terça-feira, 26 de setembro de 2017
Esporte

COPA NORDESTE: Bahia empate em Recife e tem vantagem, ZÉDEJESUSBARRÊTO

Vitória pega no Corinthians pelo campeonato brasileiro e o Bahia o Vasco
ZédeJdesusBarrêto , Salvador | 18/05/2017 às 00:03
Sport 1x1 Bahia
Foto: DIV
A partida que vai decidir o título de Campeão da Copa do Nordeste 2017 (Nordestão, Lampions League ? ), próxima quarta-feira, na Fonte Nova, casa cheia. Até um empate de 0 x 0 dá o título ao tricolor baiano, o gol marcado fora de casa o favorece.

Foi um bom jogo, renhido, mas disputado na bola, lealmente. Equilibrado. O tricolor teve 20 minutos de superioridade no começo da segunda etapa. O Sport conseguiu o empate na pressão, levantando bolas na área adversária. A equipe baiana trocou mais passes, botou mais a bola no chão. 
O clima na Ilha 

Sport x Bahia, Ilha do Retiro numa explosão rubro-negra, cheia. Torcedores tricolores também presentes nas arquibancadas. Clima de decisão. 

O jogo de entrega da taça de campeão acontece no meio da semana que vem, quarta-feira à noite, na Fonte Nova. Ingressos já à venda. 
*
Arbitragem do Piauiense Antonio Dib Moraes Souza. Os pernambucanos treinados por Ney Franco e os baianos sob o comando de Guto ‘gordiola’ Ferreira. 

Rubro-negros do Recife e tricolores baianos com desfalques em suas equipes. O Bahia sem Jackson, Armero, Édson, Regis, Hernane ... No Sport, a volta do avante Diego Souza, ao lado de Rogério e André. 

A novidade em campo: a escalação do meio-campista Mateus Sales substituindo Édson (suspenso). Juninho postado um pouco mais à frente dele e de Renan Jr, atuando como um meia, como se fosse Régis, armando as jogadas. 
O Bahia com camisas brancas, calções em azul e meiões vermelhos. O Sport com camisetas rubro-negras, calções e meiões em preto. 
**
Os primeiros 90 

- Começo nervoso, disputado, posturas ofensivas, faltas seguidas no meio de campo, lado a lado. 
- A primeira chance foi do Sport, numa cabeçada do zagueiro Mateus Ferraz que acertou a trave de Jean, após cobrança de falta da direita em bola alçada sobre a área baiana. 

- Aos 23’, Diego Souza roubou bola no meio campo, de Renê Jr, lançou da direita para a esquerda para o voleio, de primeira, de Rogério; rendeu uma plástica defesa de Jean, espalmando para o lado. 

O Leão da Ilha aos poucos comandando as ações, atacando, buscando mais o gol, impondo ritmo. Os visitantes trocando bolas no meio campo, explorando mais o lado direito, com Eduardo e Ze Rafael. Sem encaixe de contragolpe, finalizando pouco. Muita briga pela bola no meio campo. 

- Aos 27’, Rogério recebeu de Diego Souza, livrou-se da marcação e bateu seco, colocado, raspando o pé da trave. 
- Aos 36’, numa dividida de Alione com Magrão, os atletas tricolores pediram pênalti. O árbitro não deu. 
- Aos 43’, após bola alçada por Juninho da direita, Zé Rafael finalizou e e fez o gol mas o árbitro anulou, atendendo aceno do bandeira que viu impedimento de Renê jr – teria ele atrapalhado a visão do goleiro ? O atleta tricolor tentou sair do lance.
*
Foi um primeiro tempo equilibrado. O Sport mais à frente. Jean trabalhou mais que Magrão, porém os tricolores reclamaram de um pênalti, discutível, de Magrão em Alione e, sobretudo, da anulação do gol de Zé Rafael, perto do fim, muito polêmica. 

*
As mesmas equipes voltaram do vestiário para os 45 minutos finais da partida.
- O tricolor começou em cima e, antes da primeira volta do ponteiro do relógio, Eduardo aprontou pela direita e disparou forte; Magrão espalmou a escanteio.
Aos 10 minutos, Ney Franco tirou o buliçoso meia Éverton Felipe por Juninho. O Bahia melhor, ganhando mais as bolas no meio campo. 
- 1 x 0 Bahia ! , aos 12 minutos. Mateus Reis cruzou da esquerda, do fundo, Edigar Junio escorou e Juninho disparou forte, sem defesa.
- Aos 17’, em boa trama pelo meio, Juninho acertou outro chute de fora, exigindo boa defesa de Magrão, no rodapé. 
- Aos 20’, após batida de falta rasante da direita, a defesa do Leão parou e Edigar testou livre, de cara, na pequena área, mas Magrão fez milagre, salvando o segundo do Bahia. 
Guto pôs Feijão na marcação, em lugar do cansado Mateus Sales, aos 30 min. O Sport equilibrou e começou a fazer alguma pressão, insistindo em bolas altas na área baiana, o torcedor inflamando. 
- E o empate saiu após cobrança de escanteio (que não existiu) da direita; Juninho testou de raspão na pequena área, primeira trave, acertando o cantinho oposto : 1 x 1. O caldeirão ferveu na Ilha do Retiro e o Leão cresceu em busca de um resultado melhor. 
Aos 41’, saiu Alione, exausto, entrou o avante Gustavo. Aos 45’, Guto tirou Zé Rafael e pôs Maikon Leite, só pra ganhar tempo. 
- Aos 46’, o lateral Raul Prata evitou o gol de Gustavo que mergulhava na pequena área, após cruzamento rasante de Mateus Reis. Foi Só. 

**

Destaques 

No Sport, Magrão foi fundamental; Rogério, o mais perigoso na frente, e o meia Ronaldo que lutou muito. 
Na Bahia, Jean esteve bem no gol, sem comprometer; dos laterais, Eduardo melhor que Mateus Reis; Renê Jr lutou muito, Juninho fez o gol e bateu bem na bola; Zé Rafael, Alione e Edigar Júnio, bem. 

Os atletas e comissão técnica reclamaram muito da arbitragem. Gol anulado no primeiro tempo e um escanteio que não existiu em favor do Sport e que resultou no gol pernambucano; o pessoal do tricolor desconcentrado, reclamando ainda do lance quando o escanteio foi executado. 
*
Os títulos 

O Vitória é quem venceu mais vezes a Copa do Nordeste. Quatro. O Sport do Recife tem três títulos de campeão (1994, 2000 e 2014). O Bahia ganhou duas vezes. A última foi em 2002, contra o rival rubro-negro baiano. Venceu bem na Fonte Nova e empatou no Barradão. A equipe tricolor, montada por Evaristo de Macedo, era treinada por Bobô e tinha como destaques o goleador Nonato, Robson (Robgol), Preto, Bebeto Campos, Sérgio Alves, o goleiro Émerson e o lateral Daniel Alves, garoto ainda. 
**
Brasileirão

O Bahia volta a campo domingo, 11 horas da manhã, no Rio de Janeiro. Enfrenta o Vasco da Gama no Sâo Januário pela segunda rodada do Brasileirão, a Série A do Campeonato Brasileiro.

No mesmo domingo, à tarde (16hs), o Vitória recebe o Corínthians, no Barradão. Casa cheia?