segunda-feira, 30 de novembro de 2020
Direito

VIOLÊNCIA POLICIAL NA NIGÉRIA DEIXA SALDO DE 69 MORTOS ATÉ ESTA SEXTA

Protestos são contra esquadrão anti-roubos (Com Daily Trust)
Tasso Franco , da redação em Salvador | 23/10/2020 às 18:49
Conflitos contra a ação da Policia SARS
Foto: Daily Trust

(NIGERIA) - O presidente Muhammadu Buhari disse que pelo menos 69 pessoas foram mortas em protestos contra a brutalidade policial que abalaram o país por mais de duas semanas. As mortes incluem 51 civis, 11 policiais e sete soldados

O presidente anunciou o número de mortes em uma reunião de emergência com ex-líderes com o objetivo de encontrar maneiras de acabar com os distúrbios.

O presidente disse aos ex-líderes que seu governo estava empenhado em atender às demandas dos manifestantes, mas não permitiria que os criminosos que haviam sequestrado os protestos continuassem a perpetrar “hooliganismo”.

Os protestos diminuíram drasticamente, mas uma calma inquietante permanece em várias cidades, com relatos de saques e ataques a não indígenas no sudeste e sul-sul do país.

O governador de Lagos, epicentro dos protestos, disse que o toque de recolher introduzido no estado seria facilitado.

Os protestos na Nigéria começaram no dia 7 de outubro, principalmente com jovens exigindo o desmantelamento de uma notória unidade policial, o Esquadrão Especial Anti-Roubo (SARS).

A unidade policial foi dissolvida e a Comissão Nacional de Direitos Humanos (NHRC) solicitou a apresentação de petições e queixas de violações dos direitos humanos contra ela ou outras unidades da Polícia ao Painel de Investigações Independentes sobre violações dos direitos humanos contra a Polícia.