segunda-feira, 11 de dezembro de 2017
Colunistas / A Boa Mesa
Dom Franquito

DOM FRANQUITO testa cortes argentinos e uruguaios: Restaurante Carvão

Casa especializada em carnes dos pampas argentinos e uruguaios
09/10/2017 às 12:45
    Ainda funcionando em 'soft opening' (abertura suave, em testes) aberto ao público, o Restaurante Carvão é o mais novo espaço gourmet da cidade do Salvador, localizado no Jardim Apipema, Sabino Silva, rua que já conta com o Lisboa, a Cantina VolpI, o Mariposa e outros e vai se tornando um mini-pólo gastronômico.

   O Carvão - nome bastante sugestivo - é especializado em carnes de cortes bovinos uruguaios e argentinos e, como o próprio nome diz, as carnes e pescados são assadas no carvão, na brasa, in natura. 

   A cozinha é aberta e dá para os clientes observarem os cozinheiros em ação, tal como nos mercados populares de Montevidéu.

   A decoração é um tanto black, charcoal, na cor do carvão, o que torna o ambiente bem interessante, noir. E, ao mesmo tempo, simples, bem posta, com iluminação primorosa, o que deixa o cliente num local bem agradável. 

   São três ambientes: um pequeno pergolado à frente com toldos; a garagem e um salão climatizado, a área, mais disputada.

   Atendimento excelente. Osvaldo, o garçom que nos atendeu, yo e la señora Bião de Jesus, muito atencioso.

   De entrada, numa casa de carnes, optamos pelo assado de tira - corte tipicamente argentino com a costela do dianteiro cerrada em forma de tiras com 2.5 cm de altura, primeiro e segundo corte da costela com profundidade de sabor por estar perto do osso. Agradável. Para meu paladar faltou sal. 

   Diz-nos o gerente Paulinho que a flor do sal o cliente é quem põe. A Casa serve dessa forma. Bien. Assim, temperamos a tal. E ficou mais suculenta ainda.

   A essa altura, Osvado já havia posto na nossa mesa um tinto do Douro, o Desafinado, mui aromático, exuberante, de fruta madura. Caiu bem com a carne. De desafinado não tem nada. Afinadíssimo com o corte argentino, justo na noite em que a seleção Argentina empatou com o Peru e ficou ameaçada de não ir a Copa da Rússia.

   De principal, la Bião seguiu na carne com um bife chorizo (ny stop), um corte consagrado dos pampas uruguaios - parte do contra-filé inferior traseiro com generosa parte de gordura (o que a deixa mais saborosa) e yo optei por um bacalhau assado com legumes grelhados quase veganos.

    Pratos deliciosos, bem servidos em generosidade e com sabor. A carne suculenta e o bacalhau derretendo na boca, mui agradável, sem aquele sal que normalmente deixa o bacalhau menos simpático.

   Paulinho, atencioso, perguntou se estava tudo no ponto, e dissemos que sim. E Osvaldo, chegando sua hora de pegar o bus, a casa só funciona até às 23 h, se despediu de nós e passou a missão para Rooney, o clone do jogador inglês.

   Gostei do Carvão. Muitos clientes degustando vinhos, o que é salutar. Diz Mauricio Ferreira, o colunista do Tempo de Vinho, que a bebida dos monges e frades virou uma mania nacional e os baianos seguem essa tendência.

    Muito legal. Prometi a Paulinho voltar e recomendar. Tá aí a sugestão.
----------------------------------------------------------------------------- 
RESTAURANTE CARVÃO
Rua professor Sabino Silva, 5
Chame-Chame
Fone 71.30022.8682
Faça reserva nos finais de semana
Aberto das 18h às 23h (terça a domingo)
Almoço só sábado e domingo
A partir de 12/10 - abrirá todos os dias para almoço (exceto segunda)
No momento não cobra o manobrista
Desafinado Douro R$88,00
Bacalhau assado R$63,00
Bife Chorizo R$77,00
Agua mineral pq R$6,00
Assado tira R$39,00
Não cobra 10% (opcional aos clientes)
Recebe todos os cartões
Classificação 3 DONS