sexta-feira, 05 de junho de 2020
Colunistas / A Boa Mesa
Dom Franquito

DOM FRANQUITO testa dentadura com o filé chiapaneca do VINTAGE House

Diz-se no México que, quando o cliente não fica satisfeito com o filé chiapaneca, por sua textura rancheira, pede pra trocar a dentadura
09/05/2014 às 09:33
Yo conheço um restaurante pelo faro. Numa rua com muitas casas desse gênero vale muito o visual, a presença de pessoas, o astral. A comida, digamos assim, quando não há a recomendação feita por alguém fica em segundo plano. Acontece que, quando a casa é movimentada, tem boa música, fila de espera, quase sempre a comida é boa. 

   Então, une-se o útil ao agradável para se usar um velho chavão. Restaurante bonito e vazio, pule fora. Também não serve aquele muito badalado porque o atendimento é lento, salvo se você é freguês do local e conhece algum garçom.

   En San Cristobal de Las Casas, a antiga capital espanhola de Chiapas, Sul do México, cidade fundada em 1528 pelos espanhóis no alto das montanhas numa altitude de 2.400 metros arriba del mar, frio gostoso, sempre, ainda mais aconchegante às noites, centro cultural do estado, se dialoga e se vê representantes nativos da cultura maya nas calles.

   Nessa cidade, se cultua São Domingos e milhares de turistas e nativos acorrerem a este sitio na Festa da Primavera, em busca de lazer, cultura e dos bons restaurautes.

   Nada melhor do que, en las noches, andar pelo centro histórico de San Cristobal em suas ruas estreitas, igrejas monumentais, casarões espanhóis da época colonial com balcões repletos de flores e muitos locais para se comer bem, bailar e petiscar.

   Com tantas opções à nossa vista, Yo e la señora Bião de Jesus, quase nos perdemos na escolha. Ficamos assistindo um show folclórico na Praça de Las Armas, com aquelas muchachas com suas saias rodadas e hombres as cortejando com sombreiros, e lá se foi o tempo andando. 

   Chapéu (sombreiro) é uma instituição no México. Não se vê todo mundo de chapéu nas ruas, mas, nos dias de festas populares é quase uma obrigação, assim como as mulheres descentes dos mayas usam anáguas sobre os vestidos e chales.

   Depois de caminharmos pelas calles Guadalupe e Hidalgo nos detivemos no Vintage House, resto bar e café da Hidalgo, um lugar muy elegante e simpático onde uma dupla de cantantes mexicas excutavam músicas bem no tom dramático e apaixonado das canções mexicanas. 

   Fomos recebidos por uma jovem garçonete argentina muy simpática e estilosa que nos deu um olá de boas vindas. A casa é especialista em cecina chiapaneca (cozinha chiapaneca), um típico local. Chiapaneco era uma antiga língua usada em Chiapas de Corzo, região central sudeste do México habitada pelos antigos índios chiapas (daí vem o nome do estado, Chiapas), hoje, falada por poucas pessoas. 

   A cozinha chiapaneca se caracteriza por uma comida artesanal, à moda dos mayas, os quais naquela época não tinham refrigeradores para guardar as carnes e usavam o sol (tipo carne do sol) para preservá-las.

   De começo, La señora Bião, atenta mais a música do que a mesa, optou por uma bebida internacional, a verdinha Heinekeen, holandesa; enquanto yo preferi uma tequila clássica José Cuervo no estilo rancheiro, com uma pitada de sal nas costas da mão, limão, pimenta e záz. Pra enfrentar a rústica comida chiapaneca nada melhor do que uma quente. E a tequila faz honras a esse gusto.

   De entrada, a jovem argentina sugeriu que de petisco provássemos os nachos tradicionales da casa, uma tortila retangular crocante feita de milho com acompanhamento de pasta de queijo e pimenta. 

   De fato, só uma quente e uma fria, pra usar a linguagem baianês pra aguentar um tranco desses.

   Noite à dentro muda-se o cantante da casa e um jovem começa a executar músicas de Roberto Carlos em espanhol. O capixaba é o cantor brasileiro mais popular no México e muito executado, desde seus sucessos antigos quanto os novos. 

   La señora Bião entusiasmou-se. Melhor para mim que recebi alguns besitos. E, claro, sendo uma sexta feira, quando se permite um sorriso, cantarolei uma música del rei brasileño.

   De principal, optamos por um filé de rés à moda chiapaneca. Carne marinada ao suco de laranja secada lentamente ao sol - como na época dos antigos mayas - com frijoles, molho ardiloso, abacaute e nachos.

   Sêo moço, haja dentes fortes e tequilas. Como dizem por acá, "se a carne estiver dura solicite outra dentadura". Como a minha é resistentes e havia implantando recentemente dientes com doutor Cantidiano segui adelante com a rés chiapaneca sem deixar vestígios no prato.
 Senti que la señora Bião não teve bueno apetite com esse prato. Mas, sabem como é, numa terra dessas não se pode comer uma pizza ou um spaghetti, embora haja bons locais para isso. Tem-se que provar a culinária local maya com tequilas e dentadura fuerte.

--------------------------------------------------- 

Restaurante Vintage House

Calle Hidalgo, 1

Andador Eclesiástico

San Cristóbal de las Casas, Chiapas, México

Filé Chiapanesca R$30,00

Tequila Cuervo, la dose, R$7,00

Heinekeen long-neck R$8,00

Reservas 01 (976) 631 78 67

Aceita cartões internacionais Visa e American Express