertura dos trabalhos legislativos
Tasso Franco , da redação em Salvador | 03/02/2020 às 20:45
O deputado Hilton Coelho (PSOL) e o governador Rui Costa
Foto: BJÁ
  Durante solenidade de abertura dos trabalhos legislativos 2020 no plenário da Assembleia Legislativa no momento da fala do governador Rui Costa (PT), o qual fazia um balanço do seu governo e justificava o envio da PEC da Reforma da Previdência, o deputado Hilton Coelho (PSOL) fez um protesto silencioso erguendo uma placa com os dizeres: "Destruição da Previdência tamanho G”. 

  O ato aconteceu nesta segunda-feira, 3, com a ALBA com PMS em vários pontos até mesmo na entrada da sala da imprensa.

  O governador não perdeu a pose e continuou seu discurso e HC também não perdeu a pose e seguiu com a placa cartazete distante menos de 20 metros donde falava o chefe do Executivo. Ninguém levantou para retirar a placa de Hilton e os PMs que estavam numa área próxima ao plenário, na sala onde os deputados recebem a imprensa e há um caixa eletrônico do Bradesco, só observaram. Um deles, na porta da sala de imprensa portava uma bolsa contendo bombas de gás lacrimogênio.

  O deputado presidente da Casa, Nelson Leal, PP, na abertura da solenidade disse que, na votação da PEC da Previdência "por pouco não aconteceu uma tragédia na Assembleia Legislativa" e classificou a invasão do plenário por policiais civis como uma situação de terror, "uma praça de guerra".

  Leal agradeceu o apoio que recebeu de todos os deputados na defesa legitima da ALBA, a casa do povo, e também ao comandante da PM e ao secretário da SSP, ambos presentes à solenidade.

  MAJOR DENICE

  Em entrevista à imprensa o governador Rui Costa voltou a dizer que tem o direito de ter uma pré-candidata preferencial a prefeita da capital, a major Denice, da PM, mas, defendeu a manutenção de todas as pré-candidaturas de sua base politica.
 
  O momento atual é dos nomes lançados irem a campo, buscando conquistar mentes e corações. Mais perto das convenções, haveria o afunilamento. A avaliação foi feita no começo da noite desta segunda-feira (3), após a abertura dos trabalhos na Assembleia Legislativa.

"Este é o momento das candidaturas buscarem a aderência da sociedade", defendeu o gestor, que ressaltou ter usado os últimos dias para conversar com líderes do PT, PSB, PCdoB, PSD e Podemos e encorajá-los a manter seus postulantes, percorrendo os bairros, dando entrevistas e oficializando o pleito de disputar a sucessão municipal. "As convenções só serão em julho. Tem tempo para (os prefeituráveis) testarem seus nomes, tentarem apaixonar o eleitor, apaixonar a sociedade". 

Ao externar sua posição,Rui Costa fez questão de afirmar que o afunilamento de nomes e o processo de escolha são prerrogativas dos partidos. Para Rui, a base do governo deve ter três nomes. Sargento Isidório (Avante) é dado como certo pelas liderança em pesquisas já apresentadas. Seriam lançados ainda um representante da esquerda e outro do centro.