quinta-feira, 18 de julho de 2019
Economia

Volume de serviços na Bahia cresceu 0,4% em março

O resultado acumulado do volume no ano expandiu 0,1% em relação ao mesmo período de 2018
SEI Bahia , Salvador | 14/05/2019 às 14:47
De acordo com os resultados da Pesquisa Mensal de Serviços, analisadas em âmbito estadual pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), o volume de serviços da Bahia retraiu 2,4% no mês de março de 2019, em relação ao mês imediatamente anterior. Essa é a segunda variação negativa no ano de 2019 nesse tipo de comparação, sendo o 10º estado, que registrou a retração menos expressiva entre às 16 unidades federativas.
O volume de serviços cresceu 0,4% em relação ao mesmo mês do ano de 2018. Das cinco atividades, quatro puxaram o volume de serviços para cima, com destaque, por ordem de magnitude, as atividades: Serviços prestados às famílias  (9,3%); Outros serviços  (3,2%); Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (1,6%), e Serviços profissionais, administrativos e complementares (0,4%). Por outro lado, apenas, às atividades de Serviços de informação e comunicação (-7,0%) retraiu nessa comparação.
O resultado acumulado do volume no ano expandiu 0,1% em relação ao mesmo período de 2018. Nesta análise, por ordem de magnitude, Serviços profissionais, administrativos e complementares (3,2%) foi a atividade que apontou a mais expressiva variação positiva, seguida por Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (3,1%). Em sentido oposto, as atividades de Serviços de informação e comunicação (-5,8%); Outros serviços (-4,1%); e Serviços prestados às famílias (-0,9%) retraíram o volume nessa análise.
O resultado acumulado do volume dos últimos 12 meses retraiu -1,7% em relação ao mesmo período anterior. Nesta análise, por ordem de magnitude, a atividade de Serviços de informação e comunicação (-9,9%) apontou a mais expressiva variação negativa, seguida por Outros serviços (-7,6%); e Serviços prestados às famílias (-0,2%). Em sentido oposto, às atividades de Serviços profissionais, administrativos e complementares (3,9%); e Transportes, serviços auxiliares aos auxiliares aos transportes e correio (0,9%) ampliaram o volume nessa análise.
Análise da receita nominal de serviços - A receita de serviços avançou 4,1% em relação ao mesmo mês do ano de 2018. Das cinco atividades, quatro puxaram a receita nominal de serviços para cima, quando comparada com o mesmo mês do ano anterior, com destaque às atividades de Serviços prestados às famílias (13,7%); Outros serviços (7,2%); Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (5,6%); Serviços profissionais, administrativos e complementares (4,7%). Em sentido oposto, apenas, Serviços de informação e comunicação (-6,5%) pressionou o indicador para baixo.
A receita nominal, no acumulado do ano de 2019, avançou 3,6% em relação ao mesmo período do ano anterior, com destaque para as atividades de Serviços profissionais, administrativos e complementares (8,0%); Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (6,7%); e Serviços prestados às famílias (2,6%). Por outro lado, as atividades de Serviços de informação e comunicação (-5,3%); e Outros serviços (-0,3%) retraíram no período.
Sobre a receita nominal, no acumulado dos últimos 12 meses, avançou 2,3% em relação ao mesmo período anterior, com destaque para as atividades de Serviços profissionais, administrativos e complementares (8,1%); Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (6,3%); e Serviços prestados às famílias (2,9%). Por outro lado, às atividades que apontaram retração, foram Serviços de informação e comunicação (-9,7%), seguidos pelas atividades de Outros serviços (-4,1%).
Análise regional - O resultado registrado no volume de serviços por Unidades da Federação, no primeiro trimestre do ano de 2019, na comparação com igual período de 2018, onze unidades contribuíram positivamente no resultado nacional (1,1%), com destaque para: São Paulo (4,6%), Tocantins (3,8%), Maranhão (3,0%), Santa Catarina (2,3%) e Distrito Federal (2,3%). A Bahia registrou expansão de apenas, 0,1% registrando um dos menores avanços. Por outro lado, as unidades que contribuíram negativamente para o resultado nacional no volume foram: Amapá (-13,5%), Acre (-12,1%), e Ceará (-5,7%).
Na mesma análise, as principais Unidades da Federação que expandiram a receita nominal de serviços foram: Tocantins (9,2%), São Paulo (7,1%), Maranhão (6,4%), e Distrito Federal (6,1%). A Bahia registrou expansão de 3,6%. Por outro lado, as principais unidades que puxaram a receita para baixo foram: Amapá (-10,8%), Acre (-10,1%), Piauí (-3,9%), e Ceará (-3,5%).
Análise regional das atividades turísticas - O volume das atividades turísticas, quando comparado com o mesmo mês do ano anterior, avançou 1,9% no Brasil. Esse resultado foi impulsionado, principalmente, pelas variações positivas do Ceará (10,4%), Bahia (7,1%) e Santa Catarina (3,9%). Em contrapartida, as principais unidades que puxaram o volume para baixo foram: Rio Grande do Sul (-6,5%), Paraná (-4,2%) e Distrito Federal (-3,6%). Nessa análise a Bahia marcou a 2ª maior expansão (7,1%) ficando abaixo apenas do Ceará (10,4%).
A receita nominal das atividades turísticas, quando comparada com o mesmo mês do ano anterior, cresceu 8,6% no Brasil. Esse resultado foi impulsionado, principalmente, pelas variações positivas observadas em todas às unidades. Nessa análise a Bahia marcou a 2ª maior expansão (13,9%) ficando abaixo apenas do Ceará (14,7%).