quarta-feira, 23 de outubro de 2019
Política

MEMÓRIA: O ÚLTIMO CANDIDATO A PRESIDENTE DA BAHIA FOI WALDIR (TF)

Nos mais de 100 anos da República a Bahia nunca deu um presidente
Tasso Franco , da redação em Salvador | 15/09/2019 às 20:23
Waldir acabou como vice de Ulysses e passou o governo para Nilo (os 3 na foto)
Foto: DIV
   MIUDINHAS GLOBAIS:

   1. A Bahia nunca deu um presidente da República. Diz-se que ser presidente é uma circunstância que não se insere num contexto linear. Políticos e pessoas que acredito nunca programaram ou pensaram em ser presidente chegaram lá. Estão aí, recentes, os casos de Dilma Rousseff, Itamar Franco, Jair Bolsonaro, José Sarney, Michel Temer - só para lembrar de alguns - que foram presidentes diante de uma morte, dois impeachments e uma facada. 

   2. Há outros, casos notórios, que planejaram ser presidente e conseguiram, como foi o caso de Lula; e outros que planejaram e não conseguiram como Aécio Neves, em tese, herdeiro do seu avô Tancredo Neves que se elegeu, mas, não tomou posse. Rodrigues Alves eleito pela segunda vez presidente, em 1918, morreu antes de tomar posse e deu lugar a Delfim Moreira.

    3. A Bahia já teve, ao menos, dois postulantes ao cargo de presidente com candidaturas lançadas: Ruy Barbosa, na campanha civilista de 1919, e Waldir Pires (então no PMDB), em 1988. Vital Henrique Soares, natural de Valença, 19º governador da Bahia, entre 1928/1930, foi eleito vice-presidente da República na chapa de Júlio Prestes, mas, não tomou posse. Getúlio Vargas deu um golpe de estado derrubou Washington Luis e ficou no pder durante 25 anos. 

   4. O mais longevo de todos, individualmente, sendo que de 1951/1954 foi presidente eleito pelo voto direto. É considerado, até hoje, embora estancieiro e ditador, o pai dos pobres.

   5. Nada mais justo, pensamos assim, que o governador Rui Costa (PT) sinalize a possibilidade de ser candidato a presidência da República. É um direito e faz parte do processo democrático. Rui já recebeu críticas dentro do seu próprio partido e chegaram mesmo a duvidar de sua autenticidade como petista. 

   6. Hoje, em nota no twitter, o governador exigiu respeito à sua história, a sua fidelidade ao ex-presidente Lula e aos princípios políticos partidários do PT e mostrou, com números, que deu uma das maiores vitórias a Fernando Haddad, na última eleição presidencial na Bahia. 

   7. Evidente que Rui, sendo político, sabe que iria virar uma vitrine mais ampla assim que manifestasse o desejo de ser presidente. Tem gente que detesta ver a ascensão do próximo. Neste comentário aqui analisamos apenas a questão histórica embora haja política no meio. 

   8. Quando Waldir Pires renunciou ao governo da Bahia, em 1988, recebeu uma montanha de criticas, especialmente dos seus aliados (ainda que o caso de Waldir não se assemelhe ao de Rui) porque largar o governo do Estado para entrar uma aventura, com chance zero de ser presidente, realmente, tinha sentido as criticas dos waldiristas a Waldir.

   9. Waldir entendia que para mudar a Bahia era preciso mudar o Brasil. E, ele seria essa pessoa a ter a missão milagrosa de tal fato. Sequer chegou a ser candidato efetivo componho com Ulysses Guimarães do qual foi vice e perderam feito. A Bahia passa ao comando de Nilo Coelho que mudou toda sua equipe, fez um novo governo, houve uma dessarrumação no Estado por conta dessas mudanças Waldir/Nilo e ACM retornou ao poder, pelo voto direto, em 1990.

   10. A situação de Ruy é diferente porque se decidir ser candidato a presidente já teria mais de 7 anos no comando do governo, o estado está organizado e com finanças equilibradas, dispõe de um partido forte (que Waldir não dispunha) e um dicurso mais contundente. Ainda assim, o que é natural, corre o risco de não eleger-se e ficar sem mandato durante 2 anos. E, também, em sendo candidato a presidente, não terá tempo para comandar o processo sucessório na Bahia.

   11. Voltando ao nosso fio da meada histórica, o Nordeste já deu alguns presidentes: três alagoanos (Deodoro, Floriano e Collor), um paraibano, Epitácio Pessoa; um cearense, Castelo Branco; um potiguar (RN) Café Filho; e um pernambucano, Lula da Silva. A hegemonia é de paulistas, mineiros, gaúchos e cariocas. Veja porque Minas cresceu tanto: Sairam de lá: Afonso Pena, Venceslau Braz, Delfim Moreira, Artur Bernardes, JK, Itamar Franco e Dilma Rousseff. O Brasil já teve 38 presidentes e Minas e SP abocanharam juntos 40% dos gestores.

   12. A política do 'café com leite' dura até hoje.

    13. Na última safra dos paulistanos, FHC, Lula, Dilma e Temer ficaram 16 anos no poder entendendo-se que Lula, embora pernambucano, sua base política e sindical era (e é) São Pauloe Dilma representava o 'leite' mineiro associado a SP. Há ainda um grupo forte de gaúchos e cariocas/fluminenses, oito no total, que também pendem para o Sudeste. Do centro-Oeste só saiu Eurico Dutra, de Cuiabá, MT: e do Norte esquecido, nada.

   14. A balança brasileira pende para o sudeste desde os primórdios do nascimento da República e se Rui encara a missão de ser um nordestino da Bahia candidato tem um discurso fantástico para o Nordeste. E aí vem uma outra questão: a maioria da população está no Sudeste com um poder econômico fortissimo. Mas essa é uma missão (se Rui concretizar) das mais nobres no plano político.                                                                                                           ******
   15. Após o reconhecimento do Governo Federal de que 17 municípios baianos se encontram em situação de emergência devido à seca e estiagem, o deputado estadual Alan Sanches (DEM) cobrou do governador Rui Costa a implantação de um programa de segurança hídrica que atenda às necessidades da população do semiárido e fortaleça as atividades produtivas da região.

   16. “Soluções paliativas não são bem-vindas”, diz o deputado, explicando que o sertão da Bahia abrange quase 50% do sertão nordestino, com uma população de aproximadamente 7 milhões de habitantes em 259 dos seus 417 municípios. “Apesar disso, é o que possui menor infraestrutura hídrica dentre todas as regiões semiáridas do Nordeste”, aponta o deputado.

   17. Das 17 cidades baianas em situação de emergência no estado, oito estão localizadas no sudoeste: Bom Jesus da Serra, Poções, Guajeru, Mirante, Presidente Jânio Quadros, Palmas de Monte Alto, Cordeiros e Caetanos. Os outros municípios são Irecê, no centro norte; Boa Vista do Tupim, no Piemonte do Paraguaçu; Nordestina e Teofilândia, na região sisaleira; Chorrochó, na divisa com Pernambuco; Andaraí, na Chapada Diamantina; Olindina, no agreste baiano; e Lajedo do Tabocal, no Vale do Jiquiriçá. De acordo com a Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, três cidades estão com decreto p or seca: Boa Vista do Tupim, Chorrochó e Caetanos.

   18. Na última semana o superintendente de Proteção e Defesa Civil da Bahia, Paulo Sérgio Menezes retornou a Ilhéus para visitar as áreas afetadas pelas fortes chuvas registradas entre os dias 15 e 17 de agosto último. O responsável deu parecer favorável à homologação do decreto municipal nº 73, publicado no dia 29 de agosto de 2019. A medida visa a utilização de recursos próprios e captação de recursos junto aos órgãos federal e estadual.

   19. De acordo com o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), em apenas 72h foi registrado um índice de chuva de 142 milímetros. Em consequência das fortes chuvas, a Codificação Brasileira de Desastres (COBRADE) aponta que houve danos a moradores dos Altos do Coqueiro, Tapera, Socorro, Amparo, Legião, Basílio, Nerival e Soledade.

   20. O coordenador da Defesa Civil, Joandres Neres explica que o trabalho é uma ação conjunta entre as secretarias municipais de Infraestrutura (Seinfra), Cultura e Turismo (Secult), Desenvolvimento Econômico, Meio Ambiente e Urbanismo e Desenvolvimento Social (SDS). 

   21. “A equipe está vigilante em relação aos pontos críticos no município, dando suporte na assistência social e realizando o trabalho de conscientização e acolhimento das famílias que residem nas áreas de risco”.   

   22. De acordo com o decreto municipal, houve perdas materiais consideráveis, além da perda ambiental. Alguns moradores ficaram desalojados em decorrência das chuvas, entretanto, a SDS inseriu as famílias no programa federal de habitação. A Defesa Civil de Ilhéus orienta os moradores quanto à construção dos imóveis em áreas de risco. A construção deve acontecer mediante autorização legal dos órgãos competentes.

   23. A Câmara de Salvador aprovou uma indicação do vereador Luiz Carlos Suíca (PT) para que estádios de futebol exibam em seus telões informações sobre crianças e adolescentes desaparecidos. Para aprofundar o tema, o edil petista reúne ativistas, familiares e autoridades em audiência pública no dia 18 de setembro, próxima quarta-feira, no auditório do Bahia Center, no centro da capital baiana. 

   24. O evento é aberto ao público, gratuito, acontece das 8h às 12h, e vai tratar também do alto índice de pessoas desaparecidas no município. Para o autor da proposta, os poderes estadual e municipal devem se unir para minimizar o sofrimento das famílias, adotando práticas conscientes que possibilitem a ampla divulgação das informações sobre os desaparecidos.

   25. “A indicação determina às administrações dos estádios Arena Fonte Nova e Roberto Santos que veiculem no início e no intervalo dos eventos, nos telões ou placares eletrônicos, fotos e informações de crianças e adolescentes desaparecidos. É um meio que encontramos de ampliar essa busca para facilitar o reconhecimento e localização. Esse assunto causa muita dor aos familiares e amigos, e precisamos fazer algo para auxiliar nas buscas”. 

   26. Sobre a audiência, o petista diz que a intenção é ter mais estratégias e envolver a comunidade nas buscas. “O desaparecimento de crianças e adolescentes é uma temática recorrente e alvo constante de ações municipais e governamentais para inibir a nefasta prática de sequestro desses jovens”.